Blindspot | 1° Temporada


Criado por: Martin Gero
Com: Sullivan Stapleton; Jaimie Alexander; Rob Brown; Audrey Esparza; Ashley Johnson; Luke Mitchell
Gênero: Policial; Suspense; Drama
Duração: 23 episódios – 42 minutos

Durante uma noite caótica, movimentada e luminosa, como tantas outras noites antes desta, a famosa Times Square presencia aquele que pode vir a ser considerado um dos eventos mais bizarros e misteriosos de sua história. Em determinado momento um homem desconhecido abandona uma grande mala de lona, em seguida, as forças policiais são contatada e cercam o perímetro desta bagagem peculiar, acreditando tratar-se de uma bomba plantada por terroristas. O que ninguém esperava era que uma mulher nua, com o corpo coberto por tatuagens, saísse da mala sem o menor resquício de memória de como e por quais motivos ela foi parar ali.

Uma vez que em suas costas encontra-se tatuado o nome de Kurt Weller, importante agente do FBI, a misteriosa mulher, nomeada Jane Doe (denominação atribuída à indivíduos cuja verdadeira identidade é desconhecida) é levada para o quartel general da agência de investigações. A partir deste momento, dá-se início a uma série de direcionamentos que, além de revelarem corrupções drásticas e profundas ligadas a órgãos e o próprio governo dos Estados Unidos, descortina os planos de um grande grupo terrorista.




Contando até o momento com quatro temporadas produzidas pela Warner Channel, Blindspot trabalha com questões de corrupção apenas como plano de fundo para edificação de um plano mais amplo. Seu maior trunfo, e isso diz muito sobre os Estados Unidos, além de revelar uma breve parte das intenções de seu criador, está na abordagem e construção de um forte grupo terrorista que, pouco a pouco, é desmascarado e combatido por bravos agentes do FBI. Desta forma, o seriado se apropria de características da realidade para elaborar uma narrativa policial onde um corajoso grupo de agentes é reunido com o intuito de evitar ameaças terroristas, desvendar seus planos e eliminar seus líderes afim de evitar um colapso geral das maiores instituições ligadas ao governo norte americano.

Apesar de delinear uma trama interessante, além de um time de personagens que se complementa, evoluindo de forma natural ao longo dos episódios e temporadas, o seriado remete fortemente a relevância do entretenimento, presente em grande parte das séries produzidas pela Warner Channel. Os episódios desenvolvem-se de forma bastante simples, de maneira com que não seja cobrada grande atenção aos detalhes, nuances e possíveis interligações por parte do espectador. Trata-se do típico modelo de seriado com uma temática policial investigativa que busca distanciar-se das clássicas séries de comédia, mas que não pretende exigir muito do espectador – como acontece em casos como The Sinner, para citar apenas um exemplo.








Desta forma, não ressalto apenas uma narrativa simples onde não será exigido grande nível de concentração ou elaboração de teorias por parte do espectador, mas a triste necessidade de descrever cenas que este pode compreender com o simples ato de olhar para a imagem que se estende diante de seus olhos. Analisando a frequência com que estas situações ocorrem ao longo dos episódios e temporadas de Blindspot, não poderia deixar de expressar meu descontentamento, uma vez que se desconsidera o intelecto do espectador e toma-se um caminho bastante utilizado por produções que esquecem ou simplesmente ignoram a presença do receptor da história contada.


De maneira geral, Blindspot é um seriado interessante, uma verdadeira espécie de entretenimento que pretende fugir das clássicas séries de comédia, instigando o espectador a continuar assistindo, mesmo com suas falhas e deslizes. Desde que não levada profundamente a sério, analisada por sua verdadeira essência e características, ela pode salvar os dias em que tudo o que queremos é assistir algo sem compromisso, mas cuja história instigue levemente nossa imaginação. Não se trata de uma verdadeira obra prima, de algo imprescindível na vida de apaixonados por séries, mas sim de algo mais leve para os momentos em que nossas mentes estão cansadas das fortes tramas intrincadas, observadas em outros seriados.

9 comentários

  1. Está aí uma série que até me prendeu por quase duas temporadas. Começou bem, um enredo diferente, personagens até que construídos bem, mas sei lá, acabou meio que se perdendo para mim.
    Acabava enxergando tudo mais do mesmo e os episódios ficaram arrastados, sem grandes novidades.
    E a medida que ia se desvendando um pouco do passado da moça tatuada, eu me perdia ainda mais.
    Acabei desistindo dela. E tenho quase certeza que não darei sequência não!
    Mas a crítica elogia muito. Então com certeza, é somente questão de gosto mesmo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá! Esta aí uma série que eu até comecei a acompanhar, mas por falta de tempo, não consegui dar continuidade, nem sabia que já estava na quarta temporada, até gosto desse tipo de série, cheia de mistérios e investigações, mas como meu dia continua tendo apenas 24 horas, tive que optar em assistir outras, como Havaí 5.0, Chicago PD e minha queridinha Law & Order: Special Victims Unit.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei com vontade de ver uma vez por essa atriz, mas não é meu tipo de série. Achei legal a coisa toda das tatuagens e o plot com fbi e tudo isso, corrupção, investigação, grupo terrorista...
    Mas quando vi trailer e o que estavam falando já deu pra perceber que seria daquele tipo de série padrão do
    gênero e nem dei chance. Sei lá, pode ser boa, mas não tenho essa paciência toda não. Não é lá meu estilo mesmo =/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Izabel
    Assisti aos primeiro episódios sem muita muita expectativa, mas confesso que gostei muito.
    Vi as duas temporadas e espero que a Netflix coloque as outras temporadas no catalogo logo, fiquei muito curiosa com ultimo episódio da segunda temporada.
    Claro que não é tão complexo como The Sinner, mas adorei Blindspot.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Izabel,
    Me lembro que quando vi o trailer dessa série fiquei muito empolgada, pois além de ser uma série policial ela promete um mistério bem diferente. O episódio piloto cumpre o seu papel muito bem, pois apresenta a história e os personagens e deixa o telespectador louco para assistir a mais episódios. Acredito que essa primeira temporada foi a que, até agora, teve mais conteúdo a ser explorado, pois tudo ainda era uma novidade. Eu continuo assistindo, pois gosto dos personagens, mas confesso que a narrativa em si não tem sido a mais original ou empolgante. Para quem, assim como eu, gosta de série de investigação policial, Blindspot é uma boa recomendação.

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia a série é que de uns tempos pra cá prefiro não assistir séries que não tenham seu final, pois correm o risco de serem canceladas e tenho uma raiva disso, então estou concentrada em assistir e terminar as que já acabaram. Mas fiquei até interessada pelo mistério da mulher das tatuagens, adoro mistério e investigação acho que deixam a historia mais interessante, pena que deixa a desejar em alguns pontos, mas quando tiver um final vou querer dar uma conferida, vai que gosto rs.

    ResponderExcluir
  7. Oi Izabel.
    Eu assisti alguns episódios de Blindspot e concordo com você. É uma boa série policial para entertenimento, mas é bem superficial.
    Não exige do espectador muito atenção aos detalhes, para desvendar casos ou fazer ligações com outros fatores.
    Ainda não vi The Sinner, mas quero muito.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia a série e nunca ouvi falar.
    Gosto de mistérios e investigações e a mulher cheia de tatuagens me intrigou rs

    ResponderExcluir
  9. Estou para ver Blindspot desde o lançamento da 1º temporada, mas sempre vou adiando. Eu adoro as histórias das tatuagens revelarem planos de corrupção e um alvo maior, o terrorismo - que me lembra um pouco de Quântico (recomendo MUITO!!!). Pensava estar ainda na 3º temporada, logo tenho que me adiantar.

    ResponderExcluir