São poucos os brasileiros que não conhecem a voz inconfundível do líder da banda Legião Urbana, Renato Russo. Morto em decorrência de complicações provocadas pela Aids, em outubro de 1996, Renato Russo é natural do Rio de Janeiro, mas com boa parte da sua história feita em Brasília. Na minha opinião, o cantor é o maior compositor da história do nosso país, tanto que até hoje, mais de 20 anos depois da sua morte, as músicas da Legião tocam nas rádios e são trilha sonora da vida de muitas pessoas, algumas das quais se quer eram nascidas antes da data de sua morte.
O líder do Legião Urbana sofria desde cedo com depressão, se sentia sozinho, a ponto de criar reportagens fictícias na sua infância, onde se dizia vocalista de uma grande banda. Falava inglês fluentemente, tinha dinheiro e muitos vícios, mas uma capacidade indescritível de escrever, sejam músicas, cartas e inclusive trechos de livros.
Renato se sentia sozinho e precisava extrapolar seus sentimentos e eles apareciam em forma de letras. Enquanto não estava escrevendo músicas acabava escrevendo sobre outras coisas, um desses
passatempos escritos de Renato se trata de um compilado de cadernos onde ele escrevia seus compromissos, anotações em geral e principalmente listas! Sim, listas, muitas, das mais variadas possíveis, desde filmes que ele deveria ver, passando pelos melhores livros que havia lido naquele ano, incluindo atuação de consagrados atores de cinema.

Em O Livro das Listas, Sofia Mariutti e Tarso de Melo organizam os diários de Renato, mostrando mais de 60 listas criadas ao longo de três décadas, explorando o final de adolescência até os últimos dias do gênio da música brasileira. Além de organizar as listas, os coautores ainda fazem comentários sobre diversos nomes listados por Renato, dando a noção histórica do momento no qual aquele nome foi posto na lista, além de falar sobre a importância daquilo na vida de Renato e de o provável motivo de aqueles filmes, músicas ou livros estarem presentes nas listas.

A edição é perfeita, traz anotações de próprio punho feitas pelo cantor em quase todas as listas, conta com diversas fotos dos personagens citados e a sua capa e diagramação são iguais a de um caderno normal, o que eu achei maravilhoso. Minha única ressalva é que podíamos ter uma sessão com fotos das anotações reais, de como eram esses cadernos e de o que mais havia neles, algo como a Darkside fez com Casos de Família da Ilana Casoy, que tem um trabalho gráfico muito semelhante com este.
A obra de Renato Russo é tão extensa e ele escrevia tanto, que inclusive algumas de suas músicas já viraram até filme e curta. Além de Faroeste Caboclo e Eduardo e Mônica , existe também Somos Tão Jovens, filme que conta a história de parte da sua vida. Na última década, diversos livros foram lançados sobre o autor, o primeiro deles, lançado em 2009, O Filho da Revolução, de Carlos Marcelo Carvalho, que conta toda a sua história, desde a infância até a sua morte.
O dono dos direitos autorais de Renato é seu filho, Giuliano Manfredini, e desde 2015 a Companhia das Letras tem lançado diversos livros sobre a obra de Renato Russo. O primeiro livro foi Só Por Hoje e Para Sempre – Diário do Recomeço escrito pelo próprio Renato enquanto estava em uma clínica de reabilitação, no ano passado a editora lançou The 42nd St. Band – Romance de uma Banda Imaginária, mais uma das tantas obras escritas por Renato e ocultadas pelo seu falecimento precoce. O Livro das Listas é o lançamento mais recente.

Eu tenho todos estes livros, por ser fã incondicional da banda e de Renato não deixo passar a oportunidade de conhecer mais sobre um dos maiores músicos brasileiros e tive experiências  diferentes com cada um deles, o primeiro, único da lista que não é de autoria dele próprio, me deu informações essenciais sobre meu ídolo, falando da sua história e inclusive explicando algumas músicas escritas por ele, além de mostrar o momento que ele passava enquanto escreveu cada uma delas.

O primeiro livro lançado pela Companhia das Letras dessa série de escritos do cantor, Só Por Hoje e para Sempre, é bem melancólico, triste e uma leitura extremamente pesada, ele estava em uma de suas piores crises, é bem difícil terminar de ler ele com alegria. O segundo, The 42nd St. Band é o mais romantizado, você embarca nas ideias do cantor, é alegre, cheio de sonhos e muito interessante. Já em O Livro das Listas, Renato não apresenta uma história, não tem muitos detalhes sobre sua vida, nem sobre as músicas que Renato compôs, ele é pura e simplesmente algumas páginas escritas sem a menor pretensão de mostrar a alguém um dia, talvez as mesmas páginas que você escreva hoje em dia no seu próprio diário.
As listas que mais me chamaram a atenção, obviamente, foram as relacionadas com livros, que são diversas, e além de me mostrarem o que meu ídolo gostava de ler, me deram ótimas dicas de leitura. Se você gosta de Legião Urbana e do Renato, não pode deixar de ler O Livro das Listas, é mais uma obra sobre um cantor que nos deixou tão cedo e cujo as letras continuam atuais, mesmo depois de mais de 30 anos. Se você não gosta da banda, se não é o seu estilo musical, leia para ter dicas de novos livros, filmes, bandas, músicas e muitos mais, são mais de 60 listas, algumas de Top 10, outras de Top 30, com opiniões muito coerentes, além de aprender mais sobre alguns dos nomes citados nos diários. O Livro das Listas um livro maravilhoso para quem ama literatura e música, fácil de ler, rápido e leve.

  • O Livro das Listas – Referências Musicais, Culturais e Sentimentais
  • Autor: Renato Russo
  • Tradução: -
  • Ano: 2017
  • Editora: Companhia das Letras
  • Páginas: 220
  • Amazon

rela
ciona
dos

Men: Novo filme perturbador ganha trailer nacional Adaptações literárias que estreiam em agosto Novo trailer de John Wick e novidades da franquia Novidades sobre Halloween Ends, último filme da franquia