Resenha: Serafina e A Capa Preta

Título Original: Serafina and the Black Cloak - Serafina #1
Autor: Robert Beatty
Ano: 2018
Editora: Valentina
Páginas: 240
Amazon - Saraiva

Serafina e A Capa Preta, do autor Robert Beatty, é o primeiro de uma trilogia lançada aqui no Brasil pela Editora Valentina.

Neste livro conheceremos Serafina, uma peculiar garotinha de 12 anos que vive, juntamente com seu pai, escondida no porão da Mansão Biltmore. O motivo de viver escondida é simples, Serafina é diferente das outras crianças, ela é ágil, enxerga no escuro, é uma ótima caçadora e possui pequenas garras em suas mãos. Apesar disso, ela vive bem, pois consegue explorar toda Biltmore a noite sem ser descoberta, uma das promessas que fizera ao seu pai, que é extremamente protetor. Porém, a tranquilidade de Serafina está prestes a acabar pois as crianças da mansão, misteriosamente, começam a sumir. 

Serafina sabe que um estranho homem vestido com uma capa preta espreita os corredores escuros da mansão Biltmore, pois ela mesma quase foi uma das vítimas desse monstro. Agora, usando de suas habilidades, ela irá tentar proteger o próximo alvo deste horripilante homem, Braeden Vanderbilt, sobrinho órfão dos donos de Biltmore. Serafina está disposta a proteger o menino, nem que para isso ela precise revelar a todos da mansão a sua existência.

A leitura de Serafina e A Capa Preta é muito rápida. Por ser uma história mais direcionada ao público infantojuvenil, a trama objetiva do autor e a narrativa de fácil compreensão, estimula o leitor a continuar a leitura sem interrupções até que o livro acabe. Sem muitas delongas, o ritmo dos acontecimentos não atrapalha no andamento, nem mesmo passa a impressão de ser corrida demais. Está aí um dos pontos fortes do livro.



Pouco a pouco, o autor vai dando voz aos outros personagens da história e mesmo que não sejam o foco da trama, há espaço para que o leitor entenda o que está acontecendo nesta mansão e entenda pelo tempo suficiente quem são cada uma daquelas pessoas envolvidas nos desaparecimentos das crianças. Com estes detalhes é possível que criemos nossos primeiros palpites de quem está por trás da misteriosa capa preta e do porquê esta pessoa estar fazendo isso.

Outro ponto forte do livro é que a personagem age como uma criança de 12 anos e apesar da pouca idade da protagonista, eu amei cada decisão de Serafina no livro. Ela é uma personagem que sabe que é diferente, que sabe que tem algo de especial e ela, mesmo sabendo de todo receio do pai, não pensa duas vezes quando precisa ajudar um amigo. Ela é uma personagem bastante questionadora, que diante os perigos que espreitam a mansão, e a floresta que cerca Biltmore, acaba deixando que a coragem acabe falando mais alto, possibilitando então, que ela vá em busca de respostas. Em meio sua jornada, a personagem evolui, amadurece e conhece mais de si mesma e do mundo que está a sua volta. Todas estas descobertas são incríveis na história. 

Serafina e A Capa Preta possui alguns elementos mágicos, então se você curte uma fantasia com um enredo mais leve, provavelmente vai se encantar com as aventuras de Serafina. O enredo que começa simples, vai ganhando forma e ao final eu tenho certeza que você se sentirá surpreso pelo universo que o autor acaba lhe apresentando, que é cheio de possibilidades. É uma história que cumpre seu papel, que é regado de mistério, suspense e de seus momentos mais sombrios também, mas tudo isso é muito bem equilibrado pela essência curiosa e valente de Serafina.



Uma curiosidade que queria trazer para vocês e que me surpreendeu bastante é que a Mansão Biltmore realmente existe e essa grande construção serviu como base e inspiração para que o autor criasse sua história. O local inclusive é aberto à visitação e se localiza em Asheville, em Carolina do Norte, então, diversas passagens do livro e detalhes que o autor dá de lugares em específico são reais, assim como a citação de alguns personagens históricos da família Vanderbilt. A trama criada por Robert Beatty se passa em 1899, quatro anos depois que a verdadeira mansão fora finalizada.

Este primeiro livro, apesar de possuir um início, meio e fim, deixa as portas abertas para novas aventuras de Serafina, que cada vez mais está se descobrindo. O próximo volume, de nome original Serafina and the Twisted Staff, promete abrir novos rumos para Serafina, que buscará mais sobre os segredos de suas origens e habilidades. Fica aqui a minha recomendação para esta leitura, este é o típico livro que pode te tirar de uma ressaca e que pode também servir como primeira experiência para quem deseja adentrar no mundo das fantasias.

13 comentários

  1. Oi, Joi.

    Esse livro chamou a minha atenção rapidamente, por ter esse mistério no ar.

    Mesmo sob circunstâncias perigosas, talvez movida pela curiosidade, a Serafina tem a sua importância na história por, através dela, a identidade e os mistérios envolvendo o tal homem, virem à tona.

    Tudo isso, provoca no leitor a curiosidade em saber o desfecho dos mistérios e em como tudo vai acabar.

    ResponderExcluir
  2. Adoro os livros infanto juvenis e faço questão de sempre intercalar um leitura mais leve à minha fila!
    Serafina me lembra muito o roteiro de Coraline, apesar de algumas diferenças, os dois cenários trazem meninas espertas que se aventuram em busca de algo.
    Adorei saber sobre a mansão, apesar de já ter lido tantas resenhas deste livro, nenhuma havia mencionado isso!
    E o fato dela ter alguns poderes também leva a leitura a outro nível!
    Espero poder ler em breve.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi Joi,
    Quase não leio infanto-juvenil, mas adoro receber indicações de livros do gênero. Serafina e a Capa Preta foi muito bem comentado ao ser lançado no Brasil e isso me deixou bem interessada em conhecer esta história. A curiosidade de uma criança é algo tão grande, que as vezes, ela não vê perigo em nada e Serafina vai deixar que a sua prevaleça nesta caçada do tal homem misterioso, o que irá dar início a esta aventura tão promissora. O mistério óbvio é algo de destaque na trama, mas também vi nela elementos de grande importância para a história, como a confidência entre pai e filha e as amizades que irão cruzar o caminho da protagonista. A capa do livro chama atenção e é mais um ponto a favor para me fazer querer ler este livro.

    ResponderExcluir
  4. Esse livro tem a capa tão lindinha e a história também parece ser bem bacana. Já tinha lido algumas resenhas desse livro e fiquei curiosa para conhecer Serafina, pois apesar de ainda ser criança, ela tem um grande coração e fará de tudo para solucionar o mistério do homem da capa preta, a trama traz uma aventura e tanto!!

    ResponderExcluir
  5. Olá, a obra parece ser perfeita para quem quer ler algo rápido e leve, mas que tenha um pouco de elementos sobrenaturais. Serafina é aquele clássico estereótipo infantil que busca resolver todos os mistérios, mas a caracterização da personagem parece não deixar a desejar. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Adoro livro infanto-juvenil e com fantasia fica melhor ainda, a personagem parece que agrada e muito o leitor, a trama parece instigante com esse mistério do desaparecimento das crianças, deve deixar o leitor ansiosa para saber o que acontece nessa mansão, achei legal que o local existe na realidade deixa a historia mais atraente.

    ResponderExcluir
  7. Oi Joi!
    Ganhei um marcador desse livro e estava louca para saber do que se tratava a história. Primeira resenha que leio sobre ele, fiquei muito interessada, me lembrou muito o estilo de Coraline. Gosto muito de livros de fantasia, acho que vou curtir esse.
    Será que vai demorar muito para lançarem o proximo aqui no Brasil?

    ResponderExcluir
  8. Essa capa é a coisa mais linda com essas cores fortes que chamam a atenção. Que fofa a Serafina querendo proteger e ajudar um amigo. Tenho grande vontade em ler o livro principalmente porque Serafina me conquistou com seu jeitinho e quero saber quantas descobertas mais haverá nessa aventura.

    ResponderExcluir
  9. An-nyong-se-ha-yo!
    Me senti interessada em começar a ler esta trilogia, principalmente por parecer uma leitura leve e fácil (tô precisando disso nos meu dias rs).
    A capa tá lindona também!
    Beijãooo!

    ResponderExcluir
  10. Joi estou mto interessada nesse livro, pelo que acompanhei o enredo agradou bastante leitores o que aumenta minha vontade de ler.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Já havia visto resenha deste livro e achei bem legal, mas não sabia que ele tinha sido inspirado em uma mansão real! Que bacana!
    Tb não sabia que seria uma trilogia, s ejá tinha visto não lembrava...hahaha

    ResponderExcluir
  12. Neste segundo volume de sua trilogia de inspiração autobiográfica, Benedito Celso prossegue a história da família Couto, centrando a narrativa nas aventuras, fantasias e amores de Tuta, o filho caçula de Coutinho e Ordália, cuja história foi relatada em Inhaúma. A história se inicia após a mudança da família de sitiantes para a pequena cidade de Cruz das Almas, que coincide com o início da adolescência de Tuta, e estende-se até a mudança deste para a capital do estado, onde iria buscar sua realização profissional uma vez concluídas as opções de estudos na pequena cidade interiorana. No relato, vê-se o amadurecimento do protagonista, que em suas caminhadas pelas ruas da cidade, entre amigos reais e imaginários, entre fatos cotidianos e sobrenaturais, reflete sobre a vida e atravessa os anos da adolescência em busca de sua grande meta: fazer a faculdade na capital – ainda que nem sempre a vida lhe facilitasse a conclusão de seus planos pelo caminho mais curto.
    Baixe este livro gratuitamente, pela Editora Pontocom - http://www.editorapontocom.com.br/l/50/Tuta

    ResponderExcluir
  13. Nossa Joice, esse livro é a minha cara. A editora Valentina caprichou nesse livro. Após ler a resenha, fiquei muito interessado em ler a obra.

    Gustavo Barbera

    http://www.leituraenigmatica.com

    ResponderExcluir