Graça e Fúria | Tracy Banghart

Título Original: Grace and Fury
Autora: Tracy Banghart
Tradução: Isadora Prospero
Ano: 2018
Editora: Seguinte
Páginas: 304
Amazon

Aqui temos duas protagonistas. Cada uma com seu jeito de agir e pensar. Uma conformada com seu destino e a outra não querendo aceitar o sistema. Porém, aquela garota conformada acaba se vendo em uma situação difícil. Ela vai ter que lutar para sobreviver. O universo dessa história se passa em Viridia, com uma sociedade dominada pelos homens. As mulheres aqui não tem vez e nem voz. Não podem ler e nem escrever, não tem acesso a nenhum conhecimento. Não passam de meras peças nesse universo masculino. Não é à toa que não existem reis, mas sim superiores. Que não existem rainhas, mas sim graças.

Serina e Nomi são duas irmãs bem opostas. Desde o seu nascimento, Serina foi ensinada e preparada por sua mãe para ser uma graça: uma mulher que seria uma das muitas mulheres do superior. Ela deve ser bela, elegante e obediente. Enquanto Nomi foi criada para ser a aia de sua irmã. Em sua criação, Nomi acabou sendo um pouco negligenciada por sua mãe e seu pai, que não viram o quanto ela fugia às regras da sociedade em muitas ocasiões.

Agora Serina está com idade para ser uma das graças e pretende cuidar para que Nomi não fuja às regras e os outros descubram o seu maior segredo. Nesse ano, será o herdeiro que escolherá suas primeiras três graças e Serina acaba sendo escolhida como uma das finalistas. Ela vai para o palazzo com sua irmã e está confiante que o herdeiro a escolherá quando ela é a única mulher que ele chama para dançar. No entanto, é Nomi que ele escolhe em seu lugar.

"Não. Não é uma escolha quando você não tem a liberdade de dizer não."


No palazzo, Nomi acaba esbarrando sem querer com o herdeiro e sendo um pouco grosseira com ele. Nomi espera sua punição, mas ao invés disso, parece ter despertado o interesse dele quando é escolhida como sua graça. Agora a irmã que nunca quis ser uma graça, está confinada e deve atender todo capricho de um homem. E para complementar todo o sofrimento, Serina e Nomi se separam. Mesmo sem saber ler, Serina é pega com um livro na mão e é mandada para Monte Ruína, um lugar onde as mulheres rebeldes são presas. Separadas, Serina e Nomi tentam pensar em um jeito de se reunirem novamente, mas isso acaba mudando um pouco o curso da história de Viridia.

Eu vi muito pouco da relação entre Serina e Nomi, pois elas logo se separam na história, mas temos vários vislumbres a partir das lembranças e sentimentos de cada uma, e logo sabemos que elas se amam muito e pretendem fazer de tudo para que a outra fique bem. E sem saber as duas mudam a perspectiva das pessoas ao seu redor e mudam também o futuro que Viridia seguia desde as Inundações.

Nomi teve que se submeter a tudo que nunca quis, mas sempre manteve o espírito rebelde acesso e quando encontra um aliado, ela agarra essa chance com unhas e dentes, pois essa seria sua chance de ter sua irmã de volta consigo. E Serina me surpreendeu muito, pois essa seria a irmã submissa e quieta, acabou se tornando a mais forte e destemida. Pela situação em Monte Ruína, Serina cresceu e se transformou. Ou ela mudava seu jeito ou ia morrer no seu primeiro conflito. Ela acabou se tornando minha favorita entre as duas.

“Sempre pensara que não havia valor em resistir, que não adiantaria em nada. Mas sua irmã sempre esteve certa. Valia a pena se rebelar. Só o ato de resistir podia mudar o mundo. E elas iriam mudar o mundo. Serina garantiria isso.”



Dois lados de uma mesma moeda. Duas mulheres lutando para sobreviver e salvar uma a outra. Quando vi esse livro, achei a ideia muito interessante por conta do momento em que vivemos: as mulheres estão se unindo. Isso é algo bom, mas não se sustenta sozinho se realmente não temos o apoio uma da outra. Graça e Fúria vai te mostrar que juntas podemos mais. Que juntas podemos mudar todo um sistema e deixar de lutar por aqueles que só te maltratam.

Graça e Fúria faz parte de uma duologia e o segundo livro tem previsão de ser lançado apenas ano que vem nos EUA. Eu, sinceramente, amei a capa e contra capa desse livro. Achei a ideia maravilhosa de colocar as irmãs nelas. A narração é feita em terceira pessoa, mas os capítulos são alternados entre as Serina e Nomi. Em suma, o livro tem uma história muito cativante e envolvente. A autora Tracy Banghart soube me conquistar com a narração bem gostosa e fácil. E óbvio que estou mais que ansiosa para ler o próximo volume.

11 comentários

  1. Olá, Crislane
    Li algumas resenhas sobre esse livro e tenho visto muitos comentários. Sua resenha é mais completa e consegui entender mais sobre o enredo.
    Apesar de muitas críticas eu amei a capa, gostei muito de ter as duas irmãs nela.
    Na época em que se passa a estória as mulheres não podiam ter acesso a educação e entre outras coisas, mas ser submissa e ser prendada para agradar ao homens podia. Ainda bem que as irmãs mesmo separadas lutam para mudar isso.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luana!
      Que bom que gostou! <3 Com certeza! Vi alguns comentários negativos, mas fui com minhas expectativas. Gostei muito e posso até entender algum ou outro ponto para quem não gostou. Porém, é um livro para jovens. Não podemos esquecer esse olhar.
      E elas lutam sim. Cada uma a sua maneira.

      Excluir
  2. Este livro sem sombra de dúvidas, se tornou um dos mais queridos nos últimos tempos. A capa é maravilhosa e a Editora foi muito feliz em trazer as irmãs, tão opostas e ao mesmo tempo, tão elas, retratadas assim.
    Pelo que pude acompanhar, as diferenças entre as duas eram necessárias para que o enredo fosse tão bem desenhado e com isso, trouxesse também um grito pelo feminismo e por espalhar a força das mulheres.
    Com certeza, já está na lista de desejados e espero ler este primeiro livro o quanto antes.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Crislane,

    Pra mim também ficou claro que a Serina - apesar de seguir à risca tudo o que lhe é determinado - não é uma personagem abobalhada e totalmente alheia e submissa por completo. Ver a evolução da mesma ampliou essa minha percepção.

    Eu tentei ver na Nomi o sinônimo de fortaleza que a ideia central da premissa nos passa, inicialmente. Porém, tudo o que eu consegui ver foi uma jovem que sim, tem a sua valentia e conceitos importantes, mas que também é muito vulnerável. O livro tem muitas proezas... A começar pelo tema importante, que até hoje é levado em conta e ditado por muitas pessoas da sociedade e é tido como o correto a ser seguido!

    Enfim, sem dúvidas vai entrar para a lista de melhores livros do ano!

    ResponderExcluir
  5. Crislane!
    Gostei muito de todo plot do livro e chocada em ver uma sociedade onde a mulher é uma 'coisa', afinal não pode nada, a não ser satisfazer as vontades e necessidades dos homens.
    Bom saber que há um amadurecimento de ambas protagonistas no decorrer do livro e confesso que fiquei bem curiosa por fazer a leitura.
    Semaninha de amor e paz!
    “A moral, propriamente dita, não é a doutrina que nos ensina como sermos felizes, mas como devemos tornar-nos dignos da felicidade.” (Immanuel Kant)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA SETEMBRO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  6. Oi Crislane,
    A capa deste livro, realmente, chama atenção, mas é a sinopse que desperta aquela curiosidade em realizar a leitura. Tem certos temas que sempre mexem mais com nós mulheres e Graça e Fúria vai fundo em alguns deles. Em uma terra onde a voz feminina não tem vez e a única forma de ser algo melhor na vida vem da submissão a um superior é como levar a sociedade de volta a épocas passadas. Não dá para julgar Serina pelo seu desejo de ser do Superior, pois a própria mãe a e a sociedade a criaram para ter esse propósito e o que, inicialmente, viria a incomodar com uma protagonista sem personalidade mais forte, ou devo dizer, independente se mostra mais a frente no livro totalmente o oposto. O plot nos mostra caminhos bem diferentes a serem seguidos pelas irmãs e as complicações farão com que estes enveredem para lados opostos aos desejados. Fiquei bem interessada neste livro, mas acho que vou esperar a editora lançar a sequência para iniciar as leituras.

    ResponderExcluir
  7. Olá,Crislane! Estas capas do livro são um charme a parte, curti bastante a proposta. Sobre o enredo do livro achei interessante, pois fortalece a relação de mudança, preconceito e união entre as mulheres, e ainda mais por serem irmãs. Não sabia que seria uma duologia. Com certeza fiquei interessada pela proposta do livro.

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito dessa proposta da autora da troca das irmãs, a leitura parece ser muito interessante e esse crescimento das personagens é ótimo, pena a mulher ser tratada desse jeito sem importância nenhuma, mas ainda bem que as personagens parecem que vão mudar isso. Adorei essa capa achei muito bonita.

    ResponderExcluir
  9. Oi Crislane!
    Estou louca pra ler essa Duologia, só li resenhas bacanas sobre, e essa capa? Já me ganhou tbm...
    Espero ter oportunidade de conhecer o mais breve possível.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Eu amei a proposta que a capa apresenta, acho que é uma grande sacada sobre o enredo do livro. Achei a trama bastante envolvente também, acredito que muitos temas importantes serão debatidos nesse pano de fundo aparentemente inocente que a autora traz. Além disso, vai ser muito bonito acompanhar o sentimento que une as duas irmãs e a luta de cada uma para salvar a si mesma e a outra.

    ResponderExcluir