Os Vingadores: A Era de Ultron – Crítica

27 Maio, 2015 Por Joi e Bel

“Boneco eu sou, mas sou assim. Quem quiser me examinar, não há cordões em mim!”

Quem leu esse trecho cantando acaba de entrar para a iniciativa Vingadores! Uma coisa engraçada, e muito interessante, na opinião da pessoa que vos fala, é o fato de que a nova leva de filmes baseados em histórias em quadrinhos está causando um aumento considerável de nerds, geeks, ou seja, lá qual é o nome específico que dão para as pessoas legais. Hoje em dia é muito mais fácil encontrar pessoas que gostam e que não perdem a chance de assistir esse ou aquele filme de super-heróis, do que era a alguns anos atrás, quando a indústria ainda não estava montada e as empresas ainda não tinham percebido a máquina de dinheiro que são esses filmes. O mais legal disso tudo é que, até mesmo as pessoas que não gostam de filmes do gênero acabam gostando um pouquinho (mesmo que não admitam), ou então acabam assistindo os filmes só para ter uma opinião sobre o assunto. E eu, como a aspirante a nerd, geek, ou pessoa legal que sou, não poderia estar mais feliz com a época em que nos encontramos. Nunca os filmes de super-heróis fizeram tanto sucesso e se tornaram tão populares quanto são hoje, e quando Os Vingadores: A Era de Ultron foi lançado, eu não poderia ficar quieta até conseguir conferir o filme com os meus próprios olhos.

Uma coisa que vocês precisam entender é que todos, bem, praticamente todos os filmes lançados pela nossa querida Marvel, todos os personagens e todas as histórias, fazem parte de um universo compartilhado. Desta forma algo que acontece em um dos filmes possuí ligação com o filme que será lançado a seguir. Mesmo o mais simples detalhe pode estar intimamente ligado com uma trama maior que vai se desenrolando aos poucos. Até mesmo a série de TV, Os Agentes da SHIELD, possuí uma pequena ligação com o novo filme dos Vingadores. Portanto, queridos leitores, é interessante estar sempre atualizado com os lançamentos da Marvel para garantir que nenhum detalhe seja perdido. Mas se você não assistiu algum filme anterior, ou não acompanha a
série, não se preocupe, pois normalmente os filmes são bem fáceis de compreender, e caso você não tenha entendido alguma coisa, eu sempre estou por aqui, doida para discutir os aspectos do filme com vocês!

Os Vingadores: A Era de Ultron, se inicia de forma direta, com um ritmo intenso e repleto de ação. Logo no início do filme nós descobrimos que a HIDRA, uma organização russa criminosa (olha só os antigos probleminhas dos Estados Unidos com os Russos aí), havia roubado o cetro de Loki das mãos da SHIELD. No meio disso tudo, os Vingadores lideram uma ofensiva para recuperar o cetro. O único problema é que a HIDRA havia utilizado o poder contido neste artefato para realizar experimentos em humanos, destes experimentos apenas dois foram bem-sucedidos. É aí que entram os meus gêmeos favoritos, Pietro e Wanda, também conhecidos por Mercúrio e Feiticeira Escarlate (Aaron Taylor-Johnson e Elizabeth Olsen). Os dois possuem muita raiva de Tony Stark (Robert Downey Jr), pois suas armas foram responsáveis por muitas mortes em seu país, além de possuírem uma história pessoal que eu iriei ignorar para não soltar nenhum spoiler para vocês. O Mercúrio, como todos já sabem, possui a super velocidade, mas a Feiticeira Escarlate possuí poderes muito diferentes do irmão, ela é capaz de mover objetos com a mente, além de ler e manipular a mente de outras pessoas.
Mesmo com a ajuda dos gêmeos e toda a sua força armada, a HIDRA perde o cetro para os Vingadores. No momento em que recuperam o cetro, Thor (Chris Hemsworth) comenta que ele deve voltar para Asgard, onde será guardado em segurança, porém Tony pede a Thor três dias para estudar e entender tudo o que pode sobre o objeto (o que irá gerar toda a confusão e história deste filme). O que Tony Stark e o Dr. Banner, ou Hulk (Mark Ruffalo), descobrem sobre o cetro é algo fantástico. Acontece que ele se apresenta como uma inteligência artificial, ele de certa forma, possuí suas próprias ações e estratégias. Percebendo como o cetro funciona, os dois se lançam em uma empreitada para criar uma inteligência artificial única, capaz de proteger a terra de perigos e evitar que a humanidade padeça sob possíveis ataques alienígenas. O que acontece realmente é que essa nova inteligência, que leva o nome de Ultron, nasce em meio a uma tentativa falha, e possuí suas próprias visões de mundo. O que o Ultron acredita é que, para salvar a humanidade, ele precisa destruí-la.
Neste novo filme da Marvel, nós somos agraciados com uma ótima história, que mais uma vez está ligada a diversos acontecimentos de filmes já lançados, mas que também abre portas e nos dá dicas de como a história poderá se desenrolar, além de nos dar uma ideia de qual será o próximo filme solo que eles irão lançar. Neste filme, todos aqueles que ainda possuíam alguma dúvida sobre a história maior que está se desenrolando, aos poucos, durante cada novo filme (inclusive no maravilhoso Guardiões das Galáxias, querem que eu faça resenha?!), recebem a resposta que
tanto esperavam. Afinal de contas, porque vocês acham que eles foram inserindo as gemas (ou jóias) do Infinito em cada filme lançado até hoje?! Aquelas belezinhas e o próprio Thanos nos trazem o presságio de que a história só pode se encaminhar para um lado, e é bom se prepararem pois, tempos difíceis virão. Graças aos acontecimentos de A Era de Ultron nós percebemos que existe muito mais de onde esse filme veio, e que o futuro dos filmes da Marvel pode ser grandioso.
Neste filme nós também observamos aquele lado piadista (que eu tanto adoro) e que é capaz de quebrar um pouco o gelo e encantar os espectadores. Mas apesar de o filme possuir o seu lado engraçado e cheio de piadas, na minha opinião, este é um dos filmes mais sérios e até certo ponto, obscuros, lançados pela Marvel. Aqui, graças a Wanda, nós observamos as histórias de cada personagem, seus medos, suas fraquezas. Percebemos que apesar de terem poderes e serem considerados heróis, eles são tão humanos quanto qualquer um de nós. Aqui até temos um pequeno romance rolando, que na minha opinião foi o ponto mais baixo do filme. Peço desculpas aos apaixonados de plantão, mas aquele casalzinho que eles tentaram criar neste filme não funcionou para mim.
Por fim, e para finalizar a minha resenha eu tenho que comentar sobre os novos personagens. Eu confesso que estava com um pé atrás quando soube que a Wanda e o Mercúrio estariam neste novo filme, fiquei com medo de que eles fossem estragar dois personagens que eu adoro, ou que fossem mudar demais a história dos dois a ponto de me decepcionar com o filme. É verdade que suas histórias foram alteradas, que uma das mutantes mais poderosas não é mais uma mutante, mas mesmo com todas as mudanças eu amei o resultado final. Não tenho do que reclamar. Tanto Pietro quanto a Wanda me surpreenderam (principalmente a Wanda) e me deixaram com os olhos brilhando de alegria. Os dois se inseriram muito bem a história, tiveram  uma importância enorme no decorrer dos acontecimentos e foram capazes de alegrar essa pessoa aqui. A única coisa que eu espero, é que a Feiticeira Escarlate seja tão poderosa quanto é nos quadrinhos!
O último novo personagem que merece destaque é o Visão. Não vou comentar muito sobre ele para evitar spoilers, mas posso garantir que o seu aparecimento gerou muitas dúvidas e especulações, além de um momento um pouco tenso com o Martelo de Thor. Eu admito que espero muitas surpresas vindas deste personagem, além de estar curiosa com relação a seus poderes e sua participação nos eventos que estão por vir.
Os Vingadores: A Era de Ultron é um filme maravilhoso e completo, no sentido de que irá te fazer rir, pensar um pouquinho, morrer de raiva por ter ficado até o final dos créditos e não ser surpreendido por uma cena extra, vai te deixar triste (tudo bem, isso só se você for coração mole como eu) e também irá te fazer ficar vidrado em meio a tanta cena de ação. É um ótimo filme que merece uma chance no seu coração. Garanto que com tanto boy magia as libélulas não vão se decepcionar, e com tanta mulher bonita os gafanhotos também vão ficar bem
alegrinhos!


A Disney mais uma vez lacrou com o segundo filme de Avengers, além da sua jogada de mestre ao inserir a música do clássico Pinóquio, refletindo sobre a existência de Ultron. Era de se esperar que o resultado do filme fosse positivo, com um elenco de peso, somado com a equipe de edição da Industrial Light & Magic é conhecer um sucesso garantido. Tudo está de parabéns. Efeitos, roteiro, e toda esta parte mais aprofundada nos personagens me arrebatou. Destaco a grande participação e apresentação do Gavião Arqueiro que sempre fora bem apagadinho.

Isso que nem vou falar das cenas de ação! O filme já começa com uma cena épica, e ver o Hulkbuster em ação no meio do filme é de arrepiar! Ao contrário da Bel eu gostei da profundidade dada ao “novo casal” e espero sinceramente que isso seja mais explorado, até porque seria algo inédito, e exclusivo apenas dos filmes. E vamos combinar, ver os heróis envolvidos com mocinhas sem graça e indefesas já deu né?! Aliás, necessito de um filme single para estes dois personagens em questão, please Disney, please Marvel!
Confesso que fiquei esperando o Homem Aranha aparecer e nada, mesmo assim somos apresentados ao próximo vilão, Visão, Mercúrio (que na minha opinião foi muito melhor que o Mercúrio de X-Men e o cabelo dele é natural e não uma peruquinha sem vergonha, desculpe!) e por fim o grande destaque Feiticeira Escarlate. É notável sua evolução durante o filme e como o poder dela é devastador. Para aqueles que ficam perdidos não fiquem desesperados. Façam que nem eu, mesmo como uma grande fã eu também fico perdida com toda esta grandiosidade, mas vá acompanhando os filmes devagar, um a um que tenho certeza que você se afeiçoara com cada personagem e ficara deslumbrado com todo este universo criado pelo meu querido Stan Lee.
Se você quer rir um pouco e conhecer uma outra opinião sobre o filme, escute este NerdCast aqui!

  • Avengers - Age of Ultron
  • Lançamento: 2015
  • Com: Chris Evans; Mark Ruffalo; Chris Hemsworth
  • Gênero: Ação, Aventura
  • Direção: Joss Whedon

rela
ciona
dos