Um Guia para Mary Wollstonecraft Shelley

Mary Wollstonecraft nasceu no dia 30 de agosto de 1797, em uma Londres que se preparava para a chegada do século XIX e, pouco a pouco, abraçava as maravilhas propagadas pelo mito do progresso. É neste momento em que o processo de cercamento se fortalece, culminando na concentração de grandes parcelas de solo cultivável sendo transferido para as mãos de pouquíssimas famílias e forçando pequenos proprietários, então desamparados e em busca de novas oportunidades, à dirigirem-se para os caóticos e fumacentos domínios das grandes cidades fabris. Também é neste período que a industrialização inglesa se consolida, reconfigurando toda uma gama de sistemas e normas vigentes com base em uma visão de mundo fortemente baseada nos princípios científicos e tecnológicos.


Órfã de mãe desde o nascimento, aquela que transformaria-se em uma das principais referências literárias do século XIX, ao contrário do que muitos comentadores ressaltam, passa por dificuldades financeiras ao longo de toda a infância, estas, possivelmente agravadas pelas escolhas políticas e carreira do pai.

William Godwin, teórico, pensador e escritor, é comumente lembrado por Inquérito Acerca da Justiça Política, obra lançada em 1793, além de ser um dos principais fundadores do anarquismo filosófico inglês. Esta personalidade de grande relevância ao campo da literatura e política, para além de receber o título de pai da autora, trata-se também do responsável por sua iniciação científica, política e literária. A educação e abertura oferecidas a Mary desde tenra idade, aspectos que garantiram o desenvolvimento de suas habilidades de escrita e pensamento crítico, eram negados, podendo ser considerados privilégio para as moças da época. 

A criação e formação de Mary Wollstonecraft possibilita o acesso a mais vasta gama de obras literárias, teorias científicas e debates políticos, permeando sua mente com ideias e reflexões acerca dos mais diversos elementos e características da sociedade, transformando-se em fatores cruciais para a criação da obra que marcaria para sempre o seu nome na trajetória humana.

Com apenas 17 anos a autora se apaixona por Percy Shelley, referência do movimento romântico na poesia. Esta paixão arrebatadora direcionará os passos do casal para uma trágica e encantadora narrativa inundada por tristezas e sombras, digna dos mais arrebatadores romances pertencentes ao romantismo na literatura. O casal ignora, contudo, a existência da mulher de Percy, Harriet Westbrook, que, após a traição proíbe este de ver e relacionar-se com os filhos do casal e comete suicídio no ano de 1816.

Embora tenha escrito O Último Homem, espécie de distopia que narra a saga do único homem imune a uma doença fatal que, pouco a pouco, extermina todos os humanos da face da terra; além de ter produzido contos como Transformação e O Imortal MortalMary Shelley firma-se no universo literário por meio da publicação de seu curioso e fascinante Frankenstein, ou o Prometeu Moderno.

Ilustração de Theodor Von Holst para Frankenstein em 1831
A ideia essencial desta narrativa surge durante uma noite escura quando, desafiados por Lorde Byron, a autora e outros convidados deste icônico anfitrião, debruçam-se sobre a tarefa de criar uma história assustadora, uma narrativa de terror. O projeto, porém, muito mais do que simples história de assombro, transforma-se na primeira obra daquele que viria a classificar-se, ao longo do século XX, como gênero da ficção científica.

Ainda que muitos autores atribuam destaque a H. G. Wells, autor que no fim do século XIX publica uma vasta gama de obras caracterizadas como romances científicos, narrativas responsáveis por definir o caminho e possibilitar a consolidação da ficção científica, é por meio da obra de Mary Shelley que encontramos uma das primeiras publicações de romances científicos do século XIX.

Frankenstein é o cientista ambicioso, a representação perfeita do homem que, por meio da racionalidade científica e realização de experimentos, busca respostas para os segredos do universo que nos cerca. Na ânsia por desvendar os mistérios da vida e morte, este jovem promissor, irresponsável e de reflexão falha, cria um novo ser, uma criatura nunca antes vista por olhos humanos. A criatura, por sua vez, é abandonada por seu criador. Largada à própria sorte ela vaga pela sociedade, percebe características dubias da essência humana e jura vingança àquele que um dia debruçou-se sobre a tenebrosa tarefa de produzir um novo espécime e dar-lhe vida. Representando as possibilidades da ciência, bem como as consequências negativas de empreendimentos científicos, Frankenstein trata-se de uma obra reflexiva, assustadora em sua atemporalidade, repleta de nuances, capaz de produzir uma vasta gama de opiniões e percepções. Alguns exemplos desta característica encantadora é a análise da esfera ética existente ao longo da obra, além das resenhas que, não apenas eu, Izabel, como a Joice escrevemos aqui no Estante Diagonal.

A primeira edição do clássico escrito por Mary Shelley ao longo daquela noite escura e sombria é publicada no ano-novo de 1818, dois anos após o suicídio da esposa de Percy Shelley. Quinhentas cópias são vendidas do ano de sua publicação até 1823, quando a autora se propõem a retomar o texto que trouxe vida a um ser desconhecido e único, efetuando alterações e revisões que estender-se-iam até o ano de 1831. É na época do Halloween deste ano que Mary Shelley publica uma nova edição do romance, esta, contendo os últimos arranjos e correções, transformando-se na edição de maior popularidade e cujo texto vem sendo publicado até hoje.

Participe do mês de terror

29 comentários

  1. Caramba!Como chegar num post assim, ler e ver tudo e ainda ter que escrever algo?
    Mary é um ícone e fiquei aqui meio embasbacada com a imagem acima, assustadora!
    Não é apenas ciência, é físico, é surreal.
    Acredito que para fãs e não fãs, este manual seja essencial para se ter um pouco de noção do quanto não só a mulher, mas tudo que a envolvia, ainda estão presentes hoje em dia!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que, enquanto pensava na forma como conduziria essa postagem, não imaginava que vocês fossem gostar tanto !!! *-*
      Mary Shelley é incrível mesmo né ?! Já escrevi várias coisas sobre a autora e sempre descubro algo novo, essa mulher é uma verdadeira caixinha de surpresas.

      Excluir
  2. Adorei o post! Já conhecia um pouco sobre a história de Mary Shelley, a vida dela não foi tão fácil como podemos julgar, mas ela deixou uma marca inegável na literatura mundial com o clássico "Frankenstein" e isto quando era ainda muito jovem... "Frankenstein" é uma das minha obras favoritas de fição científica!
    Mundo da Fantasia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito, muito, muito feliz por saber que gostou da postagem !!! Essa ideia de explorar um pouco mais a vida e obra dos autores me deixou tão animada que já estou pensando no próximo escritor a apresentar para vocês !!!

      Excluir
  3. Oi Izabel,
    Apesar de ter visto muitas referências a Mary Shelley em filmes, séries e outros livros, nunca tive a oportunidade de conferir suas obras. A sua mais famosa história conheço através de adaptações, mas acredito que nenhuma delas se equipare a obra original ou ao que a autora tão brilhantemente criou. É sempre interessante conhecer um pouco sobre a vida dos autores, principalmente daqueles que marcaram a história ou a revolucionaram de alguma forma. Sua criação teve muita contribuição no que ela viria a se tornar como autora e como pessoa. E talvez, as coisas tenham sido diferentes se seu pai tivesse outra carreira ou se sua mãe tivesse feito parte de sua vida. A criação da obra Frankenstein teve um impacto maior do que imaginava na sociedade e para a literatura e isso vindo de uma mulher no século XIX, me deixa admirada e orgulhosa, pois imagino o quanto deve ter sido difícil escrever tal história em uma época onde o preconceito e machismo regiam as regras da sociedade de forma mais brutal e injusta do que é hoje. Depois desse belo post só me resta me aventurar em conhecer a escrita de Mary Shelley.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que dizer sobre o clássico Frankenstein ?! As vezes nem sei por onde começar. Mas como tocou na questão de adaptações, vale a pena ressaltar que em muitas delas tanto o monstro quanto a adaptação não fazem jus ao original. O livro possuí algumas nuances que nem todas as adaptações conseguem apresentar, mas se pudesse indicar uma que trabalha muito bem com o material original, esta seria Penny Dreadful !!! Tanto o monstro quanto o Frankenstein são bem retratados nela !!!
      Fico muito feliz por saber que curtiu a postagem Gislaine, vou ficar aqui torcendo para que tenha a chance de conferir o clássico escrito pela autora !!!

      Excluir
  4. Uma grande escritora a Mary Shelley,passou por dificuldades como todo mundo e deu a volta por cima!! Ainda publicou uma das melhores obras de todos os tempos,que é o Frankstein, esse livro é demais, o jeito que a trama se desenrola é surpreendente, fico imaginando a noite em que Shelley se reuniu com grandes nomes para falar sobre contos de terror!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fico imaginando como deve ter sido essa noite de contos de terror, rsrsrs. Imagine, tudo aconteceu dentro de um castelo e com a noite escura se estendendo lá fora, é o cenário perfeito para assustar !!!

      Excluir
  5. Izabel!
    Acho a Mary Shelley uma pioneira em termos literário, porque imagina, uma mulher, do século XXVIII, escrever um livro de ficção, que considero futurista, porque imaginar uma personagem criada por pedaços de seres, é algo inimaginável para aquela época. Acredito que por conta disso, seus livros (que não são muitos) são clássicos.
    Desejo um mês abençoado!
    “A gratidão é o único tesouro dos humildes.” (William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA OUTUBRO - 5 GANHADORES –
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem toda a razão Rudy !!! Além de trabalhar com uma temática bem inovadora para a época, as mensagens que essa mulher conseguiu introduzir em sua obra são incríveis e se estendem até os dias de hoje. Não é a toa que suas obras se tornaram clássicas. Ela foi capaz de olhar além e perceber elementos que muitos talvez nem sequer tenham percebido, mesmo nos dias de hoje !!!

      Excluir
  6. Oi Izabel!
    Se eu te falar que não conhecia Mary Shelley desse tanto?
    Ouvia falar algumas coisas mas ter essas informações com detalhes...É incrível!
    Estou maravilhada em conhecê-la melhor.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz por saber que meu texto foi capaz de te apresentar mais detalhes dessa mulher incrível Aline !!!
      A trajetória da Mary Shelley é tão cheia de detalhes que valia a pena compartilhar né ?!

      Excluir
  7. Certamente uma pioneira e visionária para sua época, ter criado uma historia tão bem elaborada quanto Frankenstein não é pra muitos. Assisti várias adaptações mas o livro mesmo está na minha lista. Se antes eu já tinha curiosidade em ler, sabendo da historia da autora, dá ao livro uma realidade bem maior. Adorei o post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito legal a forma como conhecendo um pouco mais da vida de cada autor nós enxergamos suas obras com novos olhares, além de sentir maior curiosidade para ler suas obras né ?!
      Eu sou assim com vários autores que ainda não tive a chance de ler, mas já descobri detalhes de suas vidas.

      Excluir
  8. Olá, eu sabia que a verdadeira história do Frankenstein tinha surgido no século 18, porém era desconhecido para mim que tamanho ícone como Mary Shelley estava por trás da criação da obra literária. Considerando todo o contexto social da época, é inegável que a contribuição da autora para a literatura fantástica é uma das mais importantes de todos os tempos, não sendo surpreendente que a autora possui sua trajetória de vida imortalizada. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Impossível não se inspirar pela trajetória da autora né ?!
      Como muitos ainda não conhecem os detalhes da vida e obra dela, achamos que já estava na hora de apresentar, devidamente, dona Mary Shelley para vocês !!! ;)

      Excluir
  9. Não conhecia a historia da autora, muito interessante e impressionante saber que uma mulher naquele século teve a ideia de escrever algo como Frankenstein que faz sucesso até hoje, não li o livro, só assisti os filmes. Muito boa a ideia do Lorde de ter criado esse desafio de escreverem algo assustador. Tinha vontade de ler os livros da autora agora a vontade aumentou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já fiquei aqui super, super feliz por saber que ficou com ainda mais vontade de conhecer os livros dela Maria !!! Muito mais do que apresentar a vida desses autores maravilhosos, essas postagens também servem para instigar mais leitores a se aventurarem por suas obras !!!
      Espero que curta a leitura !!!

      Excluir
  10. Que post fantástico, não sabia nada sobre a autora a não ser que escreveu essa obra, gostei muito de sua narrativa, me surpreendeu saber o que estava por trás dessa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito, muito, muito feliz por saber que gostou da postagem Cris !!!
      Eu fiquei tão animada com a ideia que já estou aqui pensando em outros autores para compartilhar com vocês !!!

      Excluir
  11. Oi Bel!
    É muito bom gostar de uma obra e ver a história por trás da autora né?! Frankestein é um dos meus livros favoritos, adoro as partes que o mostro reflete, conversa e questiona a posição dele e o que está acontecendo na historia! Mary era um gênio, na minha humilde opinião!
    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sou apaixonada por Frankenstein !!! Um dos meus livros preferidos da vida !!!
      O amor por Mary e seu monstrinho era tanto que eu tinha que criar uma postagens sobre eles, rsrsrs

      Excluir
  12. Adorei o post e adorei poder conhecer um pouco mais sobre Mary Shelley, confesso que meu conhecimento era bem pouco sobre ela, outro detalhe: não sabia que Frankenstein era uma obra da autora, parabéns pelo post e por destacar uma pessoa de tamanha importância para a literatura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz por saber que gostou da postagem !!! *-*
      Já estava na hora de oferecermos um espaço especial para a Mary aqui no Estante Diagonal !!!

      Excluir
  13. Olá Izabel,
    Por incrível que pareça, apesar de conhecer a obra, nem se quer havia me ligado até hoje no nome do autor(a) do livro, felizmente esse post, além de me informar, me fez querer saber mais sobre ela.
    E que história Mary viveu, até mesmo seu relacionamento é digno de um enredo.
    Sem dúvidas um presente para nossa literatura, mesmo que atual.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história da Mary Shelley daria um bom livro né Vitória ?! Eu não me recusaria a ler uma trama como a que ela viveu, cheia de altos e baixos como foi, deixaria qualquer leitor instigado !!!
      Fico muito feliz por saber que curtiu a postagem !!!

      Excluir
  14. Nossa!! Eu sabia parte da história da Mary Shelley, estou de cara com o restante da história! Sou uma grande fã de Frankenstein e acho intrigante saber da escritora dessa obra maravilhosa! Obrigada ❤️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito, muito, muito feliz por saber que gostou da postagem !!!
      Já estava na hora de apresentarmos, devidamente, a trajetória dessa autora para vocês né ?! XD

      Excluir
  15. Eu não sabia que ela tinha escrito o Frankenstein

    ResponderExcluir