Resenha: Big Rock

02 jul, 2017 Por Joi Cardoso

Título Original: Big Rock
Autora: Lauren Blakely
Ano: 2017
Editora: Faro Editorial
Páginas: 224
AmazonSaraiva

Big Rock é um lançamento de 2017 da editora Faro Editorial e primeiro da autora Lauren Blakely lançado no Brasil.
Sem dúvidas, Big Rock é o típico exemplo que um livro não necessariamente precisa ter o enredo mais profundo ou passar a mensagem mais significativa. O modo divertido como o enredo se desenrola, moldado a franqueza e personalidade do protagonista é o que realmente importa e que desperta as melhores impressões no leitor. Primeiramente teremos algo incomum e até inovador dentro do gênero, mas claro que estou afirmando isso baseado apenas a minha bagagem literária. A história será contada pelo ponto de vista masculino e com isso seguiremos numa viagem sem volta ao universo dos homens, mergulhar em seus pensamentos sórdidos e nos divertir com cada tirada cômica.
Spencer Holiday é um homem bem-sucedido e solteiro convicto. Após enriquecer com a venda de um aplicativo de relacionamentos, agora ele é sócio de sua melhor amiga Charllote de um dos bares mais frequentados de Nova York. Porém sua vida de playboy conquistador está com dias contados e ele precisa mudar seus hábitos de libertino mulherengo. Pelo menos por enquanto.

“Provavelmente vou ter que buscar ajuda médica para conseguir lidar com a quantidade gigantesca de atração que tenho por você. Vou pedir aos médicos para arrancarem de dentro de mim eles vão me responder: ‘Sentimos muito, senhor, mas tomou conta de todo o seu corpo e não pode ser eliminado.'”

Seu pai está envolvido na venda multimilionária da rede de joalherias da família, a Katherine’s. O Sr. Offerman é o comprador interessado, mas a reputação de Spencer poderá afetar a negociação. Offerman é extremamente conservador e para que ele não perca o interesse na compra, Spencer precisa demonstrar uma verdadeira aparência de virtude e respeito, um empresário de sucesso que nunca recebeu a condição de “famoso playboy de Nova York“. Logo na primeira reunião de negócios e muito afim de impressionar, Spencer acaba falando demais e acaba inventando um noivado com Charlotte e agora ele precisa convence-la de manter a mentira até que o contrato seja assinado. O verdadeiro problema se revela quando Spencer percebe que conviver com Charlotte pelos próximos 15 dias pode despertar nele um sentimento completamente novo.
Big Rock é que este livro incrivelmente divertido. Foram muitas as cenas em que me vi rindo com as aventuras de Spencer, seus pensamentos e comentários típicos de homens, ainda mais de um solteiro e conquistador como ele. A personalidade e o modo como Spencer é confiante consigo mesmo em relação as mulheres rende ao leitor diálogos inteligentes e muito divertidos. É impossível segurar o riso.

Spencer é hilário e dono de um ego enorme. Seu jeito convencido também é encantador. Ele sabe dos seus dotes físicos e os usa para conseguir o que quer. A narrativa feita em primeira pessoa proporciona uma quebra da quarta parede em algumas passagens. Esta conversa direta com o editor rende ótimas cenas e nos envolve completamente com os dramas e confusões do personagem. Por vezes tive a sensação de estar tendo uma conversa franca com um amigo. Charlotte por sua vez foge de muitos estereótipos em personagens femininas que já vi em situações semelhantes e apesar de suas inseguranças ao longo do livro, aqui ela também tira proveito da situação em prol dos seus interesses. Ela é arrasadora e sabe o que quer, eu a adorei, juntos então eles são perfeitos, pura química e sensualidade além de demonstrarem uma grande amizade e respeito um pelo outro.

Lauren Blakely conquista o leitor por criar um personagem que tem um certo domínio pelo universo feminino. O melhor de tudo isso é ver que Spencer não precisa ser um esnobe CEO, com uma família desestrutura e nem apresentar uma grande problemática para ser um típico conquistador bom de cama. Ele até brinca com isso, o que é o máximo! Logo nas primeiras páginas a autora já desconstrói aquela imagem de protagonistas masculinos em new adults. Desta forma é impossível não se identificar com muitas das divagações de Spencer ao longo da leitura.

“O corpo de Charllote é como água e também como fogo. Ela é todos os elementos, uma mulher por inteiro, vulnerável e forte ao mesmo tempo, transbordando feminilidade.”

Big Rock é uma comédia romântica leve, curtinha, com algumas cenas mais sensuais, porém também nada exagerado. Um livro gostoso de ler por sua história apaixonante, mas que também se preocupa em trazer questionamentos sobre a importância da amizade, do companheirismo e acima de tudo, família e sinceridade. Aqui teremos um pequeno vislumbre sobre os pais de Spencer e de sua irmã mais nova Harper, ela vai ser uma das protagonistas do próximo livro da autora. Mister O também vai sair pela Faro Editorial e eu não poderia estar mais ansiosa por esta leitura.

Quanto a edição do livro eu só tenho elogios. As páginas com a gramatura mais grossa, faz com que o livro aparente ser mais longo do que realmente é, mas está história tem apenas 224 páginas e correm rápido devido a narrativa fluida da autora. Eu sinceramente adoro livros assim, aqueles que você termina a leitura e nem percebe. A editora manteve a capa original e a diagramação está muito boa, de fácil manuseio e leitura. Adorei Big Rock e está recomendadíssimo, eu garanto que está leitura vai valer por cada página.

Confira a série Big Rock:
1. Big Rock
2. Mister O

rela
ciona
dos