Título Original: Death of the Demon – Hanne Wilhelmsen #3

Autora: Anne Holt
Ano: 2017
Editora: Fundamento
Páginas: 264
Amazon – Saraiva

Demônio ou Anjo conta a história de um orfanato de crianças
abandonas ou tiradas de suas famílias. Pequeno, é controlado por poucas pessoas
e a relação delas com as crianças é tranquila, até a chegada de um garoto que
possui um temperamento incomum.
Olav tem apenas 12 anos, mas uma força enorme. Se assusta
com coisas bobas e se irrita com acontecimentos banais, que em crianças normais
até provocariam risos. Ele foi tirado de sua mãe pelo serviço social norueguês,
que julgava que ela não tratava seu filho de maneira correta. Seu comportamento começa a não ser bem visto pela diretora
do local, Agnes, que passa a puni-lo de maneira veemente e o choque entre os
dois é quase que diário, fazendo, inclusive, Agnes impedir que a mãe de Olav vá
visita-lo, como pena para o garoto. Da mesma maneira que é perseguido pela diretora do local,
Olav, tem um carinho especial e reciproco do pessoal responsável diretamente
pelo cuidado das crianças. Maren defende ele de sua chefe e o trata como
se fosse sua mãe.  
Certo dia, Agnes aparece morta em sua sala, com uma faca cravada em seu
corpo e Olav não é mais encontrado no orfanato. Seria ele capaz de matar a
mulher que lhe causava problemas? Qual seria a motivação dele? Ele teria força
suficiente para violar o corpo da diretora daquela maneira? Poderia uma criança
tão jovem ter a mente tão perturbada e perversa?  São essas as perguntas que você busca responder em Demônio ou Anjo.

“Ela não era santa. Ela não conhecia nada mais idiota do que a cara de “eu gosto tanto de crianças…” Crianças eram como adultos: algumas encantadoras, outras fascinantes, mas havia as desprezíveis.”


Anne Holt é uma escritora norueguesa, escandinava assim como
Jo Nesbo, e esse tipo de literatura nórdica tende a ser muito diferente da que
estamos acostumados a ler. Muda-se
completamente a geografia do lugar, com um clima completamente diferente, com
perfis de personagens distintos e com um terror muito acentuado em sua maioria.
Holt volta as livrarias do Brasil, a já editora lançou quatro livros da autora. São eles, 1222 em 2012, Deusa Cega em 2013 e em 2017 Números de Azar e Demônio ou
Anjo
, todos dentro do cenário da detetive Hanne Wilhelmsen, designada para
investigar o assassinato de Agnes e encontrar o garoto sumido.
Em Demônio ou Anjo, não existe tão acintosamente o estilo
nórdico de livros, o terror não é tão presente, assim como as cenas de ação são
bem menos sangrentas do que nos livros de Jo Nesbo por exemplo. A escrita é limpa,
direta e sem muita descrição dos momentos de ação, privilegiando mais a parte
investigativa do assunto principal.
O livro é escrito em terceira pessoa, apenas alguns
capítulos, nos quais são apresentadas cartas da mãe de Olav, são escritos como
se ela descrevesse algo. Achei muito boa está diferenciação que a autora fez entre as pessoas do orfanato,
a mãe de Olav e os responsáveis pelas investigações, respeitando muito bem a
ótica alterada que cada um tinha do problema. Um exemplo disso é a mãe de Olav, que teoricamente sabe do que ele é capaz por conhecer seus problemas desde pequeno. As pessoas no orfanato têm os seus próprios suspeitos, já que sabem de coisas que a polícia não sabe e já os detetives não fazem
ideia do temperamento de Olav e no começo nem dão importância para o seu sumiço.
Esse tipo de cenário é muito difícil de ser respeitado em
livros escritos em terceira pessoa e sempre deixam furos do tipo – como o
detetive saberia disso se não participou de tal situação? – ou algum personagem
da com a língua nos dentes por um motivo completamente forçado. O mais comum de
acontecer é o livro ser escrito em primeira pessoa, com vários personagens
narrando a sua própria história. Achei Holt diferenciada e com uma grande
qualidade em fazer esse trabalho.
Como um bom livro nórdico ele tem um final sangrento, muitas
mortes e surpreende, principalmente pela maneira com a qual ela construiu a
estrutura do texto, fazendo vários personagens terem motivos para assassinar a
diretora e conseguindo plantar na cabeça do leitor diversas dúvidas. O final em si não é
dos mais inesperados, mas a maneira como ele acontece, como coisas acabam
ficando obscuras e toda a resolução do problema, deixam a história muito
interessante.
Esse livro foi lançado originalmente na Noruega em 1995,
chegando no Brasil apenas no fim do ano passado, creio que justamente pelo motivo que
já falei anteriormente, a diferença do estilo de literatura. A série original
da detetive Wilhelmsen teve seu primeiro volume lançado na Noruega em 1993, com
o livro 1222, que chegou ao Brasil em 2012, também lançado pela Editora
Fundamento, fiquei sem entender por que exatamente levou quatro anos para a continuação sair por
aqui, visto que os livros são muito bons.
Demônio ou Anjo não foi o primeiro livro que li da autora, tive uma experiência estranha com Números de Azar, o qual eu não tinha gostado, porém depois de ler o livro sobre a história de Olav, passei a entender mais o padrão de escrita de Holt, me familiarizei mais com a quantidade de personagens secundários que ela insere na trama, além da maneira como ela trata a história principal. O que me incomodou muito na minha leitura anterior foi o fato de ser inserido muitos assassinatos e investigações deixando de lado o assunto principal do livro, mas isso está muito ligado ao fato de que ela não força descobertas mirabolantes de seus personagens nem se preocupa em dar um fim rápido a história.
Outro ponto positivo para Demônio ou Anjo é a quantidade de
personagens bem construídos na trama, com sua importância bem significativa e a
preocupação de Anne em dar um fim para cada pessoa que foi apresentada durante
a obra. Ela não esquece de ninguém e todos os finais são muito plausíveis e
coerentes.

Demônio ou Anjo é um
livro com mistério, uma trama intrigante, com muitas mortes e reviravoltas, bem
escrito, bem finalizado, com um final muito surpreendente, prende a atenção do
início ao fim, mostrando que Anne Holt deveria ter chegado antes no Brasil, já
que essa série começou a ser escrita no século passado, literalmente. Quero
mais literatura norueguesa, nórdica e escandinava no Brasil, é um gênero
diferente e que eu aprecio muito. 
E você, já leu algum livro de mistério/ação
vindo do norte da Europa? Como foi sua experiência?

rela
ciona
dos