Título Original: Heap House
Autor: Edward Carey
Ano: 2017
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 384
AmazonSaraiva
Clod é um garoto de 15 anos que vive nos Cúmulos, um lugar afastado de Londres onde objetos são descartados (em outras palavras, um lixão). Mas diferente do que se pode imaginar, a família Iremonger, a qual garoto faz parte, é muito rica. Na realidade, ele vive em uma mansão enorme que é um aglomerado arquitetônico de várias construções londrinas.

Na Heap House, todos os moradores recebem um objeto de nascença e pode ser qualquer coisa. O Clod, por exemplo, recebeu um tampão de ralos que usa com uma corrente, como se fosse um relógio de bolso. A partir do momento que a pessoa recebe esse objeto deve mantê-lo sempre próximo. O problema é que Clod consegue ouvir os objetos e eles estão falando nomes. Apesar de ser super normal alguém carregar por aí uma torneira de água nessa história, não é nada normal ouvir objetos falando. 
Apesar de não receber muito destaque na capa ou mesmo na sinopse apresentada no livro, a história conta com outra personagem principal muito importante, Lucy Pennant. Ela é uma garota órfã que acaba sendo levada para Heap House por ser uma Iremonger. Todos os empregados precisam ter algum laço de sangue com a família, nem que seja algum parente muito distante. A partir do mome to que eles passam a trabalhar na casa, eles perdem completamente as suas identidades e todos são chamados de Iremonger.

“Recolhemos e amamos, com grande paixão, enferrujado e esgarçado, fedorento, feio, venenoso, inútil, descartado. Não há amor maior do que o dos Iremonger pelas coisas rejeitadas.”

Lucy é uma garota de personalidade forte e simplesmente deixar de ser Lucy para ser mais uma Iremonger qualquer não está nos seus planos. Essa família guarda muitos segredos que estão prestes a serem revelados e Clod e Lucy serão os principais responsáveis por desvendar “O Segredo de Heap House” (leia com uma voz sonora meio macabra).
A história começa de maneira bem simples introduzindo o leitor as estranhezas que se escondem nas quase quatrocentas páginas e nos milhares de cômodos dessa mansão. A narrativa é feita em primeira pessoa e é basicamente alternada entre Clod e Lucy. Em alguns capítulos, outros personagens pontuais também contam a história a sua maneira. Do meio para o final, encontramos capítulos recheados de mistérios e bastante ação. Edward Carey fecha o livro com um final surpreendente aguçando a curiosidade para os próximos – esse livro faz parte da trilogia “Crônicas da Família Iremonger“.

Eu não sei se foi a intenção do autor, mas em alguns momentos do livro eu entrei em um loop infinito questionando possíveis críticas feitas por ele sobre a nossa sociedade. Acho que um dos pontos mais claros seria como determinadas condições de trabalho podem descaracterizar um indivíduo. E as castas? O Iremongers que não eram puro sangue estavam condenados a serem serviçais para o resto da vida. Também questionei bastante a relação que temos com os objetos como sociedade, onde tudo é descartável, inclusive pessoas. Enfim, esses não são temas centrais do livro, nem sei se Carey estava realmente falando dessas coisas, mas foram pensamentos e ideias que surgiram na minha cabeça durante a leitura.

“Eles pertencem a um tempo no qual os objetos de nascença eram coisas bonitas. Nada de escovas, tinteiros, papel mata-borrão nem desentupidores de pia, mas olifantes esculpidos em marfim e esferas armilares e pássaros mecânicos e patas de elefantes. Mas isso não acontece mais porque Vovó diz que precisamos de objetos do cotidiano, já que vivemos em uma era utilitária.”

O acabamento do livro é bem simples, mas as ilustrações feitas pelo próprio autor dão um toque ainda mais singular a obra. Cada capitulo é introduzido com um página totalmente preta e ao virar encontramos uma das figuras que vivem na Heap House. Não saber o que irá encontrar na próxima página e os traços “macabrinhos” dos desenhos do Carey, dão ainda mais emoção para leitura. Para quem curte um mapa, logo no começo e no final do livro, encontramos a planta da mansão que mais parece um labirinto e dá uma noção melhor de como é a casa. 
Eu terminei o livro totalmente encantada por tudo que foi apresentado. Apesar dessa resenha enorme, eu não falei nem metade do que você pode encontrar nesse livro. Eu amei os personagens principais e recomendo para leitores de todas as idades. Mesmo que a priori dele seja um infanto-juvenil. Inclusive, acho que ele é um bom exemplo para desmistificar que infantos-juvenis de fantasia não podem ser profundos e belos – mesmo que ainda assim estranhos.


rela
ciona
dos