Resenha: A Rainha

19 jan, 2015 Por Joi Cardoso

Título Original: The Queen
Autora: Kiera Cass
Ano: 2014
Editora: Seguinte
Páginas: 64
Compre aqui

Depois do lançamento do até então, último volume da trilogia A Seleção, já me bateu aquela dorzinha e saudade. Mas como sabemos, a autora Kiera Cass em agosto nos separou ótimas surpresas. Ficamos sabendo que a trilogia viraria série, ganharíamos mais dois livros e mais dois contos, dentre eles A Rainha da qual falaremos agora!
No dia do lançamento do conto eu fui correndo comprar, uma porque já tinha lido os três primeiros capítulos liberados junto com as novidades e outra por que precisava matar a saudade deste universo. Em A Rainha, conheceremos a história da Rainha Amberly, de como ela iniciou sua seleção, das dificuldades que enfrentou, da descoberta da sua doença e passamos entender mais sobre sua dedicação ao Rei Clarkson.

Tenho um segredo para te contar.

O mais legal do conto é saber que Amberly era de uma casta mais baixa (a rainha era da casta quatro mas que executava tarefas de uma sete) e de que maneira ela se tornou a escolhida e cativou o coração do rei, mesmo que as circunstância e até sua saúde a desfavorecesse. Talvez seja por isso que ela sempre teve um carinho especial por nossa teimosa América que era uma cinco, e com certeza é por isso que criou um filho tão bondoso e gentil.
Mas a pergunta que não queria calar em minha cabeça era: Como uma pessoa tão boa, se dedicou tanto e amou um rei tão frio e rígido não é mesmo? O que acontece é que o agora, Príncipe Clarkson não era de todo ruim, ele era inteligente, tinha seus sentimentos contidos e desde jovem já tinha responsabilidades e cobranças de um rei, obviamente que eu não o engoli totalmente por suas atitudes na trilogia com Maxon e América mas o compreendi e reforcei a ideia que família é tudo, onde não há estrutura não há nada.
Clarkson tinha pais desestruturados, que apenas se aturavam pelo bem do reino e das aparências, as brigas constantes e agressões de ambos o atormenta, o que tornaria ele um rapaz transtornado e no futuro, bem…isso teve consequências. Foi em Amberly que ele encontrou a paz, a tranquilidade que precisava em sua vida, Amberly é o centro do furacão de Clarkson e ao contrário de América ela sempre quis o amor do príncipe e a coroa.
Aqui também descobrimos que as regras na Seleção eram bem mais rígidas e eram protegidas por lei, infelizmente a dona Celeste já teria vazado a muito tempo no tempo de Amberly, assim como qualquer selecionada que não se comportassem como uma dama. Também descobrimos que não era apenas o príncipe que tinha o poder de mandar qualquer candidata embora. Muita coisa mudou de uma Seleção a outra e podemos entender por que Clarkson não aguentava os atrevimentos de América.
Se tivesse que apontar apenas uma coisa negativa no livro seria a falta de páginas! Gente! este conto renderia mais um livro muito facilmente. Eu senti falta de explicações, eu senti falta de: Como e quando a Amberly virou realmente a escolhida – por mais que tenha ficado claro no final do conto – Como foi a sua relação com a megera e alcoólatra Rainha Abby? Como foi a transição de princesa para rainha, e como foi a concepção, criação e crescimento de Maxon! São tantas perguntas e nada de respostas.

“- Você será a única coisa no mundo realmente minha. E vou colocá-la em um pedestal tão alto que será impossível alguém não te adorar.”

A carga e a história é tão diferente que de jeito nenhum ficaria repetitivo, se é que foi este o medo de Kiera. Bom terei que me contentar e me resta imaginar apenas as respostas de todas estas questões, uma grande pena. Agora é esperar março para a liberação do próximo conto, A Favorita que virá juntamente com o livro físico que unirá os dois contos. Se quiserem saber todas as datas de lançamentos, saber mais sobre o epílogo extra de A Escolha, e outras novidades cliquem aqui.

Confira a série A Seleção:

rela
ciona
dos