Não Confie em Ninguém | Charlie Donlea

Título Original: The Girl Who Was Taken
Autor: Charlie Donlea
Tradução: Carlos Szlak
Ano: 2018
Editora: Faro Editorial
Páginas: 352
Amazon

Uma paisagem paradisíaca, um resort na beira do mar, um casamento, muito amor envolvido e uma morte. Um jovem garoto universitário cai do penhasco durante um jantar romântico, mas ao invés de ter sangue somente no lugar da queda, existem várias marcas pelo chão, manchas de sangue inclusive no deck onde ele preparava o encontro. Como alguém pode sangrar tão longe de onde morreu? 

Está mais do que claro, que o que vitimou Julian Crist não foi uma fatalidade, rapidamente os policiais de Santa Lucia, um pequeno país do Caribe, encontram a principal suspeita, Grace Sebold, namorada de Julian e possui alguns motivos para ser incriminada pelo crime. Esta é a introdução do livro, mostrando inclusive a cena do assassinato sem revelar quem está envolvido nela.

Se inicia então a parte dos dias atuais, mostrando a personagem principal, a cineasta Sidney Ryan. Ainda com uma carreira curta, Ryan conseguiu chegar até uma importante emissora de TV americana graças a um documentário feito para a internet, no melhor estilo “Making a Murderer”, onde conseguiu tirar do corredor da morte um homem que na verdade era inocente. Em seguida conseguiu emplacar mais um programa, no mesmo estilo, mas dessa vez na TV, e assim começou a receber milhares de cartas de assassinos que juravam inocência.

Chega em sua mãos a carta sobre o caso de Grace Sebold e logo ela percebe que possui várias inconsistências e diversos erros nas investigações, parece, nitidamente, que Ryan foi apenas o bode expiatório para livrar o lugar tão procurado por turistas de um possível rótulo e afetar os negócios nacionais.

Este é o enredo de Não Confie em Ninguém, o terceiro livro de Charlie Donlea. Ele segue a mesma estrutura das outras obras na formatação do seu livro, intercalando capítulos entre o passado e o presente, revelando aos poucos ao leitor a verdadeira história, enquanto simultaneamente vai criando a história do presente, narrando mais fatos que ainda estão por acontecer. 

Mesmo se utilizando do mesmo estilo de narrativa e estrutura, Donlea consegue ser original, muda completamente seu roteiro, cria uma história bem diferente do que já foi vista e do tipo de trabalho que ele está acostumado a fazer, mas infelizmente as coisas positivas do livro param por ai. 

O livro não me pegou como as demais obras do autor, Charlie tinha virado o meu escritor predileto dessa nova geração, substituindo Harlan Coben no pódio da minha cabeceira, mas me decepcionou muito com esse livro. A história é muito fantasiosa, a capacidade de alguém viver fazendo programas sobre pessoas inocentes que estão presas é linda, mas qual a probabilidade de ela estar sempre certa e conseguir sempre casos onde a injustiça possa ser provada? Nem o programa de assistência a esse tipo de casos nos Estados Unidos tem essa sorte. 

Outro ponto que me desagradou muito foi a construção dos personagens coadjuvantes, que por muitas vezes, não são necessários por não contribuírem substancialmente para a trama. Um desses casos está a cargo do rival de Sidney na emissora de TV. O homem é machista, cruel e vomita frases preconceituosas, mas isso não faz nenhuma diferença para a trama em si, além de destacar este tipo de comportamento em nossa sociedade, ele apenas existe e completa algumas linhas. 

A proposta do livro em si não me agradou muito, o final fica meio óbvio já que para acontecer algo de interessante na trama o Caso Sebold precisa de uma reviravolta e lá pelo meio do livro eu já tinha descoberto o final dele, que não foi nada surpreendente. Além disso, o autor deixa grandes hiatos na trama, não fecha todas histórias paralelas, como se preparasse o terreno para um segundo volume sobre a personagem principal, mas o final do livro também impede que isso aconteça, já que o rumo que o Donlea escolheu, fecha o ciclo da personagem, então as coisas ficarão apenas em aberto. 

Gosto muito da escrita de Donlea, ele tem me atraído demais em seus livros, mas achei a construção de Não Confie em Ninguém muito prejudicial pra obra, arrisco em dizer que talvez a proposta do livro tenha sido errada já que até pelo título a gente consegue ter uma ideia do que vai acontecer na trama.

O que eu esperava de diferente? Bom, vamos lá, gostaria que a trama focasse mais sobre o assassinato de Julian Crist e que as investigações fossem mais detalhadas. Um ponto para a parte do documentário e da repercussão dele que foi bem abordada. Gostaria que todos personagens tivessem realmente alguma importância na trama e que, principalmente, que o autor não abrisse tantas subhistórias, mas como abriu, que pelo menos desse um desfecho para elas.

Mas toda esta minha chateação, vem do fato deste não ser meu primeiro contato, nem com o gênero, nem com o autor. Superficialmente falando, Não Confie em Ninguém tem muitas coisas boas. Se este, de fato, fosse meu primeiro contato com o autor provavelmente teria gostado mais, porém foi escrito pelo meu escritor favorito e eu esperava muito mais dele. De qualquer forma e apesar de tudo que falei, Sidney Ryan é ótima, é uma mulher decidida, cheia de gana em busca da verdade e muito forte, como tenho cobrado muito na literatura de hoje em dia. E a parte que envolve as novidades tecnológicas e a coerência dos fatos continua maravilhosa como nos demais livros de Donlea. 

Não vou deixar de ler Charlie, estou ansioso pelo próximo livro dele e ele ainda é um autor que admiro muito, mas o próximo livro pode fazer ele descer alguns degraus na minha preferência e deixar de ser tão importante nas minhas leituras.  E vocês, já leram algo de Charlie Donlea? Pelo que vi fui o único que leu e não gostou, então indico muito a leitura e quero saber a opinião de vocês sobre essa nova obra desse promissor escritor.
Confira outros livros do autor:
1. A Garota do Lago

21 comentários

  1. Oi Bruno,
    Investigação policial é um dos temas que mais gosto de acompanhar em uma trama e pela visão de Charlie Donlea (a qual ainda não pude conhecer, mas leio boas recomendações), deve ser bem interessante. O diferencial dessa trama está na protagonista que não chega a ser uma policial, mas tem tato para lidar com investigações. Isso, com certeza, trás uma narrativa diferente e que vai além de uma simples resolução de um caso. Acho que o autor pecou em não ter tornado esse elemento mais próximo da realidade possível, fazendo Sidney Ryan uma pessoa completamente humana e com direitos a erros e equívocos como qualquer um que trabalha no seu ramo. Apesar de todos os pontos negativos tenho muito interesse nos livros do autor, inclusive já tenho A Garota do Lago em mãos e espero ler em breve. Gostei muito de sua resenha, pois a sinceridade dela me permite ser mais realista com o que irei encontrar no livro.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Donelea tem sido muito elogiado na blogsfera por sua escrita envolvente e cheia de reviravoltas, e tenho ficado cada vez mais ansioso para conhecê-la. É fato, portanto, que Não Confie em Ninguém desponta como uma obra inferior se comparada com as outras já conhecidas por serem surpreendentes. O problema parece residir no acúmulo de acontecimentos desnecessários que se não servem apenas para aumentar o tamanho da obra, tiram o fator crível da história. Porém, só lendo mesmo obras distintas do autor para uma opinião mais consistente. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nada do autor, mas sou fã desse estilo romance policial, quando o livro é bom tem aquelas reviravoltas que vc não consegue parar de ler até chegar ao fim e ficar com aquele sentimento "Uaaaau nunca imaginava isso" já aconteceu muito isso quando eu estava lendo os livros da Agatha Christie, parece que esse livro nesse ponto deixa a desejar né, quando vc já tem noção do que vai acontecer tem algo de errado, mas isso não tira minha vontade de ler o livro.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li nenhum livro do autor, mas quero muito ler, é um gênero que gosto muito. Estava até empolgada quando li que é diferente, um deferencial é sempre bem vindo, mas depois de ler o restante da resenha desanimei, gosto de reviravoltas, que a historia surpreenda e nada de pontas soltas. É uma pena devido a tantos elogios sobre o autor.

    ResponderExcluir
  5. Sempre ouço elogios sobre esse autor, uma pena que este livro não lhe agradou tanto, me parece uma boa história, apesar de se já sacar qual é o final!! Como nunca li nada dele, acredito que ia gostar dessa trama, que já nos intriga pelo fato de começar logo de cara com um assassinato!!

    ResponderExcluir
  6. Esse foi o primeiro livro que li do autor e provavelmente o último. Primeiro que a história é fácil de ser percebida, muito antes da metade já sabia o que tinha acontecido, a motivação, o resto do livro só foi para saber mais alguns detalhes da motivação. Enfim, foi suspense zero até o final. Aliás o livro só se salva pelo final, quando saí do lugar comum dos livros de thriller.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura também não agradou o nosso colaborador Santiago, uma pena. Mas o livro anterior do autor, ele favoritou.

      Excluir
  7. Não adianta, gosto é gosto e tem que ser respeitado. So li elogios desse suspense e ate entao é o queridinho do momento, mas quando li teus comentários e a nota 3/5 realmente me surpreendeu, mas te entendo, principalmente quando tu citou Coben. Digo isso pq qdo descobri Coben achei q ele fosse, depois de Zafon, meu escritor preferido, ate chegar ao seu terceiro livro e desanimar. Não confie em ninguém continua na minha lista de desejados e além do título esse suspense me agrada muito, reviravolta e intriga pra mim é um prato cheio. Mesmo tendo os 2 outros livros que tu citou, ainda não li nada desse autor. Espero não me decepcionar.

    ResponderExcluir
  8. Bruno!
    Gostei de saber que é um thriller com suspense.
    Gosto também quando vem datado em forma de diário.
    Achei bem interessante por ela ter coragem de mandar a carta para a roteirista e descobrirem que houveram vários erros durante o processo.
    Gosto de finais inesperado e fiquei bem interessada, mesmo com suas ressalvas e decepção neste exemplar.
    Uma boa semaninha!
    “O passado é uma cortina de vidro. Felizes os que observam o passado para poder caminhar no futuro.”(Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  9. Puxa, esta é a primeira resenha não tão positiva que leio deste livro. E sim, Charlie também tinha suprido muito esse meu gostar de uma boa história de investigação e reviravoltas!
    Mas o ruim de se gostar demais do trabalho de algum autor é este, cria-se mesmo que involuntariamente uma expectativa de que todos os livros serão bons e isso nem sempre acontece, infelizmente!
    Mas criar um enredo de suspense e não apresentar personagens bem construídos ou com falhas, como no caso dos personagens "secundários", acaba deixando este desânimo mesmo!rs
    Mesmo com tantos pontos negativos, o livro está na minha lista de desejados e espero ler e ter sim!
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li nada do autor, apesar de já ter ouvido falar muito dele. Realmente, li muitas críticas negativas sobre este livro, apesar dos outros livros dele serem mais bem falados. Gosto bastante de thrillers, mas este não me interessou, talvez eu busque outro livro dele para ler.

    ResponderExcluir
  11. Oi Bruno!
    Estou animada pra ler os livros, algumas resenhas positivas sobre eles me deixaram ainda mais interessada em conhecer a escrita, só espero não em decepcionar qdo surgir uma oportunidade.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Meu Deus estou louca por esse livro, estou muito ansiosa pra ler sempre vejo vídeos sobrs ele que me deixa doida kkkk.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Bruno!!
    Sempre gostei muito de livros de investigação policial, mas infelizmente ainda não cheguei a ler nada do Charlie Donlea, mas dar para ver que seus livros são bem interessante, mesmo que esse livro não tenha sido tão bom assim. Mas ainda quero muito ler os livros do Charlie Donlea.
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Ainda não li nada do autor, mas comprei garota do lago e deixada para trás. Espero gostar destes dois, e que o autor lance outros livros que sejam bons. Este aí vou deixar passar! rsrsrs

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Oi! Esse autor também se tornou meu favorito nesses últimos tempos. Tenho os dois primeiros livros dele e como muito fissurada nos suspenses, eu amei de verdade. Gostei da premissa dessa história, de como a jornalista tenta ajudar alguns injustiçados, e acredito que tenha uma boa narrativa. Uma pena você não ter curtido tanto essa leitura. Ainda quero muito ler, mas vou com menos sede ao pote agora.. Obrigada pela resenha!

    Bjoxx

    ResponderExcluir
  17. Eu nunca li nada do autor, apesar de já ter lido sobre os livros dele nunca tive o interesse em um livro dele. Super te entendo sobre se decepcionar com acabar descobrindo o fim do livro antes da hora, isso me deixa totalmente: nossa, poderia ser melhor!

    ResponderExcluir
  18. Nunca li Charlie Donlea mas anseio muito em conhecer suas obras, suspense policial é um gênero que por si só é cativante, faz da dúvida e curiosidade a força motriz para apreciar os detalhes linha por linha, eu simplesmente amo de paixão enredos que te prendem na primeira até a última página.

    ResponderExcluir
  19. Ainda não li nada do autor, mas obrigada pelo conselho vou ler as outras obras e ver o que acho, pois gosto muito de livros de suspense e policiais e é sempre bom descobrir novos autores.

    ResponderExcluir
  20. Tinha me chamado a atenção pela outra postagem com 5 livros, mas vou descer na minha lista... Vou ver se leio os outros livros do autor antes!

    ResponderExcluir