Resenha: Ninfeias Negras

Título Original: Nymphéas Noirs
Autor: Michel Bussi
Ano: 2011
Editora: Arqueiro
Páginas: 346
Compre aqui: Saraiva - Amazon

Não é sempre que verbalizo, exteriorizo e me arrisco em expressar todo o carinho e agradecimento que tenho por uma pequena grande palavra conhecida por arte. A arte me salvou, ensinou o verdadeiro significado de palavras como inspiração, amor e criatividade. Foi capaz de mostrar que embora certos caminhos devam ser trilhados sozinhos, seres maravilhosos de eras passadas estão conosco, passando pelas mesmas coisas, sentindo as mesmas incertezas, dores e alegrias, mas tendo a certeza de que o mundo se torna único e mágico pelo olhar de mentes inquietas e corações carregados de inspiração.

Quando uma obra literária se propõe a compartilhar uma narrativa misteriosa, carregada de suspense e assassinato, mas, ao mesmo tempo ambientada na pequena cidade em que meu segundo pintor preferido passou anos de sua vida. Cidade em que estabeleceu morada, construiu um belíssimo laguinho de nenúfares e, incansavelmente, pintou suas obras mais emblemáticas. Quando um livro se propõe a contar uma história policial recheada de informações detalhadas sobre arte, sobre a vida de um pintor querido, sobre as ruas, a atmosfera de uma pequena cidade, todo aquele amor que carrego me direciona a leitura. E, apaixonada como sou por arte e um bom mistério, estranho seria se não compartilhasse com vocês esse lançamento, mais do que acertado, da editora Arqueiro.

“Num vilarejo, viviam três mulheres. A primeira era má; a segunda, mentirosa; a terceira, egoísta. ”


A trama interliga pessoas, ruas, casas e segredos de uma cidade chamada Giverny. O palco principal está situado nos belíssimos Jardins de Monet, localizado atrás da casa do pintor, uma adorável residência rosada, onde inspiramos paz e criatividade e expiramos mistérios e crueldade. O gatilho é um assassinato. Um importante membro da comunidade é encontrado juntamente ao lago dos jardins, sua cabeça está parcialmente submersa, sua morte pode ter sido causada por uma pancada forte na cabeça ou um tiro em seu peito. Esse importante homem era apaixonado por arte, com uma predileção pelas obras de Monet, e também por mulheres bonitas.

Essa morte está diretamente ligada aos sonhos impossíveis de uma garotinha de onze anos chamada Fanette, sua criatividade e talento incontestáveis a levam para os caminhos da arte e pintura. As pinturas de Fanette se conectam as paixões e aspirações da única professora da cidade, Stéphanie Dupain, mulher de um dos principais suspeitos do assassinato. E como observadora de todas essas linhas da vida que se cruzam, temos uma mulher idosa vestida de preto, quase invisível na multidão, porém conhecedora de todos os segredos capazes de resolver os enigmas dessa trama.

“A primeira só usava preto, a segunda se maquiava para o amante, a terceira enfeitava os cabelos para que voassem ao vento. ”


Fascinante! É assim que classificaria essa obra em apenas uma palavra. Com maestria, beleza e cuidado, Michel Bussi foi capaz de construir uma história que respira arte e informação, transborda mistério e prende o leitor do início ao fim. Cada detalhe, sendo fictício ou verdadeiro, é interligado de maneira a nos deixar confusos, perdidos no meio de tantas teorias e segredos. O assassinato é o ponto de início dessa trama, porém, as vidas ligadas a ele, os mistérios, os detalhes e sentimentos vão muito além, desabrocham como uma bela flor nos Jardins de Monet.

A presença das três personagens femininas é essencial e magnífica. Nunca pensei que ao finalizar essa obra, teria em mãos algo tão sublime, encantador, maravilhoso e cruel. A estratégia utilizada já me era conhecida, porém, mais uma vez, não fui capaz de perceber o que estava diante de meus próprios olhos, não fui capaz de ligar os pontos e prestar atenção nos pequenos detalhes. A maneira como a história nos prende, como nos instiga, torna ainda mais difícil perceber a verdade por trás das palavras e ações. Somente quem chega ao final da obra é capaz de perceber a grandeza desse livro, bem como, vem a ser presenteado com um fechamento gracioso.

“É o sorriso de alegria de Fanette. São os olhos de ninfeia de Stéphanie. Vivos, muito vivos. ”


Ninfeias Negras contém suspense, arte, mistérios a serem esclarecidos, amores brutalmente afastados, sonhos despedaçados, beleza e crueldade. O livro é capaz de inserir informação real sobre arte em uma trama instigante, cria ambientes inteiros diante de nossos olhos, e nos confunde com suas palavras. Não saberia dizer se esse é um livro sobre arte ambientado em uma história de suspense, ou um suspense muito bem embasado em informações sobre arte, uma vez que os dois elementos foram marcantes para minha experiência de leitura. Mas, garanto que ninguém está realmente preparado para descobrir os segredos desse livro, não sem chegar até o último ponto final e compreender a graça com que fomos enganados e manipulados.

7 comentários

  1. Oi Izabel,
    Ninfeias negras tem chamado muito minha atenção em todas as resenhas que leio. A história é misteriosa, assim como seus personagens e o uso de três protagonistas tão diferentes é algo que não costumo ver em livros. Mas o que estou mais intrigada é em como essas três personagens se interligam e se elas estão envolvidas, de alguma forma, no assassinato de Jérôme Morval. Dá para ver que o autor é detalhista na descrição da ambientação, nos detalhes e em narrar a beleza dos Jardins de Monet, do local onde um assassinato ocorre e, isto, é muito contrastante. E é essa união do belo e cruel que mais se destaca nesta trama e me deixa mais ansiosa para fazer esta leitura!!

    ResponderExcluir
  2. Tenho esse livro mais ainda não tive a oportunidade de ler, mas a historia é muito diferente dos livros que estou acostumada a ler e só por isso já desperta uma enorme curiosidade, eu espero gostar porque só li resenhas positivas e acho que realmente vale a pena conferir.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  3. Izabel!
    Sério! O livro reúne o que mais gosto em uma leitura bem escrita: thriller policial e arte, como não gostar, né? Ainda mais quando Monet está em evidência.
    Ver fatos reais sobre a vida do pintor, se misturarem com uma fantasia bem criada e cheia de mistérios, é fascinante.
    Quero ler.
    “Ouse saber!(Sapere aude)” (Immanuel Kant)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Assim que vi esse livro me interessei, gostei da capa e tem misterio e segredos que adoro, fiquei curiosa imaginando como a vida dessas mulheres se conectam e tem a ver com o assassinato.

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Ninfeias Negras, nem mesmo sei o que dizer sobre esse livro, capa e super chamativa e o nome nem se fala....a historia é envolvente, misterio, suspense, amo essas coisas porém nunca cheguei a ler mas quero muito, muito mesmo ler ele...com tanta resenha lida, falada sobre ele me deixou com muita curiosidade sobre ele!!

    ResponderExcluir
  6. Oi Izabel!
    Adorei que a história retrata mistério, suspense mas está aliada a Arte <3 Bem criativo, nunca vi nada parecido. Já estou com medo da mulher idosa vestida de preto (sempre tem uma pessoa misteriosa neste tipo de enredo). Também me atrai quando o livro mistura o fictício com o verdadeiro. Quero ler com certeza!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. OI Izabel.
    Eu adorei a sinopse do livro, fiquei mais que curiosa para conferir, amo esse senário de mistério e investigação, achei a capa bem interessante, gosto bastante de personagens marcantes, principalmente por se tratar de três mulheres tão distintas, além do livro ter suspense e mistério, o que eu particularmente adoro.
    Bjs.

    ResponderExcluir