Criado por: Ronald D. Moore

Com: Caitriona Balfe, Sam Heughan, Tobias Menzies
Gênero: Fantasia, Histórico, Ficção científica, Romance
Duração: 16 episódios – 42 minutos
Lançamento: 2014

Outlander, sem dúvidas nenhuma entrou para o meu hall de séries queridinhas. Nesta, assim como em Game of Thrones eu comecei do avesso, não sei dizer que se é pelas obras originais me intimidarem, mas a verdade é que sou completamente apaixonada por estes dois mundos tão diferentes. Conheci a obra primeiro através da blogosfera, mas resolvi primeiro, me aventurar pela série de TV.

Inspirada pela obra de Diana Gabaldon, Outlander contará a história de uma viajante no tempo. Parece maluco, mas não é, pelo contrário, é uma história além da magia. Em 1945, Claire Randall (Caitriona Balfe) serviu como enfermeira nas linhas de frente na Segunda Guerra Mundial e durante 6 anos ela ficou afastada de seu marido Frank Randall (Tobias Menzies). Após o final da guerra o casal resolve viajar para a Escócia para uma segunda lua de mel, e se reaproximarem como um casal depois de tanto tempo separados.

Seu marido Frank, é um historiador e aproveita a viagem para visitar marcos históricos da região e também, ir em busca de documentos de seus antepassados. Em umas dessas viagens, em um misterioso círculo de pedras localizada em Inverness, Claire presencia um ritual de druidesas e automaticamente se sente atraída por isso. No dia seguinte neste mesmo lugar, inexplicavelmente, Claire é transportada no tempo em 200 anos. De volta ao ano de 1743, Claire agora está em uma Escócia violenta e envolvida aos levantes Jacobitas, rebeliões entre a Escócia e a Inglaterra.
Ela chega no meio de um combate entre um grupo escoceses e ingleses, e nestes conflitos, Claire conhece Jamie Frasser (Sam Heughan), um jovem guerreiro escocês e também Jonathan “blackjack” Randall (Tobias Menzies), que posteriormente descobre ser um antepassado de seu marido. Agora, Claire está exposta a intrigas, perigos e ameaças e sua vida passa a correr riscos que desconhece. Para se manter viva e em segurança ela terá que ceder a muitas barreiras, inclusive aquelas que protegem seu coração.

A história de Outlander te envolve de uma tal maneira que chega a ser difícil expor nesta resenha, são vários os fatores que te prendem. É o contexto histórico bem desenvolvido. O paralelo que a autora e os roteiristas conseguiram ao mesclar a ficção com os fatos históricos. Os jogos políticos e convenientes que são totalmente presente e imprescindíveis no enredo. As paisagens belíssimas, a fotografia, a clareza dos costumes e tradições da época. A trilha sonora encantadora. A construção dos personagens e principalmente a evolução deles durante a série. Por fim, também todo o dilema que Claire vive, conforme sua estadia no ‘passado” pode ser definitiva.

No meio de toda esta loucura, no meio de combates e com o privilégio de saber o que vai acontecer na história, Claire tem o poder de se proteger ou de se encrencar ainda mais, paralelamente vamos vivenciando o seu impasse de continuar fiel ao seu marido que a tem como desaparecida no passado ou se render ao seu atual presente. Sem alternativas, não há como julgá-la quanto a isso, mas é claro que isso terá consequências e algumas abalarão consideravelmente o seu coração e a história. Seria possível estar dividida pela sua vida antiga e a nova? Entre duas vidas que jamais poderiam ser conciliadas? E se o seu futuro fosse o passado? Como lidar com esta nova realidade? Veja e descubra!

Apenas na estreia do seu primeiro episódio, a série garantiu sua renovação para uma segunda e terceira temporada, o que prova o quão a exibição da série foi bem trabalha, e ela como um todo é grandiosa. É um episódio melhor que o outro, e um mais envolvente que o outro. Eu dei muitas risadas com a inocência de Jaime, mas também suspirei pelo homem que é, torci pela bravura de Claire, odiei Jack com todas as minhas forças e chorei em muitas das cenas injustas. É impossível não querer mais assim que se finaliza a série, mas já aviso, preparem-se, ela é para quem tem coração forte e gosta de grandes emoções.

Por fim, deixo uma curiosidade sobre os atores. Por muitas cenas me questionei sobre a química e a intimidade que os protagonistas partilhavam, foi quando descobri que há rumores que a atriz e modelo Caitriona Balfe namora com o querido Sam Heughan, tem coisa mais fofa? Só nos resta torcer que este relacionamento não acabe e consequentemente não mele com o casal da série né?! Me resta apenas indicar Outlander, e depois de assistirem se rendam ao livro, assim como estou fazendo no momento, não deixem que os números de páginas te intimidem, pois se a série é inspirada no livro, cada página vai valer a pena.


rela
ciona
dos