A Situação Humana | Aldous Huxley

Título Original: The Human Situation
Autor: Aldous Huxley
Ano: 2016
Editora: Biblioteca Azul
Páginas: 294

Em 1959, cinco anos após publicar seu famoso livro As Portas da Percepção, onde aborda em detalhes os efeitos do uso da mescalina, Aldous Huxley é convidado pela Universidade de Santa Barbara para realizar uma série de palestras voltadas as mais diversas peculiaridades, desafios e equívocos da humanidade. As dezesseis conferências estão presentes nesta edição e embora determinadas ideias, conceitos e pesquisas estejam fortemente datadas, muitas reflexões estendem-se para a atualidade, demonstrando a visão e criticidade deste autor que a sua própria maneira, atingiu o patamar de clássico da literatura do século XX.

Por tratar-se de uma obra onde são reproduzidas palavras proferidas ao longo de diversas palestras, A Situação Humana, muito mais do que apresentar assuntos acadêmicos e reflexões de um autor de ficção que, como tantos, foi capaz de perceber o contexto de sua época – além das possíveis consequências de nossas ações enquanto sociedade - ressalta o fato de que a ciência e a academia não precisam ser ambientes desconectados da realidade, do mundo que lhes permite a existência. Com discurso acessível, crítico, reflexivo e absurdamente interessante, Huxley explora os mais diversos aspectos da vida humana, passando de desafios e elementos localizados em uma escala macro, até encontrar-se nas peculiaridades do próprio indivíduo.

"[...] não apenas não temos direito de tratar animais como coisas, mas posso dizer mais, não temos direito nem de tratar coisas como coisas. Se tratarmos objetos inanimados como coisas que podemos explorar à vontade, as consequências serão desastrosas." 



Demonstrando a maneira inconsequente com que a humanidade se relaciona com o ambiente, a exploração e degradação que se tornaram característica intrínseca de nossa espécie, Aldous Huxley abre espaço para uma discussão que até o momento, embora não por falta de esforço e perspectivas, não foi capaz de gerar qualquer mudança profunda na forma como nos comportamos. Ao relacionar o universo histórico, a narrativa que seguimos construindo enquanto humanidade, e o universo do indivíduo, nossas dores, mágoas, alegrias e cotidiano, o autor destaca a existência de diversas realidades. A forma como eu compreendo e observo o mundo, como reajo a determinadas notícias, livros ou filmes, toda e cada partícula que compõem minha personalidade, torna a minha realidade única, pois nada do que acontece comigo, e nada na forma como reajo ao universo histórico pode se repetir para outra pessoa.

Apesar de surpreender e encantar em diversas conferências com seus pensamentos e reflexões, sua forma única de ver o mundo e sua maneira de buscar encontrar os melhores caminhos para os desafios que nos aguardam, o autor não está livre de críticas, e, dentre pequenos elementos que não pude deixar de discordar, existe algo que verdadeiramente me incomoda em suas palestras e este aspecto é a defesa da eugenia. 

Não ousarei defender que seu cérebro, pouco a pouco degradado pelo uso de drogas, não foi capaz de compreender os perigos destes pensamentos pois o autor os defende perante uma plateia de educandos pertencentes ao ensino superior. Neste aspecto, Huxley decepciona, porém, demonstra que mesmo as ideias mais perigosas, quando vestidas com a roupagem correta, podem aparentar ser um ótimo caminho a se seguir.


A Situação Humana ressalta o autor por trás da ficção, os pensamentos, as reflexões, a visão de mundo de um escritor que, embora muitos tentem fazer acreditar, percebia o contexto, as mudanças e direcionamentos da sociedade e, a partir destes elementos, criava mundos e universos únicos, porém, tão próximos do nosso. Faz parte da leitura discordar, debater os pensamentos do autor e compreender que, assim como todos nós, também possuía falhas. Esta obra demonstra um novo lado do autor e comprova que, embora possuísse pensamentos controversos, apresentava uma capacidade enorme de reflexão que merece ser compartilhada com novos leitores.

10 comentários

  1. Olá Izabel!
    Nossa nunca tinha lido nd sobre os livros do autor, gostei mto apesar de não ler mto livros do gênero, seria uma experiência bacana conhecer esse livro, vou add nos meus desejados.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Izabel,

    As contextualidades destacadas - de um autor com idealizações e pensamentos tão vastos -, impressiona pela proeza e riqueza destacada, e discutível.

    ResponderExcluir
  3. Oi Izabel, não conheço Huxley mas esse livro nos permite conhecer um pouco dele através de suas páginas se entendi bem, e mesmo que você não tenha concordado com todas as ideias do livro a leitura parece ter valido a pena ;)

    ResponderExcluir
  4. A princípio pensei que esse livro uma leitura difícil, acredito não estar tão familiarizada com os temas abordados.
    Mas no decorrer da resenha, percebi que é uma leitura interessante e que aborda temas necessários.
    Nunca li nada do autor, mas essa parece uma ótima maneira de iniciar e conhecer sua escrita.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito da resenha e é a primeira vez que vejo falar dele, mas confesso que não é o tipo de livro que eu normalmente leria, mas se tivesse a chance eu leria. Eu adorei o quote e concordo totalmente que nao devemos tratar mal nada, temos que respeitar e cuidar de tudo o que temos.

    ResponderExcluir
  6. Bel!
    Aldous Huxley é o tipo de escritor que tem pensamentos 'fora da caixinha' que por vezes podem até chocar por parecerem esdrúxulos, porém, era um grande visionário de seu tempo e pode expressar seu futurismo através de suas obras.
    Claro que ninguém é perfeito e não temos de concordar com todos seus pensamentos, entretanto ele sempre nos leva a reflexão.
    “A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável.” (Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA AGOSTO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  7. Este autor é um tanto quanto polêmico e nem sei de fato se esta é a palavra que o define. Prefiro acreditar que ele apenas pensa fora do normal se é que há algo normal na normalidade.
    Mas devo admitir, poucos leitores de hoje em dia gostam deste tipo de leitura, onde o leitor é convidado sem cerimônia a entrar em um universo nada seu.
    Como não conhecia este trabalho, fiquei muito interessada e se tiver oportunidade, quero muito conferir.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. A única obra do autor que já ouvi falar foi admirável mundo novo, e sempre ouço elogios. Não sei o que pensar deste livro, mas acredito que não é tipo de literatura que me atraia. Sua resenha está muito boa, parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Izabel
    Não conheço esse livro e não li nada sobre o autor.
    Também não é um tipo de leitura que gosto, mas pela sua resenha vale a pena ler. Todos temos defeitos e ainda bem que ninguém é perfeito e sobre as ideias do autor podemos concordar ou não, mas que nos leva a refletir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. É um autor comentado, ainda não li nada dele e parece polemico também, mas que deixa muitas reflexões para serem analisadas e discutidas sobre muitas coisas. Mas fiquei curiosa em ler assim mesmo, mesmo com três estrelas. Acho interessante como fala sobre a humanidade.

    ResponderExcluir