Sob Águas Escuras | Robert Bryndza

Título Original: Dark Water - Detective Erika Foster #3
Autor: Robert Bryndza
Ano: 2018
Editora: Gutenberg
Páginas: 322

A detetive Erika Foster está de volta, no terceiro livro da sua saga, iniciada por A Garota no Gelo e seguida por Uma Sombra na Escuridão, ela terá que desvendar um crime ocorrido há mais de 20 anos e que somente agora, durante uma outra investigação, o corpo da vítima fora encontrado. Uma garota de apenas sete anos chamada Jessica Foster.

O livro inicia já na cena em que o corpo será encontrado, sem perder tempo com coisas menos importantes sobre a evolução da vida da personagem principal, o que deixa a trama bem mais direta, fazendo o leitor ficar preso a ela logo nos primeiros instantes. Para quem acompanha a série, desde o primeiro livro sabe toda a tônica de machismo e todas as batalhas que a detetive precisa enfrentar depois de ter presenciado a morte do marido, que também era policial. O mesmo morreu em uma ação elaborada por ela, ainda não contada de maneira clara nos livros. 

Erika evolui junto com seus livros e acompanhar essa evolução é maravilhoso, isso fica claro tanto na parte profissional como na parte pessoal também, a detetive, antes questionada, agora passa a ser a chefe principal de um caso desafiador. A mulher que virara reclusa depois da morte do marido, agora passa a se interessar por alguém, o seu psicológico, antes, frágil e suas inseguranças, passam a sumir e aos poucos ela vai se sentindo cada vez mais forte, ganhando um empoderamento extremamente cativante.

"Não sou uma policial de carreira. Me dedico totalmente aos meus casos. Uma garota vulnerável de sete anos desapareceu e alguém a jogou como um saco de lixo naquela pedreira. Quero encontrar quem fez isso. Quero justiça para Jessica. Quero que a família dela possa seguir em frente e vivenciar o luto."

Sob Águas Escuras tem uma linguagem muita boa, não é cansativo de ler e cada vez que você o pega fica com vontade de não soltar mais, já que a leitura é muito bem desenvolvida. Sinto falta nos livros do autor apenas de mais ação, ele foca muito em investigações, na parte da inteligência policial e psicológica. Mesmo que em algumas partes até exista um pouco de ação, mortes e sexo, ele não as descreve da maneira que eu gostaria, passando ao leitor apenas o resultado do que aconteceu. 

Um exemplo disso é quando um personagem é assassinado. Ele não descreve a cena do assassino chegando com a arma e indo em direção à sua vítima, se detém a esmiuçar como o corpo e o local estavam no momento da chegada da polícia. A mesma coisa acontece em cenas de sexo, quando dois personagens acabam na cama, ele deixa um hiato de tempo entre as pessoas se encontrando e acordando abraçadas no outro dia. 

Acho que na parte sexual do caso, a maneira como ele escreve me agrada, ele não precisa erotizar o livro para descrever o sentimento que passa na cabeça de cada personagem. Da maneira como ele se expressa nas páginas, fica claro o que aquele ato significou para cada pessoa, porém, na parte de ação dos casos isso me desagrada, já que gosto de livros com bastante ação e detalhes minuciosos de cada tiro disparado, mas enfim isso é apenas uma preferência minha.

Os capítulos são em sua maioria narrando as ações da detetive e da polícia na investigação principal, porém em alguns existem a narração de um homem misterioso, que visivelmente quer atrapalhar a empreitada de Foster. Não fica claro quem ele seria, nem o motivo de estar fazendo aquilo, somente no final da trama. O que é uma jogada com o leitor muito legal. A estruturação da obra é muito boa, em nenhum momento a investigação descobre algo por acaso ou sem explicação, todos os atos são plausíveis e com uma cronologia muito correta, nada no livro é questionável e o final dele é muito surpreendente.

A Detetive Foster já possui mais três volumes lançados sobre suas aventuras. A cronologia da obra não é tão importante, não existe nenhuma preparação para o volume seguinte no final dos livros, nem informações indispensáveis para a leitura dos seguintes, porém é nítido o crescimento de Erika como personagem, então se você deseja acompanhar bem o ganho de força de uma mulher em meio ao preconceito familiar, da sociedade e profissional, seria melhor ler na cronologia correta.

Torço demais para que os livros seguintes sejam lançados logo por aqui, Robert é um grande escritor, no estilo de Harlan Coben, ele torna uma personagem muito querida e cativa o leitor de maneira absurda. Espero que não tenhamos que aguardar durante anos para ver os demais volumes em nossas prateleiras.

Robert Bryndza ficou famoso com a série de livros de Coco Pinchard, que apesar de ser mais antigo que os livros da Detetive Foster ainda não foram lançado por aqui. Já bem-sucedido nos Estados Unidos, agora ele já conseguiu colocar seus livros entre os mais lidos do New York Times e começa a ter seus livros traduzidos para o Brasil pelo Grupo Autêntica

O autor se dispôs a criar uma saga policial e pelo seu estilo de escrita, que deixa mais espaço para a psique humana, conseguiu mais que isso, ele criou uma sequência de nítida vitória feminina perante a sociedade, falando de tudo com um mistério muito interessante, com cenas impactantes em uma trama que vai prender você do início ao fim. Venha conferir o crescimento de uma mulher em todos os sentidos, Erika Foster, hoje, é o melhor exemplo de personagem feminina em livros de suspense e mistério, você não pode deixar de conhece-la.

12 comentários

  1. Oi, Bruno,

    Por esse caso não ser devidamente solucionado - e ser reaberto -, o livro gera uma expectativa a mais em saber os reais motivos por trás desse assassinato, e o porque de ter ficado lacunas abertas.

    Um fato que eu gosto nos livros do Robert, é que o assassino está sempre à espreita, rondando a Erika.

    E, sem falar que, nos livros anteriores, eu super me apeguei à mesma. Acredito que vou gostar desse livro. A Erika é excepcional, tem um bom faro policial.

    ResponderExcluir
  2. Olá Bruno!
    Ainda não tive oportunidade de conhecer os livros do autor, ouvi falar muito em da escrita e da forma que ele desenvolve os enredos, espero ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Puxa, fico maluca quando leio algo sobre um livro do Robert! Terminei de ler recentemente A Garota no Gelo e não vejo a hora de poder dar sequência ao trabalho espetacular de Erika!
    O autor soube certinho como jogar o leitor em toda a investigação e aguçar esse lado de descobrir que todos temos.
    E outro ponto que eu adorei nas letras do autor, ele não joga um crime ali, simplesmente por jogar, sempre tem um passado, um trauma, uma história tanto na vítima, quanto no criminoso. E isso é fabuloso!
    Lerei com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Adoro um bom suspense e esse é daqueles ben elaborados. Gosto muito da parte psicológica de se analisar um crime, então iria adorar a leitura, é claro que a parte da ação também é boa, tendo um pouco dos dois ficaria melhor ainda!! A detetive tem uma grande personalidade, com certeza achará o assassino!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Bruno, achei a resenha muito boa e eu acho importante acompanhar o crescimento da personagem pra entendê-la e assim acho que teria que ler na ordem mesmo os casos sendo tratados de forma separada em cada livro. A capa está ótima e fiquei curiosa pra conhecer mais dessa série ;)

    ResponderExcluir
  6. Oi Bruno.
    Tenho muito interesse em ler essa série. Preciso ler urgentemente o primeiro livro e conhecer a história da detetive.
    Achei interessante a forma como o autor estrutura a narrativa. Acho que a presença de um narrador misterioso torna a leitura bem envolvente, pois o leitor fica com vontade de descobrir quem ele é.
    Espero ter a oportunidade de ler o livro logo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Vou dizer que esse livro não me chamou tanta atenção quando vi mais pelo estilo. Gosto de narrativas assim, mas não me animou tanto pra conhecer. Achei interessante isso da escrita, as pausas, o resultado. Fica legal assim, gosto quando fazem algo do tipo porque não fica enrolando demais. Esse estilo de escrita é bom e se ele tem umas coisas que lembram o Coben na criação de personagem é outra coisa que iria gostar se lesse. É bom quando umas tramas desse tipo tem bastante ação e aquela coisa que te deixa meio frenético na hora de ler, mas não ter isso também me anima, aí só tem que ver como é a história, o clima e essas coisas. Parece legal. Se acabar caindo em mãos até leio, mas no momento ainda não chamou tanta atenção mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Bruno
    Ainda não li nada do autor, mas espero ler logo.
    Acompanho essa série pelas resenhas e tenho certeza que vou amar, gosto muito de livros que tem investigação, crimes, suspense e muito mais.
    Li apenas duas resenhas deste livro e tenho muita curiosidade para saber quem cometeu o crime e porque, e se tem relação com o homem que aparece seguindo os passos da Erika e atrapalhando sua investigação.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Bruno!
    Infelizmente não li ainda nenhum dos livros da série, nem do autor.
    Mas gostei muito de todas suas observações sobre o mistério na resolução do caso que ninguém consegue desvendar, isso faz com que o leitor, sinta-se preso e conectado com a leitura.
    E entendo bem as ressalvas que fez em relação a ser algo complexo, mas não chegar a sentir essa complexidade.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  10. Olá Bruno,
    Quero muito conhecer a narrativa do autor Robert Bryndza, sou fã de suspense e adoro uma trama policial bem elaborada. Gostei de saber que a narrativa é ágil e de fácil leitura, onde a construção dos personagens e o acompanhamento do caso em si não é tão aprofundado, mas que não falta informações também.
    Estou curiosa para desvendar esse mistério juntamente com a detetive, mesmo já prevendo que não vou ser capaz de solucionar haha.
    Prefiro ler a série em ordem, então vou começar por A Garota no Gelo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Bruno,
    Já li o primeiro livro dessa série e gostei muito da escrita e da personagem principal criada pelo autor. Esse terceiro volume vai mexer mais com o emocional dos personagens, pois quando se envolve o desaparecimento e/ou assassinato de crianças o enredo sempre vai para um lado mais pesado e sentimental. Vai ter uma cobrança bem grande em cima de Erika Foster (e, provavelmente, muita dela imposta por ela mesma), pois o caso não poderá continuar sem solução. Achei legal que teremos mais da vida pessoal dela, como o relacionamento com o psicólogo. Estou bem curiosa com as sequências e não vejo a hora de lê-las.

    ResponderExcluir
  12. Também gosto de muita ação, mas gosto quando explica como tudo aconteceu. Mas quero muito ler essa série, esse volume parece ser viciante, daqueles que temos que saber ligo o final. A detetive não deixa a desejar isso faz com que o leitor goste mais dela.

    ResponderExcluir