Resenha: Três Vezes Nós

Título Original: The version of us
Autora: Laura Barnett
Ano: 2016
Editora: Novo Conceito
Páginas: 380
Compre aqui

Três Vezes Nós apresenta uma nova forma de leitura, onde as mesmas pessoas se entrelaçam de formas diferentes formando histórias diferentes, oferecendo ao leitor um jogo de sete erros. Você precisa ficar muito atento as diferenças e semelhanças em cada versão da história para acompanhar tudo. Parece um pouco complicado, mas não é. 

"A história começa assim" apresentando dois começos em 1938. Um prólogo sobre como Eva e Jim vieram ao mundo, os personagens principais. Também temos uma breve introdução sobre os pais dos personagens, que de certa forma tiveram muita influência nas pessoas que eles se tornaram ao longo da vida.

Eva é estudante de letras na Universidade de Cambridge, Inglaterra. Ela namora David Katz, um potencial astro dos palcos e do cinema. Seu grande sonho é ser escritora. Na outra ponta da história nós temos Jim. Ele é estudante de direito, mas a sua grande paixão é a pintura. No entanto, ele sofre a pressão da mãe que tem problemas de saúde para fazer o curso e se afastar o máximo possível de ser como o seu pai, um famoso pintor com seus esteriótipos. 

Nas três versões da história, os personagens partem desse ponto em suas vidas. As variações começam a partir do momento que Eva sofre um acidente de bicicleta no campus da universidade e Jim aparece na sua vida - ou não. É esse acontecimento que leva o desenrolar das histórias (no plural mesmo) até 2014, recheadas de traições, ambições, amor e arte.


Comecei lendo o livro esperando por uma presença muito forte de um romance avassalador, onde fatores externos implicassem em suas trajetórias ou até mesmo um romance água com açúcar que leva anos. Porém, ao meu ver, o amor deles é algo que tem a ver mais com uma espécie de conexão. Nada ligado a vidas passadas, apenas um amor que simplesmente deve acontecer e que de fato acontece em suas três versões. 

Para quem está acostumado com um ritmo narrativo mais acelerado pode ficar um pouco frustrado ao encarar esse tipo de leitura. A história é picotada não apenas por versões diferentes, como por anos diferentes. Acompanhamos a trajetória deles por quase 80 anos! Vemos eles aos poucos seguindo suas vidas: envelhecerem, terem filhos, netos, perderem entes queridos. 

Em muitos momentos, eu vi o livro mais como uma representação da vida do que do amor em si. Ao final de 380 páginas, eu levo essas três versões como uma lição de vida, uma representação dos nossos diversos "e se", uma amostra de que nem sempre as coisas são como imaginamos. Se não me engano, em certo ponto, Eva faz referência ao Mito da Caverna de Platão e questiona sobre vivermos olhando para sombras ao invés da realidade.


Apesar da capa leve e muito bem escolhida com essas linhas que se cruzam, a história é muito "cabeça". O foco não está apenas no romance entre eles, pelo contrário, muitas vezes suas trajetórias de vida aparecem em primeiro plano. Se for para comparar, eu diria que ele está bem próximo do Um Dia do David Nicholls. A única coisa que me incomodou é que eu estou mais acostumada a ler livros em primeira pessoa e isso fez com que eu sentisse uma distância desconfortável que livros narrados em terceira pessoa oferecem -  uma questão de gosto. No geral, eu fiquei muito surpresa com as reviravoltas das vidas (no plural mesmo).

8 comentários

  1. Oi!
    Achei o livro muito interessante, deve ser uma leitura levinha e bem gostosa (ou não) haha, fiquei bem curiosa. Adorei o fato do romance não ser o centro, e deles terem uma conexão, na minha opinião isso deixa a história bem mais real e a leitura mais fluida, achei a capa uma graça.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Nina, acho que vi a sua resenha no momento certo. Sabe quando estamos cheios de ler livros dos mesmos gêneros? Estou assim, e realmente preciso de uma leitura mais madura.
    Adorei a dica.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  3. Nina!
    Apesar do livro parecer mesmo um tanto confuso por apresentar várias versões de uma mesma história, me sinto instigada pela leitura porque adoro perceber as diferenças e descobrir o que faz com as as versões sejam diferentes e quais são os erros.
    “É melhor saber coisas inúteis do que não saber nada.” (Sêneca)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de NOVEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Não sei exatamente em que momento me dei conta de que nunca vou conseguir terminar de ler esse livro. Ele parece ser incrível, mas tenho um problema seríssimo com histórias picotadas e que dão um nó na cabeça, tenho vontade de jogar tudo pra cima e deixar quieto aiuehaiuhe. Mas ainda assim quero tentar ler ♥

    ResponderExcluir
  5. Esse livro é bem diferente dos quais estou habituada a ler, a história parece ser um pouco confusa, mas mesmo assim fiquei com vontade de conhecer, é bom variar o tipo de leitura de vez em quando!

    ResponderExcluir
  6. Essa é a segunda resenha que vejo desse livro e posso falar que ele chamou bastante minha atenção. Acho que pela maneira diferente de contar a historia e tantas versões. Com certeza é algo que gostaria de ler e conhecer um pouquinho mais dos personagens.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Nina,
    Nunca tinha ouvido falar deste livro, mas olhando a capa e título, pensaria em algo totalmente diferente do que é proposto pela autora. A forma que ela escolheu para criar esta história, é bem diferente de tudo que já li. Penso que é algo mais interativo, pois o leitor tem que se envolver mais na narrativa para se conectar com os personagens. Mas tenho que dizer que gostei da ideia da autora, pois em muitos momentos da vida nos perguntamos "como seria minha vida se tivesse feito uma escolha diferente em determinado momento?". O que ela propõe é algo diferente e interessante!!

    ResponderExcluir
  8. Esse livro tem jeito de ser meio frustrante, né? Acompanhar o casal se apaixonando, pra depois ter que torcer tudo de novo, e de novo hahaha. A proposta da obra é bem diferente, mostra como duas almas destinadas tendem a sempre ficar junto no final das contas, mesmo. Adorei a sua resenha!!

    ResponderExcluir