Resenha: Xeque-Mate

Título Original: Xeque-Mate
Autora: Dill Ferreira
Editora: Modo Genérico
Ano: 2014
Páginas: 320
Compre aqui

Hoje falaremos sobre o livro Xeque-Mate da autora parceira Dill Ferreira. Antes da resenha, preciso falar que a Dill conseguiu lançar seu livro através do patrocínio e do apoio cultural da Secult de Goiás (Secretária de Estado da Cultura), uma grande conquista! Agora vamos a história?

Thaissa é uma linda mulher, com 30 anos de idade já é bem sucedida, construiu sua carreira na empresa do seu pai, A Fênix. Independente, ela sempre fora uma mulher que sabia se portar, e sempre soube o que queria pra si. Nas férias do carnaval, ela e alguns colegas do serviço viajaram para o Rio de Janeiro e por lá ela conheceu Marcus. Durante o carnaval, os dois se encontraram por duas vezes. No segundo encontro deles, quando as coisas estavam quase avançando, Marcus inventa uma desculpa qualquer e a deixa sozinha no meio do salão.

Antes, eles trocaram beijos intensos e fervorosos mas seu encontro com o lindo homem terminou assim, do nada mas completamente envolvidos. Ela estava disposta a deixar isso para lá, afinal só seria mais um casinho bobo, mas o misterioso homem insistia em assombrar sua mente. Quem seria aquele homem? Por que teria a abandonado sem nem se despedir? Ele teria achado que ela queria algo sério, em pleno carnaval? Thaissa jamais saberia, pois nem o contato dele ela tinha.


Voltando a sua rotina e de volta ao trabalho, Thaissa é recebida na empresa com uma notícia não tão boa. Seu pai, André, estaria prestes a vender partes das ações da empresa por complicações financeiras. Ciente que isso não atrapalharia os negócios da família e tranquila por saber que o novo comprador não seria de jeito nenhum a víbora da sua ex madrasta Letícia, Thaissa aceita, afinal não tinham outra alternativa.

No dia que o novo comprador chega para se apresentar, adivinhem quem Thaissa encontra? Sim, Marcus! Totalmente mudado, com um ar de superioridade e até certo ponto rude. E o pior, fingindo que nunca se quer havia conhecido Thaissa. Ao ver a atitude de Marcus, Thaissa resolve entrar no mesmo jogo, seria indiferente. Porém o que ambos não sabiam é que a chama que se ascendeu no carnaval estava apenas começando e os joguinhos de provocações que se alimentariam a partir desse reencontro apenas serviria parar queimar ainda mais.


A editora fez um trabalho lindo, na diagramação, capa e cor. Por se tratar de uma história que começa no carnaval, todo o início de capítulo segue com serpentinas decorando a página e eu adorei isso. Porém, este cuidado ficou restrito apenas no visual. A editora pecou muito na revisão, durante a leitura encontrei muitos erros de digitação, pontuação e também ortográficos, o que foi uma pena. A fonte também é pequena o que dificultou um pouco minha leitura e a prolongou nos momentos que a narrativa era mais lenta. O que posso dizer é que estes erros não interferem no entendimento da história.

Xeque-Mate é um livro sobre a construção de um relacionamento quebrando diversos rótulos. Por este motivo, achei que o livro poderia ter facilmente menos páginas. Por vezes ficamos estagnados no cotidiano da personagem, sem nenhum acontecimento novo, o que pode ter deixado a leitura um pouco monótona. Através de Letícia, o livro aborda outros temas como inveja, oportunismo e outras formas que uma mulher pode se posicionar diante a sociedade, totalmente ao contrário de Thaissa. Mas sem dúvidas o principal foco é o relacionamento e as diversidades que podem encontrar.


Aos poucos vamos entendendo os motivos dos personagens para suas atitudes durante o livro e eu gostei bastante dessa abordagem da autora, senti que Marcus, conseguiu amadurecer muito como pessoa, principalmente nas partes em que este relacionamento era colocado a prova. Mas senti que a protagonista custou um pouco para se entregar, mesmo no final, quase que ela regrediu.. mas no último minuto no segundo tempo ela me convenceu e encantou com seu jeito tão forte e determinada.

Antes disso, a insegurança de Thaissa me incomodou um pouco. Na pele me Marcus, me senti pisando em ovos, tudo que era dito de uma forma ela interpretava de outra e isso foi bem complicado de entender. Mas não a julgo, eu consegui compreender os motivos da personagem, por tudo que ela passou com seu pai e também pela forma que ela se sentia cobrada diante a empresa, a sociedade e até diante ao Marcus. O que me joga para outro ponto fortíssimo que a autora aborda no livro, onde a própria Thaissa reflete sobre isso.

"Meu Deus, a que ponto chegamos? Em pleno século XXI onde temos todas as oportunidades em nossas mãos, temos medo de nos envolvermos afetivamente com pessoas. Enfrentamos centenas de problemas e gente de todos os gênios possíveis, mas quando o assunto é relacionamento, somos medrosos.''

Hoje em dia, temos medo de nos relacionar, medo da perda, medo da decepção. Por estes motivos muitas pessoas optam por não se envolver, evitando assim, o fim. Mas quando existe amor caros leitores, é impossível repudia-lo, ele dá um jeito de voltar com toda a força para mudar vidas, ou enche-las dela. Se você procura um livro com uma boa construção de relacionamento, onde a todo momento elementos como desejo, mágoas e intrigas serão colocadas em xeque a confiança de Marcus e Thaissa, este livro será uma ótima leitura.


Conheça a autora:
Dill Ferreira nasceu em Caiapônia Goiás, em 11 de julho e reside á mais de 20 anos em Rio Verde, no mesmo estado. Escritora dos gêneros romance e infantil, Dill Ferreira possui 04 obras publicadas. Seu primeiro livro Casamento por Aparências recebeu o prêmio Interarte Goiás, como um dos melhores romances do ano de 2012. NEO Acadêmica da Academia de Letras de Goiás. Dill Ferreira é Formada em Administração de Empresas, casada e tem um filho.
Para saber mais, acesse: Blog | Facebook | Twitter | Wattpad

15 comentários

  1. Olá, o livro não me interessou muito, não conhecia ele e também não gostei muito do enredo, acho que por não ser um genero que eu goste mesmo!
    Abraços
    www.estantedepapel.com

    ResponderExcluir
  2. Estou com este livro na estante, louca pra ler!
    Gostei muito da sua resenha, pelo que vi ( folheando o livro) vi que a diagramaçlão realmente esta linda! Não vejo a hora de começar a leitura...

    http://www.detudopouco.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Dill é parceira lá do CL. Tivemos alguns probleminhas com o correios, mas agora o livro já está a caminho.
    Eu não imaginava que a diagramação era tão linda assim.
    Adorei a resenha, é muito bom saber que a história trata de amadurecimento entre tantas coisas.
    Que pena as letras serem pequenas heim.
    Bom tomara que eu goste.
    Beijos e amei a resenha.

    Coleções Literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sou quatro olhos isso me atrapalhou um pouco, mas tem gente que não se importa ^^ Bjs

      Excluir
  4. Olá Estante Diagonal!
    Obrigada pelo espaço e a resenha Joice. Adorei as imagens e agradeço por suas palavras.
    Grande beijo!!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Joi, como você tá?

    Hmmmm, capa quente, viu? :p eu não sou muito de livros com capas assim ,ams quero ler algo diferente para ver se eu saio dessa maldita ressaca em que eu me encontro ):

    Beijos, Ana K | http://universoaoquadrado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm não curto mto, mas as vezes acabo me surpreendendo Ana! Bjs

      Excluir
  6. Que livro mais quente, adorei.
    Até porque é bem comum essas coisas acontecerem, só que não com tanto fervor.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  7. Oi, Joi!
    Gostei bastante da resenha, especialmente de sua sinceridade nela. O livro me parece muito interesse, entretanto (ao meu ver, claro) não tão original, já que vi semelhanças com outros livros em relação a premissa.

    Beijão

    ResponderExcluir
  8. Pior que é verdade. Afinal, hoje em dia o que menos temos é certezas né?!
    Uma ficção que não é tão ficção assim né?!
    Não gostei muito da capa, mesmo assim vou dar uma chance pra autora, pra saber o que vai suceder. Espero gostar mais que você, porque né.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Liih! E a insegurança em segundo lugar!

      Excluir
  9. Às vezes é o medo que nos move, o que mais existe é a incerteza. Não conhecia o livro, mas não chamou muito minha atenção não.

    ResponderExcluir
  10. Acho super bacana o fato de cada vez mais a gente consegue encontrar livros de autores brasileiros de outros gêneros, além dos clássicos e das histórias infantis.
    Me parece um livro interessante. No momento estou com minha prateleira atolada, mas quem sabe um dia, não é mesmo?
    Bjs
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol é verdade, a literatura nacional tem ganhado cada vez mais espaço!

      Excluir