Mulher Maravilha - Crítica

Wonder Woman

Lançamento: 01 de junho de 2017
Com: Gal Gadot, Chris Pine, Connie Nielsen, Robin Wright
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia

Uma coisa sabemos bem sobre o universo DC, o estúdio não tem medo de errar. Após o sucesso que foi o Batman - O Cavalheiro das Trevas, a pressão para os próximos filmes foi grande, principalmente quando o estúdio coirmão estava anos luz a frente. A verdade que filme a filme isso vem mudando, vem-se criando uma identidade sólida para o gênero, e hoje vim falar sobre o filme que pode ser a melhor adaptação da companhia até agora. Após os medianos, Superman, Batman vs Superman: A Origem da Justiça e o fracasso que foi Esquadrão Suicida, Mulher Maravilha tinha sob suas costas a responsabilidade de levantar a moral do estúdio em um filme solo. E eu lhes afirmo que Mulher Maravilha não só consegue dar um novo tom para o novo universo da DC, mas como Gal Gadot consegue provar que é a mulher maravilha que esta personagem tão extraordinária precisava.

Aqui teremos mais um filme de origem, porém desta vez, muito bem contextualizado e na medida certa para o público, sem ser repetitivo, mas diferente do que já vimos. Voltaremos ao passado de Diana, onde ela e outras amazonas vivem em segredo na Ilha de Themyscira. Ainda criança, Diana passou a receber um treinamento pesado de Antiope, mesmo depois dos protestos da Rainha Hipólita que a afastava das atividades.

A jornada de Diana inicia com a chegada de Steve Trevor, um espião britânico, e junto com ele os nazistas que o perseguiam. Com a descoberta do mal que assola o mundo, Diana descobre seu proposito e vê a oportunidade de honrar a missão de todas as Amazonas, garantir a paz e a segurança dos humanos contra as mãos de Ares, o Deus da guerra. Assim ela parte com Steve para o coração da guerra, onde acredita que poderá trazer a paz para a terra novamente.


Com início, meio e fim, mas que ao mesmo tempo não deixa de ter conexão com o material entregue até agora, em um roteiro acertado, entenderemos como Diana surgiu quais suas motivações e também quais são seus objetivos. Mulher Maravilha mostra como um filme de origem deve ser criado e o que realmente é ser um super-herói, desde o início até efetivamente se tornar um. Finalmente, uma história fechadinha para a inserção da personagem no universo DC que integrará a Liga da Justiça, próximo lançamento do estúdio. 

Diana é uma personagem muito imponente e mesmo assim, sua inocência e seu senso de justiça a confrontarão a todo momento conforme o filme vai se desenrolando. A situação do mundo no ápice da Primeira Guerra Mundial é opressora demais e Diana precisa aprender e aceitar a forma que os homens se posicionam e agem diante o conflito. Os dilemas e todo esta luta interna devido as descobertas que faz são passados com extrema clareza para o público, permitindo que o próprio se compadeça da personagem e até relembre a situação do mundo naquela época.

Os diálogos entre Diana e Steve são ótimos, com um equilíbrio bom, é possível compreender todas as facetas desses dois personagens. Ambos interagindo com Etta, secretária de Steve, funciona com um alivio cômico para a trama, que quase beira o bobo, mas que de forma alguma estraga o ritmo do filme, pelo contrário, traz um tom mais humano para Diana que desbrava os detalhes mais simples da vida mundana.



Gosto da paleta escura que é utilizada nos filmes da DC e esta é uma das características que mais prezo. Em contraste temos as cores e a presença da Mulher Maravilha que se destacam, causando um conforto e um certo equilíbrio aos olhos do público. As cenas de ação surpreendem pela forma que foram arquitetadas, empolgantes e extremamente bem coreografadas, Gal Gadot consegue passar graça e força em seus movimentos, provando que nunca houve a necessidade de quilos de músculos para interpretar a heroína.

A direção do filme é de Patty Jenkins, e sim meus queridos, apenas uma mulher dirigindo um longa com uma heroína mulher, poderia trazer coerência para a mensagem que o filme quer passar. Sem recorrer a objetivação do corpo feminino, a diretora opta por outros tipos de closes. Gal Gadot preenche a tela, o que reflete numa presença em cena muito forte. A atriz pode não ter entregue uma atuação excelente, mas sua expressão, sua postura e sua desenvoltura em cena são totalmente condizentes com o visual e com a proposta da personagem.

Ainda falando sobre a parte técnica, os figurinos receberam um cuidado especial, principalmente tratando-se das vestimentas de guerreiras Amazonas e de um cenário do início do século XIX. Os efeitos especiais por alguns momentos, deixaram a desejar, porém a grandiosidade de todo o material é tanta que é um detalhe completamente deixado de lado no fim das contas. Por fim, deixei o que realmente se destaca, o responsável por harmonizar tudo, atuação, coreografias e até trazer a emoção desejada quando é preciso. A trilha sonora que já se mostrava um destaque desde a música tema da Mulher Maravilha em Batman Vs Superman, agora muito mais enxuta, recebe os cuidados de Rupert Gregson-Williams.



A DC Entertarinment, enfim acertou o tom neste filme. A história de Diana está em boas mãos e muito bem representada. Mulher Maravilha não só se concretizou como um simbolo durante décadas entre as mulheres e fãs dos quadrinhos, mas como agora, com sua nova roupagem deve atrair milhares de novos e novas fãs para o universo dos super-heróis. Mulher Maravilha se destaca por ser um filme que realmente traz uma heroína, se destaca pela importância da sua personagem e de seu amor pela humanidade, Mulher Maravilha se destaca por toda sua representatividade.

17 comentários

  1. Estou muito ansiosa para assistir esse filme! Amei a sua crítica!
    Finalmente a DC conseguiu entregar algo bem produzido, roteirizado e que faz jus a uma das melhores heroínas já criadas. Sempre fui fã dela e com certeza me tornarei mais ainda. A Patty arrasou na direção! Como dizem por ai "Elas lacraram" haha <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lacraram mesmo Milene! Fiquei muito feliz com esta produção!

      Excluir
  2. eu que nem sou tao fã de filmes de heróis to DOIDA pra assistir esse filme, sua crítica me deixou ainda mais curiosa!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em ter te proporcionado isso Lívia! Espero que goste! Beijos

      Excluir
  3. Joi!
    Nossa! Aqui sem fôlego...
    Após décadas aguardando essa homenagem a Mulher Marivilha, heroína de todos os tempos, ver o filme no ar, é maravilhoso.
    Não fui assistir ainda, mas vou esse final de semana.
    E fico bem feliz em ver que cenário, figurino, efeitos especiais, trilha sonora e atuação tudo ficou a contento.
    Desejo um mês cheio de prosperidade!
    “A sabedoria consiste em compreender que o tempo dedicado ao trabalho nunca é perdido.” (Ralph Waldo Emerson)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  4. Não vejo a hora de assistir, só leio elogios sobre o filme, minha irmã e minha filha assistiram e adoraram e querem assistir de novo rs. Gostei que esta com uma roupagem diferente e que a atriz representou muito bem o papel, antes do filme ouvi comentários que a escolha não tinha sido boa. E curiosa para saber como ela surgiu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti duas vezes, e em ambas tive um misto de sentimentos, uma espécie de orgulho ao assistir tudo! Amei! Beijos

      Excluir
  5. Olá,
    Mulher maravilha é uma personagem incrível, gosto bastante dela em outros filmes que ela pareceu e atriz e ótima também.
    O filme é incrível, quero assistir ele, conhecer um pouco a história dessa mulher maravilhosa e dos super poderes dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, quando assisti ela em Batman versus Superman eu já sabia que o filme dela seria um lacre!

      Excluir
  6. O filme foi fabuloso. Nada cansativo, instigante, divertido e até emocionante.
    Há anos aguardando um filme da mulher Maravilha,que é muita digna de um filme solo e ele finalmente chegou e não ficou devendo nada há nenhum filme de herói.
    Fabuloso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, não ficou devendo em nada! Aleluia!

      Excluir
  7. Eu sai satisfeita do cinema. Adorei a representação e não consegui colocar defeito na personagem, nem no roteiro nem do Chris..nada. Só fiquei me questionando sobre o vilão em algumas cenas e fiquei meio assim, mas mesmo assim não perdeu a graça do filme. Sem dúvidas foi o melhor filme da DC que eu vi até agora rs

    www.saidaminhalente.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Clayci, se tiver algo para pontuar é o vilão, mas é tudo perfeito que relevamos!

      Excluir
  8. Olá!
    Estava um pouco desanimada com os filmes da DC e Mulher Maravilha não foi diferente, mas estou vendo tantas críticas positivas que estou mudando de ideia e não vejo a hora de assistir esse filme. Fiquei muito feliz pela DC ter feito um filme que finalmente agradou o público e por dessa personagem maravilhosa <3
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natalí este livro compensa qualquer coisa, vale a pena!

      Excluir