Nove Desconhecidos | Liane Moriarty

23 set, 2021 Por Clara Vieira

Liane Moriarty é uma escritora australiana popularmente conhecida pelo romance Pequenas Grandes Mentiras, posteriormente transformado em série pela HBO, e que trata de relações interpessoais, sejam essas entre familiares, ou com aspectos machistas, dentre outras. A premissa de Nove Desconhecidos, o livro da autora de lançamento mais recente no Brasil, me pareceu, no entanto, muito díspar de Pequenas Grandes Mentiras, e me intrigou profundamente.

Trata-se da história de nove pessoas que irão fazer um retiro de dez dias em um spa chamado Tranquillum House, afastado de qualquer cidade e que anuncia mudar a vida daqueles que o frequentam. Essa mudança de vida, no entanto, será muito diferente daquilo que eles tinham imaginado a princípio, e os participantes terão de entrar em contato com suas questões mais profundas.

Não tinha grandes expectativas ao ler Nove Desconhecidos, apenas queria descobrir os segredos prometidos pela sinopse. Tinha ficado bastante curiosa com quais rumos a história iria tomar, e foi essa a maior motivação para iniciar esta leitura. Minha primeira percepção foi bastante positiva: era uma história engraçada! Primeiramente, pela construção de uma das personagens principais deste livro, Frances Welty.

Frances é uma escritora de livros de romance açucarados, que já não estão fazendo muito sucesso. Em crise com sua carreira, Frances é constantemente solicitada pela sua editora a escrever livros de suspense ou thrillers, com mortes e assassinatos. A partir disso Liane Moriarty se utiliza dessa personagem para fazer diversos comentários divertidos e metalinguísticos a respeito da carreira de escritora e do mercado editorial. Não é apenas Frances que faz comentários engraçados nesta história, no entanto: diversas situações são descritas de formas inusitadas, ou comentários bem humorados são feitos por outros personagens, de forma a causar efeito cômico.

Somos aos poucos apresentados então aos nove hóspedes da Tranquilum House, assim como aos seus funcionários e à dona do local. Vamos conhecendo a história de vida de cada um deles, seus conflitos pessoais, segredos e dilemas. Fica visível, através de conversas enigmáticas entre personagens e de certos comportamentos esquisitos deles, que existe algum mistério relativo ao funcionamento do spa, mas isto fica longe de ser o elemento central na narrativa na primeira metade do livro. O enfoque realmente é conhecer os personagens e trabalhar relações humanas. Achei inclusive que a história possui observações interessantíssimas a respeito de primeiras impressões e pré-conceitos que formamos a respeito das pessoas, apontando o quanto, em diversas dessas situações, esses pré-conceitos não correspondem verdadeiramente a como as pessoas de fato vivem, como se comportam e o que sentem.

Estava realmente envolvida nesta narrativa, querendo descobrir como os conflitos trazidos pelos personagens iriam se desenvolver, sentindo compaixão por cada um deles… Até que, por volta de cinquenta por cento da história, temos uma mudança brusca na narrativa. O ritmo se torna muito mais acelerado, e os tópicos principais a serem abordados passam a ser outros. Ao meu ver, a história deixa de ser um romance psicológico e passa a ser um thriller.

Os novos fatos a serem introduzidos na trama já haviam sido preparados pela autora, mas mesmo assim a mudança de ritmo me pareceu tão abrupta que chegou a ser um choque para mim. Ainda assim, mesmo após essa quebra na narrativa, continuei interessada em quais seriam os rumos da história e os destinos de cada personagem. Sendo honesta, acredito que minha curiosidade apenas aumentou após essa quebra, passando a ser uma certa ansiedade devida a situação que os personagens estavam vivendo e uma vontade de ver tudo aquilo se desenrolar de maneira positiva. 

Após o término da leitura percebi que em momento algum Liane abre mão de trabalhar as histórias de cada personagem e as relações interpessoais entre eles. Eu apenas não consegui dar tanto foco a isso na segunda parte do livro, justamente por haver um elemento novo e que se sobrepunha a todo o resto. Acredito, no entanto, que foram os personagens e o senso de humor por vezes presente na história que me prenderam até o fim.

Quando os mistérios finalmente foram desvelados fiquei incrédula em relação ao que se mostrou enquanto resposta, o que prejudicou parte da minha experiência com a história; no entanto, mesmo não tendo me envolvido totalmente com as respostas dadas, essas são extremamente bem justificadas porque a personagem principal envolvida nessas respostas foi muito bem construída. Vamos entendendo ao longo da narrativa seus méritos e defeitos, os efeitos que ela causa nas pessoas e qual o sentido por trás de todas as suas ações. Sendo assim, acredito que pessoas que gostem de livros que tratem de relações interpessoais, com toda sua profundidade, seus segredos e seus conflitos, irão gostar deste livro de Liane. É este elemento que me fará, sem sombra de dúvida, ler futuramente outras obras da autora. 

Por fim, temos ainda um elemento bônus: Nove Desconhecidos foi comprado por Nicole Kidman para uma adaptação na qual ela atuou e produziu. Este livro foi adaptado para o formato de série, contando também com Melissa McCarthy no elenco, interpretando Frances Welty.  A adaptação de “Nove Desconhecidos” pode ser encontrada na plataforma de streaming Amazon Prime Video .

  • Nine Perfect Strangers
  • Autor: Liane Moriarty
  • Tradução: Julia Sobral Campos
  • Ano: 2019
  • Editora: Intrínseca
  • Páginas: 464
  • Amazon

rela
ciona
dos

Lançamentos da Netflix para dezembro 6 Motivos para ler Estúpida Promessa 7 Clássicos preferidos dos leitores O que esperar da 2º temporada de Bridgerton?