Título Original: To Tame a Highland Warrior – Vol. 2
Autora: Karen Marie Moning
Ano: 2017
Editora: Verus
Páginas: 308
Grimm é um guerreiro indomável. Dono de uma beleza exuberante que arranca suspiros por onde passa, é um homem misterioso, dono de um passado sombrio que dita muito sobre o seu presente e tem interferido nos planos para o seu futuro. A verdade é que dentro de si habita um guerreiro de força sobrenatural – um Berserk. Ele o invocou ainda quando criança, mas jamais foi capaz de domá-lo por completo e teme ter encontrado uma maldição em vez de uma benção. 
Incapaz de compreender totalmente os acontecimentos daquele dia, não encontrou alternativa a não ser fugir, deixando para trás seu clã e linhagem. Apesar da aura de intocável, esse guerreiro possui um ponto fraco – Jillian – e está sendo chamado para ir a seu socorro, apesar dos anos que se passaram e da forma como a deixou a última que vez que se viram, é incapaz de não acatar o pedido e sem hesitar vai ao seu encontro. 

“(…) — No momento em que diz “nunca”, você escolhe não tentar. Em vez de se preocupar com o que você não pode fazer, molde sua mente para pensar em maneiras pelas quais você poderia fazer. Você pode se surpreender.”

Jillian não quer se casar. Filha única do laird do seu clã, é uma jovem gentil, muito bem educada e linda. Uma mulher forte, que sabe o que quer e que não mede esforços para conseguir. Engana-se quem pensa que ela é apenas uma garota mimada. Teimosa e dona de si, está determinada a frustrar os planos de seu pai, mesmo que a presença constante do seu único e grande amor a ronde. Grimm teve sua chance e foi embora sem jamais olhar para trás, seu coração jamais se recuperou totalmente depois daquele maldito dia, mas como resistir ao homem cujos sentimentos a sufocam e desnorteiam?

Ambientado na Escócia de 1500 e suas influências nórdicas, Guerreiro Domado é um livro de enredo rico e apaixonante. Confesso, fui pega desde a primeira página e a cada novo capítulo me envolvia mais e mais com os protagonistas e suas histórias. Grimm é um homem ferido, que desde muito cedo presenciou uma das piores dores do mundo, perdendo alguém que amava incondicionalmente e de maneira brutal. Incapaz de aceitar tal fato partiu temendo se tornar um mostro e cometer o mesmo erro. Por muito tempo viveu sozinho, precisou aprender a sobreviver, mas acabou acolhido por um clã amável e generoso, porém mais uma vez assombrado pelos acontecimentos do passado e por tudo que a fera dentro de si é capaz de fazer, não lhe resta alternativa a não ser deixar tudo para trás novamente, inclusive a jovem que ganhou seu coração. 

Por outro lado temos Jillian e foi ela a grande responsável por me encantar com a história. Forte, inteligente e dona de uma língua afiada, mesmo apaixonada pelo bravo guerreiro não abaixa a cabeça e não aceita tudo o que ele quer e está disposta a conhecer cada segredo por ele tão rigidamente guardado. Quanto mais se repelem mais se aproximam, a atração entre ambos é palpável e o romance não poderia ser de outra forma – explosivo.

Repleto de ação, com muitas reviravoltas a obra fala de relações familiares, amor, ambição, amizade e a força que habita dentro de cada um de nós. Amar é aceitar qualidades e defeitos, é estar ao lado, compreender e ajudar. É o querer bem e isso não significa se submeter a tudo. As feridas do passado cegaram Grimm por muito tempo, fazendo com que acreditasse ser incapaz de fazer alguém feliz, como se apenas sua presença fosse capaz de invocar o mal e a destruição. Ver Jillian romper cada um destes medos, afastar as inseguranças, mostrando que era forte o suficiente, e principalmente que o amava por completo para escolher lidar com qualquer obstáculo que pudesse ter pela frente foi lindo. 
Que leitura deliciosa. Se vocês acompanham as minhas resenhas, viram que apesar de ter gostado do primeiro volume da série – Brumas do Tempo, sabe que ele não me conquistou totalmente, bem diferente de Guerreiro Domado, que após iniciada a leitura não consegui mais parar. Me envolvi, me emocionei, me divertir e me surpreendi com o desenrolar a trama. 
Karen Marie pesou a mão na medida certa. A ambientação e o modo como ela se preocupou com os detalhes, descrevendo com precisão os cenários, a cultura nórdica, como construiu cada personagem e desenrolou a trama foi genial. Dosou os elementos criando assim uma história viciante, envolvente, divertida e emocionante. Os diálogos foram bem empregados, divertidos e ricos, a narrativa por inteiro foi um presente. E me deixou ansiando pelos próximos livros da série. 

Conheça a série Highlanders:

rela
ciona
dos