Muitos leitores já conhecem o universo maravilhoso criado por George R. R. Martin em Crônicas de Gelo E Fogo, mas poucos conhecem Wild Cards, universo que lhe rendeu vários livros e histórias em quadrinhos, cheio de seres fantásticos e de batalhas épicas. Agora a Editora Suma relança a primeira antologia de contos sobre este universo, que conta com diversos autores, montando cada um sua própria perspectiva, com as diferenças que eles enxergam do mesmo universo, dos mesmos personagens e até da mesma história como um todo, evidenciando ainda mais o gigantesco trabalho que o escritor teve em criar, a partir de um jogo de RPG que ele mestrava, uma história com diversos “braços” e caminhos pelo qual podemos viajar quase que infinitamente.

Wild Cards teve início a partir de uma longa campanha de RPG criada por George R. R. Martin, juntamente com outros escritores amigos dele, e foi ao final desta campanha que seus amigos deram a sugestão de que aquela história não poderia ficar apenas para eles, que ela deveria sair do tabuleiro o e virar pelo menos um livro fantástico. Então, em 1987 o autor lançou o primeiro livro da série, lançado pela Editora Leya aqui no Brasil em 2013. O Começo apresenta o mundo após ser praticamente dizimado pelo Xenovirus Takis-A, um vírus que ataca Nova York, criando, como em um jogo de cartas, vários tipos de mutações nos humanos, criando ao mesmo tempo Ases, aqueles que ganharam asas com o vírus, ou Coringas, aqueles que ficaram deformados com a infecção.

Coringas inclusive é a tradução do português para o termo “wild card”, ou seja, a história envolve bastante esse tipo de infectado e ser um deles além de deixá-lo a margem da sociedade, contribiu para a ruína de cidades e os deixam vivendo como mendigos.

A série Wild Cards já conta com mais de 20 livros lançados lá fora, todos editados por Martin, contando com pequenas contribuições. Infelizmente no Brasil só temos os 9 primeiros volumes da série lançados ainda pela antiga editora, e agora, após os direitos da série serem vendidos, a Editora Suma está relançando o primeiro volume, com outro projeto gráfico e tradução. A antologia conta com 15 contos de 13 autores diferentes, além de interlúdios, como disse antes, escritos por Martin que norteiam algumas partes da obra.

Todos os contos foram escritos ainda nos anos 80, o que mostra, infelizmente, a demora de nossas editoras em investirem nesse tipo de literatura ao trazerem seus livros para nossas prateleiras, Wild Card demorou mais de 20 anos para chegar ao Brasil, mesmo sendo uma sequência de livros aclamada no Estados Unidos e em outros países.

De forma geral, o livro é muito bem organizado por Martin e apesar de as histórias terem sido escritas a parte, elas são editadas em uma sequência coerente, como se o final de uma fizesse parte do início da história seguinte e vice-versa. Além disso, os temas tratados nas obras e a trama central são “respeitados” por todos escritores, fazendo com que um conto seguinte não “desminta” ou estrague o conto anterior, dando continuidade para a história.

Os escritores escolhidos para comporem a obra são ótimos, todos os contos são muito bons e é óbvio que deve ser impossível estragar uma história que se ambiente em um universo criado com tanta perfeição, na minha opinião. Dentre eles estão escritores de contos já consagrados como Carrie Vaughn e Melinda Snodgrass, esta última inclusive escreveu alguns livros dentro do universo de Wild Cards de maneira independente.

Meu conto favorito ficou a cargo do próprio Martin e se chama “O Jogo da Carapaça”. Tudo neste enredo fantástico me agradou, Martin consegue descrever cenas terríveis e ambientar muito bem o leitor no universo que criou, mostrando as piores coisas que o vírus provocou nos humanos e coisas banais do dia a dia que agora estão diferentes do que deveria ser.

Não li ainda os outros livros de Wild Cards, apesar de ter uma grande vontade de lê-los. Tenho um certo problema com a maneira como George escreve, inclusive não suportei Guerra dos Tronos (me julguem), mas já li alguns quadrinhos que se passam nesse universo e adorei. Lendo “O Começo” a vontade de me aprofundar nesse cenário só aumentou, e sem dúvida vou dar uma chance para esse jogo de RPG que virou uma das melhores séries de ficção cientifica/fantasia urbana da história.

Por falar em coletânea de contos, 2019 foi o ano em que mais li contos, um estilo que apesar de gostar não é o meu favorito. Mas senti que em “O Começo” todos os autores se preocuparam em apresentar a história de seus personagens (cada autor conta a história do seu próprio personagem dentro do RPG), talvez não se atendo muito ao início dela, já que o leitor já conhece toda problemática causada pelo vírus, mas fazendo com que a trama se desenrole muito bem, dando um final convincente para cada conto. Outro ponto que ajuda a obra é o fato de os contos não serem pequenos, a maioria passa das 30 páginas, fazendo com que o enredo de cada um deles seja digno de um grande livro.

E aí você já conhece a série Wild Cards? Me contem também se vocês já jogaram RPG, esse tipo de jogo é o meu favorito, eu gostaria muito de fazer parte da turminha do tio George.

  • Wild Cards I
  • Autor: George R. R. Martin
  • Tradução: Alexandre Martins, Edmundo Pedreira e Petê Rissatti
  • Ano: 2019
  • Editora: Suma
  • Páginas: 480
  • Amazon

rela
ciona
dos

6 livros com representatividade indígena Men: Novo filme perturbador ganha trailer nacional Adaptações literárias que estreiam em agosto Novo trailer de John Wick e novidades da franquia