Título Original: Fifty Shades of Grey
Autora: E L James
Editora: Intrínseca
Ano: 2011
Páginas: 480
Compre aqui

Esperei 4 anos para ler o “tão” polêmico Cinquenta Tons de Cinza da autora E L James, na época que ele estourou não me senti nem um pouco atraída, e mesmo depois de começar a ler continuei com esta sensação. Mas por que resolvi ler então? Simples, curiosidade depois de ver o primeiro trailer da adaptação.
Antes de qualquer coisa, eu sempre acreditei que para se ter uma opinião formada sobre algo e ter argumentos para discutir sobre tal coisa, nada melhor do quer ler e ter um pouco de conhecimento sobre né?! Afinal, quem sou eu para falar que evitem ou não um livro? pelo contrário eu estimulo a curiosidade, leiam e tirem suas próprias conclusões pois só assim terão a sua opinião e não serão meras mentes influenciáveis.
Pois bem, não vou me estender muito na história, até por que ela é bem curta mesmo, e acreditem a autora conseguiu escrever mais de 400 páginas em cima disso. No primeiro livro da trilogia conheceremos Anastacia Steele, uma estudante de jornalismo. Ana é aquela pessoa atrapalhada, com auto estima baixíssima, 20 e poucos anos, virgem e desengonçada. Quando sua amiga Kate fica doente, Ana fica responsável por cobri-la em uma entrevista para a faculdade. É assim que ela vai parar na Grey Enterprises Holdings, empresa administrada por Christian Grey, um jovem bem sucedido de apenas 27 anos, rico, inteligente e solteiro mas principalmente misterioso e intimidador.

Ana intriga Christian com sua inocência, seu jeito retraído e quieta chamam a atenção dele de tal forma, que aquela não seria a única vez que os dois se encontrariam se dependesse dele. Cristian confunde as atitudes de Ana como a de uma submissa e ele como dominador e adepto do sadomasoquismo e afins aproveita a chance e o interesse dela e propõe um contrato, do qual ela se entregaria de livre e espontânea vontade a ele apenas para satisfazê-lo.

Já adianto que, até o final do livro ela não decide se assina ou não este contrato, mas isso não os impede de se relacionarem e no caso de Ana de se apaixonar pelo magnata. Sim, ela se apaixonada por ele. Mas por quê? Anastacia simplesmente não se acha digna de um tratamento melhor? eu sinceramente não sei. 
Basicamente, é isso que acontece no livro todo, só isso. Claro que não contarei alguns detalhes importantes da história, mas vamos a parte que dou minha real opinião OK?! O livro poderia ser reduzido pela metade em números de páginas, não gostei da forma como a autora arrastava uma cena a outra apenas para narrar mais um ato de sexo, aliá, o que na minha opinião é muito forçado, por que Anastacia é virgem! Mencionei isso antes? E para uma pessoa virgem fazer sexo três vezes seguidas em sua primeira vez, seria no mínimo desconfortável certo? 
Para a autora, não. Enfim.. apesar disso analisando o personagem masculino achei que ele fez seu papel bem, frio, seco, interessado apenas naquilo que ele queria, e como queria. E Anastacia? Ela só me irritou, sem contar as partes que ela mantém um diálogo com sua “Deusa Interior”, isso não me convenceu, nem um pouco. Totalmente desnecessário mas OK.
Uma parte que eu gostei e dei muitas risadas foram os e-mails trocados entre os dois personagens, eram através deles que Ana mostrava um mínimo de personalidade, afinal estava longe da intimidação de Grey. Depois da leitura pude entender bem por que o livro fez tanto sucesso, e a resposta é bem simples! Os responsáveis são exatamente aqueles que dizem que não gostam, que dizem que é ruim, que é fraco, etc.. E isso que desperta a curiosidade dos leitores, isso que despertou a minha, mesmo que bem mais tarde.
Cinquenta Tons de Cinza bateu inúmeros recordes, vendeu 10 milhões de livros nas seis primeiras semanas nos EUA, a trilogia toda soma quarenta milhões de cópias vendidas em trinta e sete países e no Brasil, lançado pela Intrínseca vendeu 30 milhões de cópias em dez semanas. Por estes motivos que a primeira adaptação do livro já tem data marcada para 13 de fevereiro de 2015, que terá Dakota Johnson como Ana e Jamie Dornan como Christian Grey. Como se não bastasse o filme terá nada mais, nada menos do que as versões exclusivas de Crazy in Love e Haunted da Beyonce. Ahh… e eu falei que o primeiro trailer do filme conquistou também a marca histórica de anúncio de filme mais visto na Internet? Então…

Para quem não entendeu ainda o livro é um erótico, mas não se enganem, eu já li coisas MUITO piores por aí de autoras muito mais conhecidas (Oi, Sylvia Day!) e que não receberam metade das críticas que 50 Tons leva e levou, aliás os diálogos são até “educados” comparado por exemplo com Paixão Sem Limites de Abbi Glines (resenha aqui), afinal estamos falando de Sr. Grey né? 
O livro tem sim uma história acontecendo por trás de todo o erotismo mas infelizmente neste primeiro livro é deixada de lado pela autora. Digo isso “neste primeiro livro” por que já li o segundo livro e a história teve uma guinada, o sexo ainda está lá, mas agora a história flui com muito mais inteligência, principalmente porque conhecemos muito mais sobre a vida de Christian e entramos mais no psicológico e nos sentimentos dos personagens.
Cinquenta Tons é um livro que não agrada todo mundo. Mas querendo ou não, agradando ou não é um fenômeno mundial. Mesmo que para isso tenha que fazer um uso exagerado das inseguranças das mulheres, como a forma que transmite algumas atitudes perseguidoras e doentias de Christian em relação a Ana, como se fosse algo natural…entre outros. Nada contra OK?! IMO aqui! A leitura não vai te acrescentar quase em nada, mas carrega um romance sim, mesmo que ele tenha sido desenvolvido muito lentamente. 
O que começa de forma fria, aos poucos vai ganhando profundidade e confiança, aquele Christian cheio de muralhas erguidas pronto para dominar, passa a ser o submisso da história e Anastacia passa a ser a dominadora do coração dele desvendando aos poucos as 50 sombras de Grey.

Concluindo, o livro não me agradou, mas sinceramente? Acredito que o filme vai conseguir me convencer, vai passar a mensagem que o livro definitivamente não conseguiu, afinal as cenas de sexo serão cortadas em mais de 50% e conseguiremos finalmente ver claramente a história de amor? desses dois personagens. Duas coisas podem me convencer a ler o último livro: Christian Grey e o filme. Vamos ver o que vai dar.

Confira o trailer aqui e se quiserem rir, vejam este vídeo do Felipe Neto

rela
ciona
dos