Resenha: Os Bebês de Auschwitz

05 mar, 2016 Por Lili Dalpizol

Título Original: Born Survivors 
Autora: Wendy Holden
Ano: 2015
Editora: Globo Livros
Páginas: 352
Compre aqui
Sempre fui fascinada por História, sabem, a matéria, no colégio. Mais especificamente, a Segunda Guerra Mundial. Nunca consegui entender o que levou Hitler a cometer tais atrocidades, a mais que isso, nunca consegui entender como milhares de alemães, austríacos a por aí vai, aceitaram a ideia, mais que isso, aceitaram a sua loucura, o seu ódio. 
Li, reli, muitos livros, notícias, informações, documentários, e sempre me choquei mais e mais. Ora lia coisas relacionadas a Hitler, ora lia coisas relacionadas a campos de refugiados, vi diversos filmes, e posso afirmar, que esse livro foi o que mais me tocou. Demorei uma semana para lê-lo, e não foi por falta de interesse, é por tratar-se de um livro muito pesado, em que eu lia um pouco, absorvia todos os detalhes, e não conseguia continuar muito naquele dia. 
Essa será uma resenha diferente, pois este livro não é de ficção, mesmo parecendo. São histórias que aconteceram com três jovens mulheres, que nada tinham em comum, a não ser o fato de serem judias. Três jovens com boas e grandes famílias, com conforto, comida, que tinham sonhos e desejos. Que lutaram até o fim.
Na parte inicial do livro, conhecemos a vida pré-nazismo de três jovens moças. Priska, Rachel e Anka. Priska, da República Eslovaca, Rachel, da Polônia e Anka, de Praga. Cada uma com sua vida começando em todos os quesitos, amoroso, profissional, familiar, até que tudo muda de repente. 
Os nazistas começaram pela Polônia, e Rachel, achando que conseguiria escapar ilesa, que tudo parecia muito longe dela, se vê cercada, junto com sua família. Obrigada a abandonar a casa onde sempre moraram, Rachel e a família é levada para um gueto (local de trabalho, cercado por muros, precedente dos campos de extermínio). Lá, são obrigados a viver em apenas um cômodo, cercado de pessoas que não conhecem. Trabalham cerca de 14h, diariamente, à noite o frio é extremo, a comida é pouca, e de péssima qualidade. Mais tarde, após mudanças de endereço constantes, Priska e Rachel também acabam sendo capturadas. 
As três mulheres se casaram com seus respectivos namorados, sob os horrores do domínio nazista. As três mulheres foram separadas dos maridos. As três mulheres engravidaram na mesma época. E as três mulheres passaram pelos mesmos horrores, sem nunca conhecer uma a outra. 
Após os guetos, foram enviadas nos trens de gado (containers fechados, onde tinham que fazer suas necessidades fisiológicas ali mesmo, sem água ou comida, e sem que todos pudessem se sentar, pois não tinha espaço), para os campos de extermínio. O campo em que as três jovens tiveram a infelicidade de serem mandada, foi o famoso campo de Auschwitz
Chegando lá, logo conheceram uma figura recorrente na história nazista. Dr. Mengele. Josef Mengele era um médico nazista, responsável por fazer avaliações iniciais, e diariamente em quase todos os detentos. O motivo por ter se tornado famoso, já que tanto outros médicos também desempenhavam este trabalho, é que Dr. Mengele, parecia realmente gostar de sua tarefa de “anjo da morte”. O poder de escolher quem vive, quem morre, quem vai para câmara de gás, e quem ia para seus experimentos científicos. Na inspeção inicial com Dr. Mengele, as três jovens judias foram rápidas ao responder “Nein”. Talvez essa simples palavrinha, tenha salvo, todas as três moças. Mas não sem antes passarem pelos mais diversos tipos de torturas. 
Sabemos que nesses casos, as histórias tiveram finais felizes. Pelo menos é o que o título do livro nos leva a crer. A quantidade de detalhes que a autora nos trás, e realmente chocante. Não consigo entender, ainda, porque isso aconteceu. Como ninguém notou que algo estava errado? 
O livro me trouxe muitas coisas que eu não sabia, e fiquei muito feliz por isso. Focando na história dessas três guerreiras, conta ainda com relatos de outros prisioneiros, passando por toda sua trajetória. Fiquei feliz de ler, que, em alguns momentos, haviam pessoas que tentavam ajudar, mas não era uma tarefa muito fácil, já que os guardas da SS não facilitavam, e até matavam pessoas que ajudavam.
É difícil conceber, como essas mulheres conseguiram levar essa gestação até o final. Pesando cerca de 30kg, sem comida, sem roupas ou calçados, trabalhando cerca de 14h diárias, dormindo em camas molhadas e mais outras milhares de coisas. É angustiante até imaginar, então, com certeza Os Bebês de Auschwitz foi uma leitura valiosíssima para mim. 
Enfim, o livro me fez refletir muito, e espero que muitas pessoas leiam, por que é como dizem no livro, quanto mais pessoas ficarem sabendo das barbáries que fizeram com esses milhares de seres humanos, a chance que ocorra novamente é pequena. Assim esperamos. A intenção não é chocar, mas sim informar. Recomendado!
Enjoy, 
XoXo.

rela
ciona
dos