Resenha: Deixa Ela Entrar

Título Original: Låt Den Rätte Komma In
Autor: John Ajvide Lindqvist
Ano: 2013
Editora: Globo Livros
Páginas: 500
Compre aqui: Submarino - Amazon

Não é a primeira vez que, seguindo os caminhos maravilhosos da literatura europeia, escolho uma obra escrita por autores suecos. Existe algo de especial na literatura sueca, algo que destoa do padrão americano e inglês, que estamos tão acostumados a observar. É algo em seu detalhamento, na quantidade de páginas de suas obras, nas narrativas acertadas, na escrita instigante que me apaixona cada vez mais. Como não poderia ter sido diferente, ao finalizar a obra de John Ajvide Lindqvist, me vi mais perdida ainda na qualidade de escrita e criatividade desses autores maravilhosos!

Deixa Ela Entrar, publicado pela primeira vez no ano de 2004, trata-se da obra que deu origem ao filme sueco lançado em 2008. A história agradou. Os amantes de terror e vampiros encontraram uma narrativa moderna, porém repleta de elementos que remetem aos vampiros clássicos. O sucesso foi tanto que, no ano de 2010, foi lançada uma versão americana do filme sueco. Confesso que não tive acesso a adaptação sueca, mas, ao comparar a versão americana à obra original, devo avisar que a adaptação cinematográfica não chega aos pés de sua versão escrita.

Como uma boa obra sueca - se permitem a minha ousadia em dizer - Deixa Ela Entrar apresenta uma narrativa interligada em diversas pequenas narrativas que, unidas, fornecem a fonte de informação capaz de ligar as pontas soltas, bem como, apresentar a narrativa principal que está conectada a todas as narrativas secundárias. Encontraremos diversos personagens, vamos precisar lembrar de vários nomes e personagens, observaremos detalhes e segredos capazes de criar um clima ainda maior de tensão e curiosidade do leitor. O detalhamento acontece na medida certa, tudo está ali por um motivo e a melhor parte é se surpreender com cada pequeno detalhe que nunca passou pela tela do cinema.


Na escuridão de uma fria noite, um homem de certa idade e uma bela garotinha, carregam seus poucos pertences num pequeno caminhão de mudança e seguem para o que virá a ser seu novo lar. Os dois seguem em direção a um condomínio de apartamentos localizado no subúrbio de Estocolmo. Uma vez estabelecidos, as janelas serão cobertas por grossas cortinas, os vizinhos não farão ideia de quem se mudou recentemente para o apartamento ao lado, e o homem deverá assumir a responsabilidade de trazer comida para casa. Pouco sabiam eles que o destino da bela garotinha Eli, estava interligado ao de um garoto chamado Oskar, menino inteligente, esforçado, que sofria muito nas mãos de colegas cruéis que aplicavam todo o tipo de tortura psicológica e física ao pobre garoto.

Quando, logo após a mudança dos novos vizinhos, um garoto é encontrado morto, preso pelos pés no tronco de uma arvore, sem qualquer vestígio de sangue espalhado a não ser por algumas gotas logo abaixo do corte em sua garganta, uma nova amizade começará a surgir. Oskar e Eli começam a se encontrar no pátio do prédio todas as noites, mas a garota é estranha, misteriosa, parece não sentir frio, enxerga muito bem mesmo na maior escuridão, nunca aparece quando o sol está no céu, parece sofrer de uma estranha doença. Ao mesmo tempo em que a polícia busca pistas para encontrar o assassino do garoto na árvore, e, de outros assassinatos misteriosos, Oskar irá descobrir o maior segredo de sua nova amiga e ... caso você esteja curioso, sim, Eli vem a ser uma espécie de vampiro.


John Ajvide Lindqvist eleva o patamar das nossas queridas histórias de vampiros. Além de acrescentar informações próprias, detalhes peculiares, segredos escondidos, o autor brinca com o vampirismo clássico e, isso sempre foi algo que elogiei em livros do gênero. Não podemos negar que vampiros são monstros, é verdade que ainda existe uma parcela de humanidade em seu cerne, mas no geral, estes são seres cruéis, famintos, e até mesmo selvagens. Ao entender a essência de um vampiro o autor foi capaz de modificar elementos a vontade sem retirar as características clássicas que os torna o que são. 

Para além dos vampiros, o autor consegue inserir de maneira sublime aspectos atuais, muito observados na fase da adolescência, dentre eles, acredito que o principal seja o bullying. Aqui observaremos e, não teremos ação nenhuma sobre as atrocidades cometidas por adolescentes – me perdoem a palavra – retardados. Veremos a triste realidade de quem sofre bullying, as “motivações” de quem comete, as consequências para a vida dessas crianças.

Deixa Ela Entrar é um prato cheio de sangue, assassinato e mistérios a serem desvendados, mas também se trata de um livro sobre a amizade e companheirismo, mesmo que abordado de uma maneira pouco convencional. Tenho certeza de que aqueles que já assistiram o filme irão se surpreender com a profundidade dessa obra e, para aqueles que nunca assistiram, mas gostam de boas histórias de vampiros, garanto que Eli não irá desapontar.


10 comentários

  1. Nossa, a resenha deixa a gente com vontade de ler a obra, com certeza. Devo confessar que não costumo ler obras de autores de nacionalidades diversas, acabo ficando com os nacionais e ingleses (hábito que pretendo mudar) e por isso não conhecia o livro, mas fiquei muito interessada, uma vez que o enredo junta o elemento sobrenatural e uma história envolvente. Espero poder conferir o livro em breve.

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Achei bem legal a maneire como descreveu a escrita do autor, gosto de livros que fogem um pouco do cliché e da mesmice, nunca li algo do gênero, mas sou louca por livros sobrenaturais, gosto também desse mistério envolvendo o assassinato e investigação, a capa é linda.
    Espero gostar.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Não conheço nenhum autor sueco mais seria uma experiência ótima achei a capa super linda e a resenha a respeito com história super incrível acho que seria bom dar uma renovada com a leitura.

    ResponderExcluir
  4. Izabel!
    Não conhecia o livro e nem assisti o filme, porém como sou fã desses seres bebedores de sangue, fiquei bem interessada, porque adoro os livros com vampiros clássicos e ver que o autor conseguiu inserir temas como bullying e amizade, não tão convencional, me deixou ainda mais curiosa e interessada pela leitura.
    Bom final de semana!!
    “Se sabemos exatamente o que vamos fazer, para quê fazê-lo?” (Pablo Picasso)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Oi Izabel!
    Não conhecia o filme, mas entendo o que você quer dizer com essa característica especial dos livros suecos. Acho que eles são mais "crus" que os americanos e essa característica funciona muito bem em tramas policiais e de suspense. Acho que os noruegueses tem isso também.
    Eu não sou muito de vampiros, mas me interesso mais pelo contexto em que eles estão inseridos e esse parece ter temas interessantes aliados à temática vampiresca.
    Linda capa!
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Assisti o filme, mas o livro com certeza deve ser bem melhor, adoro historias com vampiros de qualquer tipo rs. Fiquei bem curiosa em ler, devido ter mistério e surpreender, sem falar no clima de suspense desses assassinatos. Deve ser uma amizade muito fofa dela e do garoto.

    ResponderExcluir
  7. Olá, essa resenha me deixou com aquele ar de procure para ler, achei super legal essa historia de uma amizade de um ser mistico com um humano, deve ser bem legal...amei a sua resenha, ela deixou aquela curiosidade a tona para saber a continuação.!!

    ResponderExcluir
  8. Que essa adaptação se torne exemplo, tão raro livro-filme de qualidade. "Tudo bem" que uma história com essa trama num livro daria certo, consegue pelo jeito prender o leitor à página

    ResponderExcluir
  9. Oi Izabel,
    Não conheço nada da literatura sueca, mas já assisti algumas adaptações cinematográficas e gostei bastante das histórias. Deixe-me entrar, inclusive, foi uma delas. Esta obra trás uma combinação do moderno com o clássico no que diz respeito aos vampiros. Tudo que envolve a cultura vampiresca é aplicado com precisão e é acrescentado novos detalhes deixando a mitologia mais interessante. Mas, com certeza, não é só a mitologia ou os mistérios que se destacam no livro, mas também a amizade que irá surgir entre Oskar e Eli. Ainda quero realizar esta leitura, pois o filme foi muito interessante de assistir.

    ResponderExcluir
  10. Oi Izabel,
    Lendo sua resenha lembro de ter visto o filme passando em algum canal mas acabei não assistindo. Adoro vampiros clássicos e achei muito legal utilizar elementos atuais como bullying. Nunca li nada de autores suecos e com certeza esse me chamou a atenção.
    Beijos

    ResponderExcluir