Resenha: Mary Barton

Título original: Mary Barton
Autora: Elizabeth Gaskell
Ano: 2017
Editora: Record
Páginas: 462
Amazon - Saraiva

Publicado pela primeira vez em 1848, mesmo ano em que Marx e Engels oferecem ao mundo seu Manifesto Comunista, vindo a influenciar gerações que se estendem até os dias atuais, Mary Barton explora o contexto histórico e cultural que lhe deu origem como poucas obras são capazes de fazer. 

Escrito por Elizabeth Gaskell, uma autora cuja habilidade e percepção foram obscurecidos pelo fato de que, na época, autoras escreviam romances para mulheres e sobre mulheres. Sua obra, porém, vai além do “romance de época”, explorando características duras de uma realidade que, em tantos casos quando é abordada, não vai além de um mero instrumento necessário para contar uma história.

Muito mais do que abordar a vida, desafios e amores da protagonista, Mary Barton conversa com a realidade, apresentando-a com força, delicadeza e principalmente, reflexão. Neste livro iremos perceber as consequências da Revolução Industrial para a cidade de Manchester, reconheceremos as dores, tristezas e desafios de uma comunidade operária, enfrentaremos as adversidades com fé, juntamente a cada personagem que, em maior ou menor grau, sofre injustiças e acaba por nos conquistar a cada nova etapa vencida.

"Se passo semanas sem trabalhar, nos tempos ruins, e o inverno chega, com a geada negra, ou o vento cortante do leste, e não temos carvão para colocar na lareira, nem cobertas para pôr na cama, e os ossos aparecem no meio das roupas esfarrapadas, o rico vem dividir sua abundância comigo, como devia fazer, se sua religião não fosse balela?"

Com interesses amorosos e luta de classes, a autora nos leva a um contexto que, embora fortemente baseado em princípios cristãos – e de realmente acreditar que tudo pode ser resolvido através destes mesmo princípios – consegue ir além de tantas outras obras do gênero.




Mary Barton é filha de John Barton, operário, pobre e membro ativo do sindicato de trabalhadores. Sua esposa foi levada cedo demais, deixando uma filha confusa e sozinha para trás, além de um marido que, pouco a pouco, perde toda e qualquer esperança na vida e na luta por melhorias na qualidade de vida e trabalho dos operários das fábricas de Manchester.

Mary logo é levada a trabalhar como costureira em uma boutique, auxiliando assim no rendimento da família e garantindo que, mesmo no momento em que seu pai perde o emprego, eles tenham acesso ao mínimo de alimento e fogo para seguir lutando por um futuro melhor para os dois. 

Ela é uma jovem linda, de comportamento agradável, lutadora, cuidadosa e amorosa com todos aqueles que lhe são caros e, em meio as desventuras de seu pai, ao trabalho como costureira e a todos os desafios que a vida lhe impôs, ela acaba por encontrar dois pretendentes, um da mesma classe social que a sua, e outro, um homem rico, galanteador, pronto para conquistar o coração da bela e pobre jovem. É assim, em meio a diversos contextos que se misturam, que acompanharemos a luta entre ricos e pobres, entre operários e patrões, nos surpreenderemos com um assassinato e as lutas de pessoas cuja fé não os permite abalar.










Elizabeth Gaskell soube dosar, de forma primorosa, a realidade de uma classe cujo sofrimento e desafios são apresentados sem reservas, sem rodeios e embelezamento, juntamente a uma história de amor digna de um apaixonante romance de época. Apesar de apresentar um futuro em que o amor e a esperança surgem como os raios de sol derretendo o gelo no início da manhã, o que permeia cada momento desta narrativa são os obstáculos. Nada vem com facilidade, nada é entregue sem esforço, dor e sofrimento, a tristeza por vezes é grande, mas, como uma mulher que acreditava em algo maior do que cada um de nós não poderia fazer diferente, chegamos ao final com a certeza de que, não importa o que nos é imposto, com fé e perseverança podemos chegar a nosso futuro melhor.

Mary Barton é sim uma obra imprescindível para todos os amantes de romances de época, porém, muito mais do que uma história de amor, obra cuja protagonista, a sua própria maneira e dentro dos padrões da época, era nada mais do que uma grande feminista, este livro também é um relato acerca da luta de classes que, mesmo não tomando partido ao estilo de Marx e Engels, possuí tanta força que não deve ser ignorado.

7 comentários

  1. Parece ser uma leitura muito interessante e sofrida também, é triste e revoltante quando tem essas injustiças com a classe operaria já me deu agonia só de imaginar o que passam. Mary parece nos conquistar fácil, é uma personagem que é um exemplo de força e coragem, fiquei curiosa com qual dos pretendentes ela irá ficar.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Izabel.

    Acho que esse, é um livro bem enriquecedor e contextualizado por, juntamente, com o romance e a fase de vida da Mary, ele fazer explorações daquela época.

    ResponderExcluir
  3. Puxa, já tinha ouvido falar sobre este livro,mas não tinha lido nada a respeito dele. Parece ser o tipo de obra obrigatória a todos os amantes não somente de romances de época, mas de histórias que nos motivem a batalhar por nossos direitos e igualdade social.
    Mary mesmo com tantas dificuldades, não perdeu o ar sonhador e na luta diária, consegue dosar doçura, bondade e garra.
    Com certeza, vai para a lista de desejados.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá Izabel!
    Eu adoei conhecer o livro, nunca tinha ouvido flar sobre ele, o tema já me chamou atenção, gosto dos gêneros e espero ler um dia, a luta da personagem parece deixar a história melhor ainda..

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Nunca tinha ouvido falar do livro e nem da autora! Adoro conhecer obras clássicas, que sobreviveram ai tempo, sendo consideradas leituras imprescindíveis, mesmo tendo se passado mais de um século após sua escrita!

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia! também não lembro de já ter ouvido falar da autora.
    Essa questão de abordar assuntos como as lutas de classe em um romance e conseguir organizar para ser uma grande obra é definitivamente maravilhoso.
    Obrigada pela indicação!
    Acho que todos os livros escritos por mulheres que dão voz a um determinado grupo silenciado durante anos, é válido, deve ser lido e dissiminado.

    ResponderExcluir
  7. Olá, gosto do romance de época mais reflexivo que temos neste livro, que usa de um período importante na história como pano de fundo de forma coerente e capaz de convencer o leitor. Além disso, o romance não deixa a desejar e o leitor fica satisfeito com o que a obra entrega. Beijos.

    ResponderExcluir