Onde Está Segunda? - Crítica

What Happened To Monday

Lançamento: 18 de Agosto de 2017
Com: Noomi Rapace; Glenn Close; Willem Dafoe; Marwan Kenzari
Gênero: Ficção Científica, Suspense, Ação

Na medida em que a humanidade progride, avança de maneira incansável para o encontro de conhecimentos científico e tecnológicos que veem a ser encarados como formas de melhorar sua qualidade de vida, ou até mesmo, garantir a solução de problemas criados por sua própria jornada pelo sucesso, algumas certezas se tornam mais fortes e esmagadoras do que ousamos expressar.

Quanto mais essa sociedade global avança por realidades possíveis e futuros promissores, mais degrada o planeta, destrói a vida daqueles que não possuem os recursos necessários para manterem-se firmes nos jogos de poder, vindo a elevar de maneira preocupante a população global e, a título de exemplo, torna o acesso a alimentos e água potável cada vez mais escasso. É através desse contexto, por intermeio deste pano de fundo, que a história de Onde Está Segunda irá se desenvolver.

Quando confrontados com desafios absurdamente similares aos que estamos enfrentando na atualidade, a sociedade lança mão de uma estratégia peculiar. Para garantir a perpetuação da espécie, o acesso a alimentos, água e moradia. E, de quebra, garantir o desenvolvimento da sociedade como um todo, a comunidade europeia estabelece-se a partir de um projeto promissor. Por meio de sua implantação, todas as famílias deverão obedecer as mesma regras, estas, ditando o limite de uma criança por família. 



Caso um círculo familiar viesse a produzir gêmeos, ou mesmo, venha a decidir por conta própria gerar ou manter três ou quatro filhos em sua prole, o Centro de Controle e Realocação de Crianças assumiria os irmãos mais novos, direcionando-os para o que, ironicamente, poderíamos assimilar como centro de armazenamento. Uma vez transferidas, as crianças seriam dispostas em cápsulas e postas sob os efeitos do Crio-Sono, uma tecnologia capaz de manter o corpo e vida das crianças até o momento em que as condições na terra se tornassem otimistas o bastante para que todas as crianças pudessem ser trazidas de volta.

Terrence Settman, surge no contexto dessa sociedade regrada e, assim como tantos outros indivíduos provenientes desta nova forma de comando e controle, viu sua filha perder a vida para que suas netas tivessem alguma chance de futuro. 




As sete crianças recebem por nome os dias da semana. Vindo, a partir dos nomes que receberam ao nascer, a criação de um plano arriscado e inusitado, capaz de mante-las em segredo e seguras de um a realidade que as aniquilaria em prol do "bem maior". Por possuírem por nome os dias da semana, as meninas receberão um único dia em que sua verdadeira identidade é escondida sobre a personalidade de Karen Settman, a figura que o mundo enxerga quando as garotas interpretam seu papel na sociedade. Sua liberdade passa a ser contada através das horas do relógio, e é assim que Terrence consegue manter sua família.

Durante anos seu avô foi capaz de manter sua liberdade condicional, sua segurança em um apartamento em que tudo aquilo de que poderiam precisar era garantindo, porém, onde os sonhos eram medidos pelo avanço e crescimento da mentira que sempre foi Karen Settman. Tudo avança como o planejado, as crianças crescem e se transformam em mulheres fortes, diferentes em suas personalidades únicas, unidas pela família peculiar e disfuncional que formam. Sua rotina segue de maneira impecável até o momento em que Segunda desaparece. 

A falta de informações, o isolamento, a própria existência em uma sociedade que nunca as acolheria verdadeiramente, transforma o desaparecimento de Segunda em uma caçada pelas seis irmãs, vindo, por meio de eventos intimamente conectados, a descoberta da existência destas sete vidas que, por muito tempo foram mantidas em segredo. É a partir desse ponto que a narrativa se transforma em uma caçada, na luta pela sobrevivência em uma sociedade com um sistema falho, e na busca por respostas pelo desaparecimento enigmático de um membro da família.

Onde Está Segunda, aposta de nossa querida Netflix, nos apresenta uma realidade que, apesar de fictícia, poderia se transformar em nosso próprio futuro. Através da extrapolação de desafios reais de nossa sociedade globalizada e tecnológica, o filme estabelece um contexto simples que, por meio de um breve mistério, direciona-se para uma jornada de seis irmãs pela sobrevivência.

As cenas de ação são o ponto forte do projeto que contém explosões, lutas, perseguições e personagens se deslocando a todo momento em busca de proteção ou aniquilação. O contexto e mistérios iniciais logo abrem espaço para uma caçada e busca pela solução de um mistério que, para os mais acostumados com suspenses e ficção científica, será desvendado sem grandes impedimentos. Admito que é um pouco frustrante ver todas as suas previsões se concretizando conforme a trama se desenvolve, porém, o ritmo do filme garante que, apesar dos pesares, mantenha-se o nível que o elenco merece, mesmo quando este elenco não é capaz de desenvolver os personagens que interpretam.

É verdade que Noomi Rapace recebe a possibilidade de explorar todo seu talento, assim como o fez, de maneira tão bela e encantadora, a incrível Tatiana Maslany em Orphan Black. Porém, apesar de sete personalidades únicas, o que percebemos neste filme é muito mais o direcionamento da atriz para com as cenas de ação do que uma abordagem mais profunda nos trejeitos e maneirismos de cada personagem que interpreta.

Onde Está Segunda destaca a tendência da Netflix em se arriscar por projetos únicos, ligados aos mais diversos gêneros e gostos de seus usuários. O que encontramos aqui é um ótimo filme de ação, cuja contextualização ganha destaque por fazer transparecer desafios contemporâneos vivenciados pela sociedade, pecando apenas na previsibilidade dos eventos e resultando em um desfecho facilmente compreendido pelo espectador. Com seus altos e baixos, o filme pode conquistar ou desagradar, mas não deixa de ser uma ótima indicação para quem gosta de um bom filme de ação, com uma trama interessante que nos transporta para um futuro possível.

14 comentários

  1. Oi Izabel, essa tendência da Netflix em se arriscar por projetos únicos nos rende boas opções pra assistir e curti essa dica, ainda não tinha ouvido falar do filme mas vou tentar assistir mais a frente. Apesar de ser um pouco previsível, o filme parece ser carregado de cenas de ação e logo pensei em Orphan Black quando comecei a ler a resenha, apesar de ainda não ter visto a série, vi muitas criticas positivas e agora vou adicionar a série e esse filme, na lista das produções que tenho que ver ;)

    ResponderExcluir
  2. Oi Izabel,
    São as semelhanças com a nossa realidade que fazem este filme chamar tanta atenção. Claro que ainda não chegamos (o mundo todo pelo menos) ao ponto de só se poder ter um filho por casal, mas cada detalhe posto nesta trama é tão possível de virar realidade que isto só faz eu me preocupar com o que será da humanidade no futuro. A premissa de Onde está segunda? é muito boa e talvez, por ter tanto a oferecer é que faltou um pouco mais de atenção para que todos os elementos fossem bem explorados. É uma trama com mistério, ação e críticas a sociedade e que tem tudo para agradar muitos expectadores.

    ResponderExcluir
  3. Oi,
    Não conhecia esse filme mas achei muito interessante a premissa dele e mesmo se os atores não cumpriram tão bem assim seu papel com certeza fiquei com vontade de assistir.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Izabel!
    Já gostei porque é um ficção distópica até passível de acontecer algum dia em nossa realidade.
    Adorei os atores, sou bem fã dos grandes protagonistas da história.
    Não assisti porque não tenho Netflix (ai meu Deus, até quando resistirei?), mas fiquei bem curiosa e interessada, gostei da ação do trailler.
    Que outubro venha carregado de boas energias!
    “A missão suprema do homem é saber o que precisa para ser homem.” (Immanuel Kant)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Eu gostei bastante desse filme. Sou meio que fissurada por distopias e essa prendeu minha atenção. Eu achei muito interessante que, mesmo sutilmente, a personalidade de cada uma delas tem, de certa forma, haver com o nome que receberam.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  6. Oi, Izabel!

    Vi esse filme no catálogo da Netflix e acho que assistiria, pois tem uma proposta bem diferente. Gosto bastante desses filmes que se ambientam no futuro mas deixam um alerta a algo que pode vir a acontecer em breve, sabe?

    Beijos,
    Isa
    Viciadas em Livros
    Participe do Amigo Secreto Literário do Viciadas em Livros

    ResponderExcluir
  7. Gostei! É original Netflix né?
    Os originais da Netflix são sempre intrigantes. Ou agradam, ou desagradam, mas quase nunca são simples ou passam despercebidos!

    ResponderExcluir
  8. Como eu gosto de filmes de ação, não tive como não me interessar em assistir este filme, pelo trailer parece ser um ótimo filme, e vi diversas pessoas que assistiram e gostaram de Onde Está Segunda, pretendo assistir ele em breve.

    ResponderExcluir
  9. Como adoro ação gostei muito do filme, quando vi não dei muito por ele e confesso que me surpreendeu, achei muito interessante e concordo isso pode acontecer na realidade, é impressionante até que ponto as coisas podem chegar e as pessoas, é uma medida muito cruel o que faziam com os outros filhos.

    ResponderExcluir
  10. Eu assisti por acaso, meu marido começou a ver ...eu achei interessante e embarquei na pipoca!
    Gostei das atuações, do suspense, do mundo meio estranho que se descortinava a frente....e já sabia no que ia dar....ahahahahahah....mas curti o filme, achei interessante...e ah, gosto muito dessa atriz, <3

    ResponderExcluir
  11. Dez vez em quando assisto filmes de ação e a maioria deles me surpreendem positivamente. Como não tenho mais netflix, não conhecia o filme e ainda não tinha visto indicações. Adoro a visão distópica *-* sinto que o nosso presente já foi a visão distopica de alguém no passado e isso me deixa muito curiosa pra conhecer as diversas visões. Gostei da visão trabalhada no filmes e do controle de natalidade que ele abordou, inclusive colocando nomes específicos. Gosto de orphan black e estabeleci o padrão Tatiana para quem for interpretar várias personalidades. Espero gostar de resolver assistir.
    Obrigada pela indicação ;)
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Havia visto este filme no catálogo da Netflix, e havia ficado em dúvida se dava uma chance ou não.
    Gosto de toda essa coisa distópica que nos faz mergulhar nesse universo e ficar pensando em várias coisas.
    Fiquei curiosa para ver a atuação de Noomi Rapace, já que sou mega fã de orphan black.
    Achei bem legal isso de cada uma ter um nome dia da semana.
    Ótima crítica.

    beijos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  13. Oi, Izabel!!
    Estou adorando as novas produções da Netflix!! Cada uma mas maravilhosa do que a outra! Ainda não assisti por falta de tempo mas sem dúvida vou apreciar esse filme.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  14. Oi! Assisti esse filme hoje mesmo hahah Sinceramente não sei o que dizer sobre ele. Por um lado achei o final bem escroto, mas por outro fiquei me perguntando se um dia o planeta chegaria a esse ponto. É simplesmente assustador. Fiquei bem curiosa também pra saber o que vai ser do mundo (no filme no caso) depois de revogarem a lei do filho único, já que voltaram a ter filhos sem medo de perde-los. Enfim, acho que o filme não foi tudo isso, mas deu para se distrair. Beijos

    ResponderExcluir