The Sinner | Crítica


Criado por: Derek Simonds
Com: Bill Pullman; Jessica Biel; Christopher Abbott; Dohn Norwood
Gênero: Drama; Policial; Mistério
Duração: 8 episódios – 45 minutos

O dia estava perfeito. O sol brilhava no céu e aquecia aqueles que se aventuravam para fora de suas casas. As nuvens eram poucas e alegravam qualquer um que ousasse voltar o olhar para cima, mesmo que por poucos minutos. Neste alegre e encantador dia de descanso as pessoas encontravam uma chance de esquecer as frustrações do trabalho, dificuldades da vida, problemas e fantasmas do passado para concentrar-se no convívio com seus familiares, amigos e amantes.

Foi neste dia, porém, que Cora Tannetti vê sua vida mudar drasticamente. Quando ouve a batida de uma música desconhecida por muitos, a esposa e mãe, que aproveitava o dia com aqueles que mais lhe eram importantes, segura firme entre as mãos uma faca de cozinha, direciona-se ao casal despreocupado à sua frente e, sem nenhum resquício de culpa ou consciência, apunhala diversas vezes um homem que, aparentemente, nunca conheceu em toda sua vida.

Após declarar-se culpada, uma vez que suas mãos tiraram a vida de um homem desconhecido, Cora é presa. O mistério por trás de sua ação, entretanto, permanece sem solução, aguçando a mente de Harry Ambrose, detetive pertencente ao corpo policial que, não se contentando em reconhecer sua culpa, busca os determinar os motivos que levaram essa mulher calma e coerente a assassinar um desconhecido na frente de uma porção de testemunhas.


The Sinner apresenta uma proposta antiga e conhecida por muitos amantes de suspenses policiais. O seriado visa permitir ao espectador seguir os passos do culpado na mesma medida em que acompanha as investigações do policial. Desta forma, a narrativa garante que, pouco a pouco, o espectador seja capaz de estabelecer sua visão acerca da personalidade, passado e psicológico do personagem considerado culpado na mesma medida em que reconhece a beleza do intelecto e traumas do policial que ousou acreditar em sua intuição para solucionar um mistério que, a princípio, não recebe a atenção necessária. A maneira como se emprega uma estratégia antiga, porém, não tira o brilho da fabulosa construção de narrativa que encontramos aqui.

Os episódios, bem como os eventos do passado, toda e cada memória destacada, percepções de personagens e investigação do presente são habilmente costurados em uma trama que se nega a demonstrar o quadro completo ao espectador. Muito mais do que firmar-se somente no mistério por trás do crime cometido, o trunfo da série reside na facilidade com que, ao interligar cada aspecto da história, constitui no coração do espectador um sentimento de apresso e empatia perante os personagens de Cora e Ambrose. Em suas dores e decepções nos conectamos, com seus segredos e memórias desenvolvemos teorias, por entre um passado sombrio que se recusa a descortinar-se, avançamos com o intuito de descobrir a verdade, sendo esta dura e cruel ou não.


Muito mais do que basear seu encanto na investigação policial e perfil psicológico do culpado, a série trabalha com elementos reais, expondo nossa facilidade em julgar sem conhecer, demonstrando nossa tendência em criar teorias sem mesmo ocuparmo-nos de recolher todas as informações para compor o quadro geral. Por outro lado, nos expõem aos múltiplos culpados, àqueles que, indiretamente, posicionaram os peões em lugares estratégicos. Estamos falando das figuras que deveriam responsabilizar-se pela criação de uma criança, que deveriam amar e prezar pela segurança de um filho, que tiram proveito da ingenuidade existente no primeiro amor, que manipulam e abusam, ou mesmo que, ao lançar mão de seu conhecimento, poder e dinheiro, optam pelo destino dos culpados e ignoram a justiça.


Com uma narrativa intrincada, mistério instigante, personagens belamente construídos e aspectos sombrios do real, The Sinner não encontraria problemas em efetivar-se como um terrível pesadelo da realidade. Suas nuances cativam o espectador, os traumas de seus personagens permitem que se fortaleça o sentimento de empatia, a verdade cruel e dura por trás do mistério, porém, nos preenche com a sensação de que, embora seja outra série maravilhosamente bem produzida, com atuações tocantes e narrativa primorosa, temos aqui uma ficção absurdamente próxima da realidade e isso, caro leitor, assusta muito mais do que qualquer filme de terror.

16 comentários

  1. Oi, Izabel!!
    Gosto bastante de séries policiais e quando tem muito suspense e mistério é melhor ainda. The sinner é uma série que já está adicionada na minha lista na Netflix, no momento estou terminando de assistir Bordertown e estou com muita vontade de assisti essa série em seguida.
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Nossa amei a série!!!
    Acho que vai sair uma 2 temporada.
    Quero muito assistir.

    ResponderExcluir
  3. Oi Bel! Já tinha visto posts sobre essa série, mas não tinha de fato prestado atenção. E agora, lendo um pouco mais sobre, confesso que estou encucada pra saber o que pode ter causado esse crime. Aparentemente, sem razão alguma a mulher faz isso, mas parece ter muito por trás do que um crime sem motivo. Eu sou muito fã de suspenses, e quando bem inteligente, como é esse o caso, tanto melhor. A maneira que é usada, mostrando o ponto de vista da protagonista e da investigação também deixa muito mais instigante! Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  4. Acabei vendo esta série já tem um tempinho, aliás, já está "passando" a segunda temporada, só não fui atrás ainda por estar muito atolada de séries atrasadas!
    Eu sempre tenho comigo que um bom enredo não precisa trazer monstrinhos e nem freirinhas assustadoras. O maior medo está na mente humana e The Sinner aborda muito bem isso. O medo, o pânico em certos momentos e todo o ar de suspense que envolve todos os personagens!
    Muito recomendada!!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Adorei esta série e estou aguardando ansiosamente a segunda temporada. Pelo trailer o personagem principal, que é o detetive Harry Ambrose, irá permanecer, mas o caso analisado será outro. Curiosa!

    ResponderExcluir
  6. Pela tua visão e descrição, mostrou ser uma série pra lá de eletrizante. Mostrar os dois lados da moeda, deixa a historia dinâmica, empolgante e que deve cativar, além de confundir o espectador, fazendo ele mudar lado em muitas situações ahahahah. Suspense e ação, com atores conceituados e uma narrativa, embora não original, bem interessante.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia essa série,quando li que no elenco tem Bill Pullman e a Jessica Biel já me interessei,são ótimos atores!! A trama parece ser bem elaborada e foca no que levou a peesonagem a fazer o que fez, já fiquei intrigada com isso, vou colocar na minha lista para assistir em breve!!

    ResponderExcluir
  8. Izabel!
    Tive oportunidade de assistir essa série e achei genial a forma como ela foi 'criada', não entregando o jogo de uma vez, mostrando aos poucos como tudo foi acontecendo, misturando a origem com o presente, achei uma das melhores séries.
    Gostei tanto que maratonei em uma tarde/noite.
    Uma boa semaninha!
    “O passado é uma cortina de vidro. Felizes os que observam o passado para poder caminhar no futuro.”(Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  9. A primeira temporada foi incrível, foi realmente uma ficção muito realística. A Biel estava impecável, gostaria que ela tivesse ganhado o Globo de Ouro. Estou ansiosíssima para a segunda temporada!

    ResponderExcluir
  10. Primeira vez que vejo algo sobre a série, eu comecei a gostar de ler pelos livros da rainha do crime Agatha Christie, esse gênero romance policial é um dos meus favoritos, tanto em livros quanto em filmes, gosto muito das reviravoltas que sempre costuma acontecer nesse estilo literário e cinematográfico.

    ResponderExcluir
  11. Olá, a nova galinha dos ovos de ouro da USA (depois do sucesso de Mr. Robot) realmente impressiona pelo material bem dirigido (isso sem contar na fotografia, que me remete um pouco da paleta usada em The People Vs O.J. Simpson: American Crime Story). Apesar de utilizar os elementos convencionais de tramas intercaladas entre passado e presente, The Sinner possui um ritmo que combinado com a atuação primorosa de Jessica Biel prende qualquer fã de um bom mistério e suspense. Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia a série e já anotei para assistir, gosto do gênero. Fiquei curiosa em saber o que aconteceu com Cora e o que essa música tem a ver com o acontecimento é estranho, isso é se tem algo a ver. Interessante a série abordar esse assunto de julgar sem conhecer é o que mais acontece nas nossas vidas, isso nos deixa refletindo sobre o assunto. Parece ser quelas tramas que deixa o telespectador quebrando a cabeça para juntar as peças e tentar desvendar o mistério.

    ResponderExcluir
  13. Oi Izabel!
    Conhecendo a série agora através do seu post, não conhecia ainda, por gostar do gênero eu me interessei, vou anotar a dica.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Não conhecia essa série mais fiquei muito interessada sobre ela parece ser viciante, vou assistir amo esse gênero.

    ResponderExcluir
  15. Eu não costumo assistir séries, tenho um certo problema em terminá-las. kk' Entretanto, o enredo desta me despertou a atenção e quem sabe eu acabe dando uma chance para ela, já que possui apenas 1 temporada.

    ResponderExcluir
  16. Um suspense policial com uma proposta diferente, adorei! Amo quando seguem pelo perfil psicologico, mas essa premisa me chamou a atenção!

    ResponderExcluir