A vida não deveria ser tão frágil. E a perda deveria ser mais fácil de superar. Tegan tem vivido os piores momentos de sua vida, sua dor é tanta que não existe uma maneira simples de lidar com ela. Como pode o que era perfeito, quase como um sonho, se transformar em um verdadeiro pesadelo de um segundo para o outro?

Por mais que tente, que reflita e insista, sua capacidade de encontrar uma resposta para isso, parece cada vez mais distante. O que a tem tornado refém não é apenas o luto, são as lembranças daquela trágica noite em que lhe foi roubado seu bem mais precioso, a tornando um ser amargo, frustrado, devastado e por vezes furioso. A tristeza a atormenta, a torna depressiva e é totalmente compreensível, porém a raiva, essa não tem como controlar, a domina e quando se torna ciente, só se revela ainda mais cruel. O alvo de sua dor, é Gabe, seu marido amado, mas também o responsável por todo seu sofrimento.

Como você explica a alguém que, se pudesse, abriria o próprio peito e jogaria as cinzas ali dentro para elas poderem descansar para sempre junto ao seu coração? Como um cobertor para diminuir o frio do pesar. É impossível explicar, então você não explica.

Era para ser um natal especial, um jantar na casa da família de seu marido, porém, uma tragédia acontece e rouba de Tegan seu grande sonho – ela perde o filho. Por mais que tente lidar com a perda, com o luto, dia após dia, seu sofrimento parece aumentar, assim como sua raiva por Gabe, que era quem estava dirigindo.

Nada mais parece certo, fazer sentido, e a dor ameaça consumi-la a cada segundo, até que um ato impulso faz com que compreenda a dimensão de seu problema, e Gabe que já não suporta e não tem mais meios para tirá-la deste desequilíbrio, traz a tona um “pote” dos desejos, algo que construíram juntos, planos para um futuro que nunca chegou, mas que agora poderia ser o momento perfeito para realizar. E é assim, que em meio a relutância e recordações lindas que partem em busca de cura, libertação, superação, e quem sabe… um recomeço.

Eu li Vem Comigo a mais ou menos uma semana e ainda não fui capaz de absorver as muitas emoções que a história fervilhou dentro de mim. Tegan é uma mulher que está devastada pela dor, cega por sua perda e luto, inconformada com o rumo que sua vida acabou tomando. É como se o mundo a tivesse dado uma rasteira, roubando seus sorrisos, sua alegria, sonhos, amor e vontade de viver.

Tudo ganhou um gosto amargo e ácido, o que antes era colorido se transformou em cinza e mesmo após meses nada foi digerido, suas emoções seguem a flor da pele, os pesadelos não tem fim e tudo que ela mais quer é voltar a respirar, ter um momento de paz e tranquilidade. Talvez esquecer aquela noite cruel e tudo que ela tomou. Porém, parafraseando William Shakespeare “Não importa em quantos pedaços o seu coração foi partido, o mundo não para, para que você o concerte.” E ela precisa lidar ou vai sucumbir, e é somente por essa razão que ela encontra forças para aceitar o conselho de Gabe e viajar em busca de novas lembranças, talvez encontrar uma cura, uma libertação de agonia.

Cada destino vai revelando mais sobre esse jovem casal, seus sonhos, suas esperanças, seus desejos. E ao virar das páginas começamos a vislumbrar um pouco mais de como eram antes de tudo acontecer e torcemos vorazmente por uma reconciliação, reaproximação e nada nos prepara para o que vamos encontrar.

Tento afastar a amargura da voz, mas não consigo. O oscilar das emoções ainda me surpreende. Ou talvez seja mais uma questão de como é rápido ir de estar me sentindo bem, até mesmo conseguindo rir de uma piada, a me sentir triste e com raiva. É como se eu fosse um navio em meio a uma tormenta feroz — o balançar de um lado para o outro, extremo e alarmante.

Vem Comigo é intenso, doloroso e comovente. O tipo de enredo que marca, que deixa nosso coração pequenininho, cheio de reflexões e emoções a mil. Eu amei! Amei acompanhar cada passo desses personagens e suas lutas. Amei desvendar suas qualidades e defeitos, senti-los tão próximos, porque a narrativa da autora nos proporciona essa intimidade, ela torna o enredo verossímil, palpável… é tudo muito cru, exposto, uma ferida que está aberta e que vai cicatrizar junto ao leitor.

A cada página vamos nos dando conta de que não há garantias sobre um final feliz, sobre o que está por vir e isso torna a leitura ainda mais eletrizante e viciante. Em meio a cenários de roubar o fôlego, com uma narrativa fluida e envolvente – ainda que tenha momentos densos -, se prepare para se apaixonar, se emocionar, chorar muito e se comover com essa linda história de amor e perda.


Título Original: Come Away With Me
Autora: Karma Brown
Tradução: Mauricio Tamboni
Ano: 2019
Editora: Verus Editora
Páginas: 305
Amazon

rela
ciona
dos