Título Original: The Ape and the Essence
Autor: Aldous
Huxley
Ano: 2017
Editora: Biblioteca Azul
Páginas: 160
AmazonSaraiva
A
narrativa sempre fez parte da história humana, desde os primórdios de nossa
vida neste planeta contamos histórias uns aos outros, transmitimos mensagens,
pensamentos, conselhos acerca dos perigos e caminhos que poderíamos algum dia vir a trilhar.
Faz
parte da essência da narrativa observar o ser humano e suas ações, encontrar as nuances que
nos transformam naquilo que somos, reconhecer as consequências de nossas decisões e, apesar
de toda a sua evolução, modificação para os mais diversos formatos – a
quantidade de filmes, séries e jogos que possuímos hoje expressa isso muito bem
– mesmo que em inúmeros casos encontremos apenas entretenimento e nichos de mercado, a narrativa é, por essência, reflexiva. Não importam as mudanças pelas quais a sociedade passou, muitos de nós e, felizmente, diversos autores, sempre souberam desse pequeno grande
detalhe.

“Desde
o começo da revolução industrial Ele previu que os homens se tornariam tão
irresistivelmente presunçosos devido aos milagres de sua própria tecnologia,
que em breve iriam perder todo o senso de realidade.”

É
difícil abordar uma obra de Aldous Huxley sem ressaltar sua habilidade com
relação a criação de narrativas, sem destacar as profundas reflexões que insere nos mínimos detalhes e a cada novo momento, sem falar nas fortes críticas que tece para com a sociedade e as
consequências de suas ações. O autor desenvolve com maestria e precisão cada uma de suas
histórias, sejam elas longas, curtas, fáceis de ler ou, como no caso de O
Macaco e a Essência
, em formato de roteiro de cinema.
Apesar
de apresentar uma breve introdução ao personagem de Bob Briggs, roteirista de
Hollywood que divide ideias e comentários curiosos com um amigo que talvez o leitor nunca venha a conhecer, a obra baseia-se no roteiro recusado por Hollywood, criado por um misterioso William Tallis.
Não demoramos muito para descobrir que o autor
desconhecido deixou uma obra de arte rica em detalhes, críticas a
nossa devoção à ciência, além de outras belas tomadas de decisões da sociedade
ocidental como um todo. Após a breve contextualização de como os dois amigos
descobrem o manuscrito, chega o momento para que o verdadeiro autor da obra que
temos em mãos, ou talvez, o autor fictício William Tallis, demonstre toda sua
habilidade narrativa, além de fazer com que, facilmente, entremos em contato
com um instigante filme nunca produzido para o cinema.
É verdade que história de William Tallis poderia ter sido dirigida pelo olhar clínico e perfeccionista de Stanley Kubrick, porém, todo o crédito está nas mãos do verdadeiro autor, uma vez que, por meio da descrição em palavras, constrói cenas, paisagens e eventos que poderíamos, ou podemos muito bem ter visto em algum clássico do cinema.
O
Macaco e a Essência
pode não ser o melhor livro introdutório para um leitor
que, muito mais do que reconhecer o estilo de escrita do autor, não esteja
acostumado a observar os detalhes por trás das palavras, as críticas por trás
de imagens que se formam em nossa mente, ou o fato de que tudo o que
encontramos, por mais fantástico e impossível que seja, está ligado, direta ou
indiretamente, ao contexto temporal do qual a obra em questão é fruto, vindo a estender-se, surpreendentemente, para os dias atuais e os mais diversos aspectos e detalhes do mundo em que enfrentamos juntos.
Huxley
e sua mente única e criativa nos brindaram com obras que, além da famosa
atemporalidade, demonstram o gênio por trás de cada palavra. É fácil se
apaixonar por suas histórias, pelo legado que deixou, pelo caminho que ajudou a construir
para tantos outros autores. Essa obra pode não ser fácil de ser lida e
compreendida como Admirável Mundo Novo, pode não ser densa, complexa e desafiante
como A Ilha, mas apresenta todos os elementos pelos quais o autor é reconhecido
encantando, e podendo vir a encantar futuros leitores que, espero com todo meu coração, percebam novamente a verdadeira essência da narrativa, e quem sabe, da própria humanidade.

rela
ciona
dos