Título Original: Confissões de um garoto tímido, nerd e (ligeiramente) apaixonado
Autora: Thalita Rebouças
Ano: 2017
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
AmazonSaraiva

Depois de um ano do lançamento do Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática, onde conhecemos a Tetê que de “pouco” dramática não tem nada, a Editora Arqueiro apostou novamente no sucesso de Thalita Rebouças para trazer a história de Davi com suas Confissões de um garoto tímido, nerd e (ligeiramente) apaixonado.
Além de tudo o que esse título revela sobre o Davi, ele é um menino muito reservado que perdeu os pais na infância e mora com a avó e o irmão mais velho em Copacabana. O livro se passa um tempo depois do falecimento do seu avô, a quem ele era muito ligado e que inclusive influenciou bastante o seu vocabulário rebuscado. Apesar de ser um amante da ciência, Davi resolveu começar um curso de astrologia e talvez ele esteja ficando ligeiramente apaixonado por uma colega de curso. Mas como saber se é paixão ou cilada, ainda mais ele que tem zero experiência com relacionamentos?
Alguns personagens novos entram na história. Caio é um novo aluno do colégio que recebeu ótimas recomendações do Erick – o atleta queridinho. Mas Zeca, o amigo gay de Tetê e Davi e agora blogueiro, não coloca a mão no fogo por esse menino. Já Samantha traz um amigo muito “giro” de Portugal para passar um tempo na sua casa e causa um certo alvoroço entre os colegas. No meio disso tudo, Davi faz algumas análises astrológicas dos amigos e, claro, começa a descobrir os temores e alegrias do primeiro amor. 

“Querido, quem precisa definir a gente são os outros, para nos entender. Esse problema é deles! A gente só precisa sentir o que a gente sente! E ser o que a gente é! Não precisamos de definições sobre o que somos para viver coisas boas.”

Apesar das duas histórias terem uma ligação. Afinal, Davi é um dos melhores amigos da Tetê, o único verdadeiro spoiler que temos na história é com quem a Tetê ficou no final do primeiro livro. E como eu não gostei muito do primeiro livro, eu sou do time que recomenda fortemente pular logo para o Confissões de um garoto.
A resenha que temos aqui no Estante Diagonal do primeiro livro (lembrando que não é exatamente uma continuação) foi feita pela Raíssa. Mas eu também li o Confissões de uma garota e tive sérios problemas em gostar da Tetê. Eu fiquei muito incomodada pelas meninas terem sido retratadas de modo geral como egoístas que querem sempre roubar o namorado da outra. Sem contar a série de xingamentos feitos, um manual de mão cheia anti-sororidade. No final, não achei que teve uma grande resolução para os problemas e foi muito corrido. Enfim, eu senti que o livro não me acrescentou em nada, além de algumas risadas.

A situação mudou completamente com o livro do Davi – talvez pelo fato de termos o mesmo signo, não sei (brincadeira). A Thalita realmente se aprofundou mais na temática desse livro que traz tanto as questões do primeiro amor e toda a insegurança que envolve essa fase da vida de qualquer adolescente, como outro tema que não posso revelar, porque a autora pediu segredo no final do livro. Então, você terá que ler para descobrir! (Olha a maldade do escorpiano falando mais alto). 
O livro só não foi totalmente perfeito para mim, porque não consigo gostar de como as personagens femininas são retratadas pela autora nos dois livros. Mais uma vez as personagens se mostraram egoístas e a frase “chata para namorar”, ou coisa do gênero, foi repetida em algumas páginas. No entanto, diferente do Confissões de uma garota, eu quase chorei mais de uma vez com as confissões do Davi e senti que leitura realmente me agregou algo. Como eu disse, talvez seja porque somos do mesmo signo.


Confira também:
1. Confissões de uma garota excluída, mal amada e (um pouco) dramática

rela
ciona
dos