Título Original: Fools and Mortals
Autora: Bernard Cornwell
Tradução: José Roberto O Shea
Ano: 2018
Editora: Record
Páginas: 364
Amazon

A maioria das pessoas já ouviram falar de William Shakespeare, o grande dramaturgo e ator inglês do século XVI, autor de renomados clássicos como Romeu e Julieta, A Megera Domada, Rei Lear, MacBeth, Sonhos de Uma Noite de Verão e muitas outras peças. Nascido em 1564, em Stratford, filho de uma família rica, foi o terceiro de uma prole de oito filhos. E aqui vai uma curiosidade, William era o mais velho dos filhos que sobreviveram, é incrível a quantidade de crianças da família que morreram precocemente, três deles antes de completar dez anos.

Mas porque falar tanto sobre a família Shakespeare? Porque o livro é sobre ela e a vida de William, assim como sua obra. Tolos e Mortais é narrado por Richard Shakespeare, irmão de William, dez anos mais novo que ele e com o mesmo sonho do irmão mais velho, se tornar um grande ator de teatro.
A história começa na cidade natal da família, Stratford, que fica a duas horas de Londres. Richard é criança e já atua em algumas peças, mas sempre com papéis femininos, já que tem uma baixa estatura e seu rosto ainda não têm pelos. Seu grande desejo é conseguir um personagem masculino e de grande representatividade no cenário teatral, para isso, vai fugir para Londres e encontrar seu ainda não famoso irmão.
O livro mostra como a sociedade era preconceituosa com atores, como eles eram tidos quase como contraventores e só tinham lugares escusos para se apresentarem. Mas por outro lado a rainha tinha sua trupe teatral favorita e queria as peças que William estava escrevendo, começando assim uma guerra de espionagem teatral em plena Londres Elisabetana.

Tolos e Mortais é um livro cheio de detalhes, muito bem divididos em quatro partes, cada uma delas com um objetivo claro como parte central da história. As cenas são cheias de detalhes e a construção das peças Sonho de Uma Noite de Verão e Romeu e Julieta é muito abordada, desde a escrita de seus roteiros até os ensaios feitos pelo seu elenco.

A obra não fala se os acontecimentos são cem por cento verdadeiros ou foram criados em parte pelo Bernard, o que provavelmente aconteceu. Na minha opinião, o autor traz alguns relatos históricos de uma grande parte da história que realmente existiu, mas tecendo a ficção da trama em volta disso.
Uma das coisas que eu não gostei muito foi a demora para que acontecesse alguma ação, de fato, na trama, já que o livro é mais uma “novela” que um thriller, mas isso se deve somente à minha preferência literária do que à qualidade do texto. Eu gosto muito de livros que desde o primeiro momento apresentam investigações, mortes ou lutas épicas, o que não ocorre em nenhum momento em Tolos e Mortais. A trama está mais ligada à criação do teatro e principalmente ao desenvolvimento desse mito das artes cênicas chamado William Shakespeare, através da visão de um de seus irmãos, que, nessa história, é bem importante para seu enredo.
Além de trazer informações muito importantes sobre o passado do teatro em seus primórdios, Cornwell fala muito sobre a Londres Elisabetana, tanto o lado dos grandes jantares chiques, como da falta de saneamento básico, a dificuldade de locomoção e as doenças provocadas por contatos com ratos e demais animais não muito higiênicos.

O livro possui um pouco de romance também, mas na dose certa, sem ser muito meloso ou se perder da história principal. Na realidade o autor descreve muito bem o amor entre os personagens, passando por seus problemas, brigas e reconciliações.

Bernard Cornwell é um escritor consagrado, acredito que no Brasil sua obra mais famosa é a série As Crônicas Saxônicas, mas Tolos e Mortais foi minha primeira experiência com o autor, e gostei bastante dele. Esse livro foi originalmente lançado em outubro de 2017 nos Estados Unidos e chegou por aqui um ano depois em uma bela edição, que manteve seus mapas internos. A capa que me deixou um pouco decepcionado, pois não tem muito a ver com a obra, na edição americana um pergaminho e a mão de alguém com uma caneta, algo muito mais próximo da história. Já que a obra é sobre o enredo de peças de teatro, poderia ter sido mantida.
Mas e vocês, já leram alguma coisa de Cornwell? Gostam de obras sobre os séculos XVII e XVIII? Então não podem deixar de conhecer “Tolos e Mortais”, mais uma leitura que vale muito a pena.

rela
ciona
dos