O Menino Que Desenhava Monstros | Keith Donohue

Título Original: The Boy Who Drew Monsters: A Novel
Autor: Keith Donohue
Tradução: Cláudia Guimarães
Ano: 2016
Editora: Darkside Books
Páginas: 256
Amazon

Holly e Tim, recém-casados, sonhavam com uma vida perfeita. Uma casa na praia e filhos. Após a mudança para o litoral, Holly se dedicaria mais ao trabalho e Tim voltaria à faculdade. A casa dos sonhos representava as perspectivas da vida do jovem casal. Contudo, as primeiras dificuldades começaram quando Holly tentava, sem sucesso, engravidar. Com muita dificuldade e tentando todas as possibilidades, veio o tão esperado filho.

Jack Peter era um bebê normal como tantos outros. Um pouco mais quieto e desenvolvendo-se lentamente. Mas não apresentava qualquer indício de anormalidade. Todavia, Holly sabia, seu filho era diferente. Conforme foi crescendo, o menino se mostrava cada vez mais incomum em relação às outras crianças. Era normal ver Jack Peter se fechando em sua mente, entretanto, o garoto ainda interagia, dentro de suas possibilidades, com o mundo externo.

As coisas começaram a desmoronar quando os médicos deram o diagnóstico. Foi difícil, mas Holly e Tim tentaram lidar com a situação da melhor maneira. Porém, após um acidente, Jack Peter nunca mais foi o mesmo. O garoto passou a levar uma vida restrita a desenhos e a companhia de Nick, seu melhor amigo. Mas quando os desenhos do garoto parecem "tomar vida", tudo fica completamente estranho e assustador.

"Ele também havia sido modificado por aquele dia na praia, ainda que de outra forma."



Ambientada no Maine, a história de Keith Donohue debate alguns conflitos, principalmente pessoais, que muitas vezes não se dão por resolvidos em nossa vida. Ressentimento, traição, vingança e medo são alguns dos temas abordados pelo autor, inseridos numa atmosfera sombria da vida familiar. Sua narrativa, porém, é tão leve e agradável que torna a leitura prazerosa.

Fugindo totalmente aos meus gostos literários, ler O Menino Que Desenhava Monstros foi um tanto quanto desafiador e instigante. Não me interesso pelo gênero do terror e inclusive, tinha certo receio de fazer uma leitura do tipo. Como esperava, o livro não me envolveu por completa e atribuo isso ao fato de não gostar do gênero. Contudo, a leitura é extremamente interessante e em alguns momentos, me senti impossibilitada de interrompê-la.

Keith Donohue te insere totalmente naquele ambiente e você passa a desenvolver empatia pelos personagens. Em diversos momentos, me senti compreensiva com a situação dos pais, com como Jack se sentia em relação ao mundo e a Nick e suas próprias dificuldades. Além disso, o livro se desenrola em situações inimagináveis, até o desfecho final que surpreende totalmente. Devo dizer que fiquei fascinada pelo final do livro.

"Por que Jip tinha de se afastar tanto às vezes? Amar de longe é muito mais difícil quando se trata do próprio filho."


Apesar das temáticas abordadas e da atmosfera sombria do livro, a história nos relembra um pouco das sutilezas da infância. O poder da imaginação que uma criança possui, o valor de uma verdadeira amizade, além, das inocências e aprontações dessa fase da vida. É fascinante ver a fidelidade da perturbadora amizade entre Jack e Nick e as implicações que isso traz à vida dos garotos, mesmo com toda a problemática envolvida.

Para quem, assim como eu, nunca leu ou não gosta de terror, mas tem a curiosidade e o interesse de ler algo do gênero, O Menino Que Desenhava Monstros é uma excelente obra para se iniciar. A sua leitura, além de ter sido muito prazerosa, me abriu as portas para experimentar um gênero que até então, eu não me interessava. Fica a dica!


Participe do mês de terror


11 comentários

  1. Esse livro é um dos meus preferidos da Darkside,adorei a leitura e os personagens do Jack e do Nick me deixaram apaixinada. O final foi bem surpreendente, deixou com gostinho de quero mais!! Recomendo a quem gosta do gênero e ainda não leu, um suspense leve mas que ao mesmo tempo é fofo!!

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de livros de Terror, mas esse ainda não li, mas estou muito curiosa para ler. A historia parece que envolve o leitor com seus acontecimentos, deixando a leitura frenética, gostei que o personagem tem um amigo a amizade é tão boa e importante. Fiquei curiosa com essas situações inimagináveis e com esse final, que parece que agrada e muito.

    ResponderExcluir
  3. Em primeiro lugar é preciso falar do trabalho espetacular que a DarkSide tem com seus livros!Puxa, é minha Editora favorita. A capa trabalho lançado, a gente fica ainda mais bobo com o capricho das capas.
    Namoro este livro desde seu lançamento e não vejo a hora de poder ter e ler a obra.
    Eu acredito que não seja um livro de terror, vejo mais como uma viagem a mente de um garoto, sonhos talvez desfeitos dos pais, amizade e sim, essa parte saudosista dos nossos amigos "imaginários" na infância!
    Como adoro o gênero, o livro está na lista de desejados.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá, confesso que achei a trama mais voltada para o suspenso sobrenatural do que para o terror em si. Gosto bastante quando o autor utiliza de elementos que concretizam sua obra com certa originalidade, e aqui o conceito de "amigo imaginário" ganha uma nova dimensão mais sombria. O desenvolvimento da história possui um ritmo frenético que torna impossível não querer saber o que acontece em seguida. Não costumo dar muita atenção para as obras da Darkside (visto que a maioria se vende pela estética e não pelo conteúdo), porém aqui temos um livro de qualidade. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi Izabela,
    Apesar de não ter lido o livro - ainda - acho ele sombrio, mas não tão focado no terror, na verdade percebo que a autora utilizou de metáforas para falar mais sobre o que Jack tinha, o que só me deixa mais curiosa para conhecer a história!
    Outro ponto positivo é a estética do livro, a editora sempre capricha não?
    Beijos n

    ResponderExcluir
  6. Li muito pouco livro de terror, embora eu ache que vou gostar, ainda não peguei um que realmente me assuste. Assim que vi esse livro, me apaixonei pela capa (como não?!) e sinopse ( achei original), mas pelas resenhas e comentários muitos foram parecidos, que a história deixa a desejar, daí dei uma desanimadinha. Mas a maneira fofinha como tu descreveu e ainda nao ser teu gênero favorito e ainda assim te agradou, acho que tá valendo dar uma chance assim que for possível. Acabei me estimulando.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Oi Izabela,
    Só pela linda edição criada pela Darkside eu já tinha vontade de ler este livro, mas agora que compreendi um pouco a premissa fiquei ainda mais curiosa. É engraçado como tem autores que pegam as coisas mais simples e comuns e as transformam em algo totalmente novo. O início de sua resenha me inseriu em uma trama familiar, com uma casal construindo sua vida juntos e a partir dela realizando seus sonhos. Mas como uma boa trama de suspense/terror e com aquela pegada de fantasia, O menino que desenhava monstros transforma a realidade do feliz casal em algo sombrio. Se alguém que não curtia o gênero apreciou a leitura imagina alguém como eu que adora uma boa dose de terror?

    ResponderExcluir
  9. Mais um livro que estava na minha lista e que agora vou trocar as posições haha. Ótima resenha, obrigada! Estou ansiosa para ler❤️

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir