Resenha: Cabeças De Ferro

Título Original: Cabeças De Ferro
Autora: Carol Sabar
Ano: 2016
Editora: Jangada
Páginas: 304
Compre aqui

Cabeças De Ferro, da Carol Sabar, é um lançamento do segundo semestre, terceiro livro da autora publicado pela editora Jangada.

Maria Luiza, ou Malu, é uma das calouras da concorridíssima UPN, lá estudam apenas os Cabeças De Ferro, os melhores dos melhores. Entre os veteranos estão seu melhor amigo, Nicolas e seu arqui-inimigo Artur Cantisani, ambos aprovados em primeiro lugar em seus cursos no semestre passado. Apesar de proibidos nas universidades, Malu está preparada para os trotes vexatórios e é claro que o responsável de aplicar o seu, é Artur.

No fatídico dia, no dia em que os veteranos jogariam uma mistura podre e fedorenta nas cabeças dos calouros, algo dá muito errado. Mariana, uma das calouras, acaba recebendo a garrafa com a substância destinada a Malu e acaba sofrendo um choque anafilático. Se não recebesse os primeiros socorros de Artur, a garota não resistiria e agora, mais do que envolvidos, Malu e Artur percebem que podem estar no meio de uma grande armação. Mas com qual propósito alguém trocaria a substancia da garrafa destinada a Malu? Seria alguém querendo incriminar Artur ou alguém querendo machuca-la?

Artur e Malu estão diante da questão mais complicada que receberão em suas vidas e de nada vai adiantar terem sido escolhidos em primeiro lugar na universidade. Desta vez, serem os melhores, acabou os tornando vítimas.

O plot da história é bastante interessante e prende o leitor logo nas primeiras páginas. Estaremos envolvidos a uma investigação e teremos muitas doses de ação e suspense ao longo do young/new adult, identifico desta maneira, por que não consegui classificar corretamente o gênero o livro. Apesar de se passar na faculdade e de tocar em assuntos como sexo e drogas, senti que os personagens eram infantis demais pelo que representavam. Mais precisamente Malu.



Além da personagem, comecei a ter problemas com a trama logo depois do começo. Apesar de estarmos dentro de uma investigação policial e de crimes estarem acontecendo dentro do campus, não senti nenhum teor de preocupação vindo dos personagens, nem mesmo quando a vida de alguns é colocada em risco e isso me preocupa, pois não há como ter uma ligação mais forte com os personagens quando nem eles parecem se importar. 

Dilemas bobos, aleatórios e elogios aos corpos perfeitos dos personagens masculinos me pareceu tomar mais destaque na história em alguns momentos. E evidentemente, se eu percebi isso é por que o humor da narrativa não funcionou comigo, o que é uma pena. Porém, Malu não parou de me fazer revirar os olhos por aí. A situação complica quando a autora mudou drasticamente as atitudes da personagem após ela começar a namorar. Ela passa a dever satisfações e se limita a falar com outros meninos por achar que não pegaria bem. Achei um equívoco, visto que estamos diante de um período de empoderamento feminino e não gostei de ver algo do tipo num livro destinado para jovens. 

O fato de todos os personagens serem superdotados também não pesou em nada para mim na história. Serem ou não, não mudaria o rumo que a trama tomaria, tudo funcionaria perfeitamente igual e até evitaria que eu, por vezes, questionasse a inteligência de alguns.


Com certeza, Cabeças De Ferro deve ganhar uma continuação, pois a história termina com algumas pontas soltas e outros problemas parecem terem se resolvido facilmente. Apesar de tudo que falei, é verdade que a Carol Sabar sabe manter o ritmo do livro, a narrativa da história é rápida o que tornou a leitura bem dinâmica. O quarto final do livro foi o que mais me instigou e o final faz com que eu tenha vontade de ler um próximo, pois a autora não percorreu o caminho que seria óbvio e isso é bom. 

Ainda não sei dizer se comecei com o pé esquerdo, já que este foi meu primeiro contato com a autora, ou se me tornei uma leitora mais exigente com o tempo, mas Cabeças De Ferro não me convenceu totalmente. Achei que a autora se perdeu nos elementos do livro, não amadureceu os personagens para a história que ela queria contar, e todo o mistério, a investigação e os crimes que aconteceram no livro pareceram não casar muito bem com tudo isso.

Em suma, sei que Cabeças De Ferro não é um livro para ser levado muito a sério, é para entreter e divertir, a própria autora nos avisa sobre isso, porém, infelizmente, esta foi minha experiência com o livro, mas isso não significa que a história não agrade outros leitores. Eu até gostaria que outras pessoas viessem debater comigo sobre a história, eu adoraria conhecer e entender um pouco do porquê a história não ter me agradado tanto, visto que eu o solicitei justamente pela quantidade de elogios que cercavam a obra.

12 comentários

  1. Joi!
    Uma pena não ter se convencido com a leitura.
    Achei o enredo super interessante, um mistério em ambiente de faculdade onde só estudam os top de linha, deve ser bem bacana.
    “Capacidade de saber cada vez mais sobre cada vez menos, até saber tudo sobre nada.” (Millôr Fernandes)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de NOVEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Joi. É realmente complicado não gostar de uma obra sendo que quase todo mundo está falando muito bem dela. Eu vi uma resenha super positiva do livro e me interessei bastante. Ás vezes o livro simplesmente não nos desce, e acabamos não aproveitando a narrativa, o que pode não acontecer com outros.
    Espero aproveitá-la ao máximo!
    Beijo, Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  3. Oiii Joi

    Realmente parece uma história mais pra desconectar, aquelas levinhas pra não levar muito à sério mesmo. Te confesso que esperava mais do livro, tantas e tantas resenhas colocam o livro nas nuvens que é até um alivio ver a sua, pois às vezes a gente se empolga, se lança na leitura esperando algo perfeito e leva uma decepção. Eu até quero conferir essa história, mas irei sem criar expectativas, apenas pra descontrair entre alguma leitura mais densa mesmo.

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
  4. Hey Joi,
    Nunca li nada dessa autora e sinceramente nunca ouvi falar.
    A principio achei que seria um livro que eu iria atrás pra ler, pois gosto de mistério a medida que foi falando os defeitos meio que me colocou pra baixo. Claro que não vou desistir da leitura, só vou deixar para ler no próximo ano assim talvez funcione comigo. :)

    Beijinhos!
    A Universitária -> www.auniversitaria.com

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Quando soube do enredo gostei bastante, mas essa parte de investigação+faculdade+jovens a autora tem que dar um show pra sair algo bom, as chances da obra ficar infantil ou centralizar em um romance é 99% mesmo sabendo que a Malu vai me irritar quero muito ler e ter minhas próprias opiniões, parabéns pela resenha maravilhosa.
    Beijos Lendo Com Ela

    ResponderExcluir
  6. A sinopse parecia ser tão legal, mas pelos pontos citados por você eu nem fiquei com vontade de ler :/
    Tá, pode ser só sua opinião e talvez eu acabasse gostando, mas acho que nem vou dar uma chance :/

    ResponderExcluir
  7. Oi joi, tudo bem? Não conheço o trabalho dessa autora. Sempre que me deparo com um livro novo, ou com algum autor que não conheço fico pensando no quanto ainda falta pra eu ler. Haja dinheiro kkk
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  8. Oi, confesso que não gostei muito do livro não sabe? Talvez suas críticas negativas me impressionaram mais que as positivas. Gosto desse estilo, não sei, meio policial, cheio de misterios, mas esse me pareceu um pouco fora dos trilhos.

    ResponderExcluir
  9. Joi! Eu também não me convenci com a sinopse, nem com a capa, e acredito que nem com a leitura.
    Achei o enredo fraco, sem muito o que se desenvolver, sei lá, talvez seja minha chatice para leituras atuais, mas esse eu passo sem dó!

    ResponderExcluir
  10. Essa é a primeira vez que vejo uma resenha sobre esse livro, achei a história legal. É muito ruim quando os personagens são infantis, até por que como é a primeira obra dessa autora que você leu é difícil identificar se essa é uma "visão" da autora ou se é isso mesmo que ela queria passar, mas pelo menos você conseguiu concluir a leitura. Eu pretendo ler esse livro, ai volto aqui para deixar a minha opinião.

    Beijos, ótima resenha!

    ResponderExcluir
  11. Não tinha visto esse livro ainda, no começo da resenha até que eu fiquei meio curiosa, mas depois, não sei, meio que perdi o interesse por ele, acho que foi por ler os pontos negativos, mas cada leitor é um, então acho que vou dar uma chance, e ver no que leva!

    ResponderExcluir
  12. Oi Joi,
    Sua descrição do livro levantou muitas questões sobre a história e os personagens e com isso até entendo o pq de você achar difícil de classifica-lo em um único gênero literário, mas vamos por partes. Em um primeiro momento, a história se trata de YA (do meu ponto de vista), pois nos é apresentada uma personagem, entrando na universidade e tendo que lidar com todas as preocupações desta nova fase e essa é a parte onde muitos leitores podem se identificar com ela. Então vem a armação do trote, que poderia guiar a história para algo bem mais intrigante, só que não sei até que ponto isto será explorado na história. Os personagens agindo, com pouca preocupação ou de forma infantil, perante uma situação, onde será necessário o envolvimento da polícia, não condiz com a história.
    Mas não quero fazer julgamentos ou só apontar os pontos negativos sem nem ter lido o livro, então vou parar por aqui. Por mais que a premissa não tenha me agradado tanto assim, fiquei curiosa com o livro, pois a autora levanta muitos pontos interessantes!!

    ResponderExcluir