Título Original: Him
Autores: Ele Kennedy e Sarina Bowen
Ano: 2018
Editora: Paralela
Páginas: 256
Sinceramente, nem sei como
iniciar essa resenha. A leitura de Ele: Quando Ryan Conhece James, foi tão
intensa que até agora me sinto desnorteada. Já esperava algo forte, mas nada
comparado ao que esse livro me proporcionou.
A história se inicia quatro anos
depois de um acontecimento que mudou a vida de Ryan (Wes) e James (Jamie) durante
o acampamento de verão de hóquei. Foi naquele último verão de seus 18 anos que
Wes pode finalmente assumir para si que era gay e que também estava apaixonado
pelo seu melhor amigo heterossexual. Isso acaba confundindo a cabeça de Wes ao
ponto dele fazer um desafio picante a Jamie, e logo depois cortar relações com
o mesmo quando o desafio é concretizado. Enquanto que para Jamie tudo não
passou de um desafio sem grandes consequências, para Wes mudou tudo.
Agora no momento presente, com os
dois tendo seguido suas vidas, eles acabam se reencontrando quando vão
participar de um campeonato de hóquei. Velhos sentimentos e ressentimentos
ressurgem entre eles. Porém, a amizade acaba prevalecendo, mesmo depois de
tantos anos. O sentimento de companheirismo sempre acompanhou os dois e Wes não
quer perder isso novamente, mesmo sabendo que ainda é apaixonado por Jamie.

“Merda, ele me chamou de Jamie.
Só fazia isso quando estava falando sério, de coração. O arrependimento irradia
do seu corpo e chega até mim em ondas palpáveis, e eu sinto minha raiva
desmoronar como um castelo de areia. Não consigo ficar bravo com o cara. Mesmo
quando achava que simplesmente tinha jogado nossa amizade no lixo, não
conseguia odiar Wes.”

Então ele decide arriscar voltar
a ficar próximo de Jamie, mesmo sabendo que ele pode partir seu coração sem
querer. E o resultado disso tudo? Só lendo para saber.
Jamie é um fofo! Ele é calmo e
sensato, e tem uma família um tanto maluca que amei conhecer, mesmo que
brevemente. Já Wes sempre foi o elétrico que levava Jamie para todas as
brincadeiras e confusões, mas a família dele era totalmente o oposto. Uma
família basicamente de fachada. Argh! Tive muita vontade de entrar no livro e
bater neles. A história se alterna entre os pontos de vistas dos dois, então eu
conseguia ter uma noção melhor de como cada estava se sentindo e isso abria os
corações dos personagens para mim. Principalmente de Jamie que estava em descoberta
sobre sua sexualidade.
Esse não foi o primeiro livro
LGBT que li, mas com certeza foi o mais explícito. As cenas de sexo aqui são
bem comentadas e cheias de pegação. Óbvio que não é um livro para menores
de 18 anos. E não vou mentir e dizer que não gostei das cenas quentes. Achei
bem elaboradas para duas autoras mulheres. Para quem curte um livro hot com
cenas bem picantes, Ele é uma ótima pedida.

Mas tenho que falar algo muito
importante: aqui temos um casal gay, mas que não representa todos os gays.
Temos diversidade de gênero, orientação sexual e preferências no mundo. O casal
aqui relatado é apenas um grão nesse universo. Por que falo isso? Porque os
dois protagonistas aqui representados não são afeminados e também não gostam de se expor ao mundo (o que não deveria ser um problema para ninguém). E
sim mais discretos. As autoras não abriram mão de deixar os
protagonistas másculos, fortes e viris. E isso com certeza é uma estratégia
para agradar as mulheres que vierem a ler esse livro, e eu fui uma delas. Não
posso mentir e dizer que não gostei da maneira que Wes e Jamie foram
retratados. Porém, como disse, só fiquem atentos, pois
aqui é apenas uma parcela LGBT representada.
O livro foi escrito a quatro mãos
por Sarina Bowen e Elle Kennedy, essa última já tem vários livros publicado
aqui no Brasil. Dando uma pesquisada vi que Ele é o primeiro de uma
duologia e que ainda contará com um spin-off. Não foi anunciado quando sairia a
sequência aqui, mas posso dizer que estou bem ansiosa para saber como estão
esses protagonistas. Deixando bem claro novamente que esse livro tem cenas bem explícitas e que pode ser lido apenas por maiores de 18 anos.

rela
ciona
dos