Resenha: H. P. Lovecraft - Contos: Volume I

Título Original: H. P. Lovecraft - Contos: Volume I
Autor: H. P. Lovecraft
Ano: 2017
Editora: Martin Claret
Páginas: 213
Amazon - Saraiva

De Providence, Estados Unidos, Howard Phillips Lovecraft foi um dos escritores que ajudou a inovar o gênero do terror, trabalhando em suas histórias elementos fantásticos também encontrados na ficção científica e fantasia. O seu tipo de terror, conhecido como um terror cósmico, desafiava as crenças da época em que foram escritas e com o passar das décadas, desde seu falecimento em 1937, suas obras lhe garantiram o título de um dos escritores mais influentes do século XX.

Mais conhecido pelas obras em que apresenta ao leitor divindades ancestrais, como a de nome O Chamado de Cthulhu, que anos depois virariam parte da mitologia lovecraftiana, os Mitos de Cthulhu, nesta edição publicada pela Martin Claret, encontraremos dez contos de temáticas distintas, menos conhecidas até para os fãs do autor, mas igualmente perturbadoras.

A fórmula para estes contos variam, mas todas as histórias conservam o grande clímax para o final. A narrativa é toda feita em primeira pessoa ou pelo protagonista ou por um narrador que viveu todos os fatos. A leitura é rápida e a maioria dos contos são curtos, e, consequentemente, nem um pouco arrastados, principalmente por Lovecraft gostar de descrever muito bem as cenas perturbadoras e mais chocantes, ou seja, preparem-se para leituras objetivas.

"Meus ouvidos apurados, naquele momento ainda mais afiados pelo completo silêncio da caverna, abriram o meu entendimento entorpecido para a inesperada e terrível percepção de que aqueles passos não eram de nenhum homem mortal."



A Fera na Caverna, A Rua, O Que Vem da Lua, O Perverso Clérigo, Ele, Ar Frio e A Gravura da Casa Maldita são os contos mais curtos da edição e por este motivo os mais dinâmicos em relação a ação e desfecho. Dentre todos, um dos que mais me chamou a atenção foi A Fera na Caverna que apresenta ao leitor um final surpreendente. É ele também que abre o livro, dando um pequeno aperitivo do que eu, como leitora de Lovecraft de primeira viagem, poderia esperar da imaginação do autor.

Os contos mais longos, como Os Ratos na Parede, O Modelo Pickman e Herbert West Reanimador me prenderam mais a atenção por ganharem maior espaço para um aprofundamento. Por este motivo, em todos, me senti realmente imersa a história e instigada pelos fatos. Todos eles apresentam um certo perigo em relação ao desconhecido e a atmosfera de mistério permeiam todas as páginas. H. P. Lovecraft consegue prender o leitor do início ao fim, mesmo com certos trechos mais rebuscados, as histórias são tão fáceis de ler e de serem compreendidas que a leitura se mostra muito mais enérgica. 

Esta edição, relançada pela Martin Claret, acabou dividida em dois volumes. Em 2016 a editora já havia lançado uma edição maior com várias histórias, porém desta vez, esta nova publicação, além de receber contos inéditos, recebeu também uma nova tradução e um novo trabalho gráfico. A capa, diagramação e cores escolhidas para o trabalho, destacam e dão uma outra cara há uma obra relacionada ao autor, um contraste vivo comparado ao mundo sombrio criado por ele. Eu particularmente gostei muito e fiquei encantada com obra assim que a vi.



O debate levantado pela tradutora Lenita Esteves, professora e pesquisadora da área, no texto de introdução, também foi uma ótima porta de acesso para os novos leitores de H. P. Lovecraft. Além de apresentar uma breve história sobre a vida do autor e suas obras, ela detalha muito bem a importância que a imaginação do autor teve em tempos onde o ceticismo era tão enraizado. Outro levantamento da tradutora é direcionado justamente para a tradução dos contos e a liberdade que ela precisou tomar, juntamente com a editora, para apresentar ao leitor contemporâneo histórias mais aceitáveis. Lovecraft para quem não sabe, foi um grande conservador e possivelmente racista e xenofóbico, por este motivo, passagens de seus contos que descreviam personagens de formas pejorativas precisaram ser alteradas, mas claro, sem distorcerem os enredos.

Achei de estrema importância, a tradutora, trazer este tipo de questionamento e falar abertamente sobre a a ética do amortecimento quando estamos falando de autores e obras que foram escritas em outros tempos, com outros tipos de pensamentos, principalmente na real situação em que vivemos hoje. Sem dúvidas é um texto que vale a leitura não só por apresentar todas estas curiosidades sobre o autor, mas também para que entendamos um pouco sobre o trabalho de um tradutor e as dificuldades que eles podem encontrar pela frente.



Fiquei extremamente satisfeita com a minha primeira experiência com H. P. Lovecraft, achei que encontraria muitas dificuldades pelo meio do caminho, mas acabei imersa e envolvidas pelas obra como jamais imaginaria. Trabalhar o terror sob o desconhecido, mexe com o imaginário das pessoas, pois não há pessoa neste planeta que saiba o que há, realmente, lá fora. O possível contato dos humanos com seres de outros planetas, dimensões e tempo, só torna a atmosfera das histórias de Lovecraft mais aterrorizantes. Destacar o incerto e ressaltar o indescritível e o inimaginável fortaleceu o seu estilo de escrita e eternizou uma das suas tantas facetas como autor. Ele apresenta situação bizarras, premissas arrepiantes e um terror sujo e sangrento. Seus personagens flertam com a insanidade e por muitas vezes descrevem os fatos em que viveram como se nós, leitores, estivéssemos presentes na mesma cena. Não é à toa que Lovecraft exerce até hoje, uma grande influência sob gerações de autores. 

Mais do que recomendado, sejam bem-vindos ao mundo lovecraftiano e deixem que o mistério e o medo do desconhecido lhes entretenham e lhes assustem. Tenho certeza que vai valer a leitura. 


Confiram as resenhas dos blogs participantes do Clube de Temas e saiba como participar:

11 comentários

  1. Recentemente comprei um livro do autor, ainda não conheço sua escrita e espero gostar, pois é bem elogiado. Também acho que gostaria mais dos contos longos, por trazer mais historia e detalhes, os curtos ficam com gostinho de quero mais de tão curtos que são rs, mas tem o lado bom da ação que gosto e muito. Fiquei bem curiosa com esses arrepios e terror sangrento.

    ResponderExcluir
  2. Oi!! Sempre tive vontade de ler algo do Lovecraft, mas ainda não tive a oportunidade. Já li diversos livros inspirados pelos contos dele. Fico feliz que você gostou da leitura. Essa ideia de atmosfera pesada e coisas que não se vêem é muito mais intensa.
    Beijos
    Nerd Fox

    ResponderExcluir
  3. Joi!
    Bem bacana mesmo o levantamento feito pela tradutora, porque afinal, ele não fez suceso em sua época, entretanto, muito escritores começaram a escrever por causa dele. Vai entender?
    Lovecraft é realmente fabuloso e abriu espaço para outros tantos escritores do gênero.
    Com uma escrita diferenciada e muita criatividade, nos transporta para outras dimensões em seus contos criativos, tenebrosos e fascinantes.
    Adorei a resenha!
    “Que o novo ano que se inicia seja repleto de felicidades e conquistas. Feliz ano novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Me sinto uma alienígena, nuca li nada do H.P. Lovecraft e nem do Stephen King, mas quero muito começar a ler esse ano :)
    Amei a resenha e o design do livro, vou procurar para comprar.
    Beijinhos

    Toca da Lebre

    ResponderExcluir
  5. Agora que ando pesquisando um pouco mais sobre o assunto e é realmente fascinante! É um universo inteiro de possibilidades que a mente pode nos levar.
    Ainda não conhecia este livro acima,mas como amo contos, foi paixão à primeira lida e quero demais poder cada vez mais, me jogar nesse universo totalmente novo e assustador.rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Ultimamente ando pesquisando mais sobre o autor e tenho ficado bastante interessada no universo que ele criou. assim que der pretendo começar a ler os livros.
    adorei a resenha!
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  7. Que edição bonita! Quase tão linda quanto a da Darkside. O conteúdo é semelhante, você sabe?
    Sou muito curiosa em ler Lovecraft!

    ResponderExcluir
  8. Oi Joi.
    Não sou fã do gênero terror, então não li nada do autor, nem pretendo ler, apesar de ver várias críticas positivas sobre seus contos e histórias e ficar curiosa sobre eles. Quem sabe quando eu me sentir mais corajosa rs
    Achei bem interessante a nota da tradutora e achei super válido fazer esses ajustes na caracterização dos personagens, já que os contos foram escritos há tanto tempo.
    Achei essa edição linda! Adorei as ilustrações, as cores das folhas e a capa!
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi Joi! Nunca li nada do Lovecraft mas recentemente comprei o livro dele da Darkside, que, pelo que dei uma olhada aqui, contém outros contos. Creio que esses da edição da Martin Claret são, como você disse, menos conhecidos mesmo, o que é ótimo para aprofundamento na literatura lovecraftiana, né? O livro parece estar lindo mesmo, adorei as cores, acho que remete bastante ao terror cósmico do autor.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Também tive minha primeira experiência com o Lovegraft recentemente, li os contos publicados no livro da Darkside, gostei de conhecer mais sobre ele e suas obras. Esse livro traz contos diferentes e que me despertaram curiosidade em conhecer também!! Gosto dos contos mais curtos, pois os desfechos são melhores e não demoram muito a acontecer!!

    ResponderExcluir
  11. Para falar a verdade até pouco tempo atrás eu não fazia ideia de quem era h p lovecraft só soube dele quando a Darkside publicou dois livros com o mesmo conteúdo porém com capas diferentes dos Contos desse autor e eu fui procurar saber mais e vi que esse autor é muito bem aceito por críticos literários eu vou dar uma olhada nele depois mas não sei se vou comprar a edição da Martin Claret não sou muito fã das traduções e diagramações do livro editora

    ResponderExcluir