Brilhante, A História de Belle é o segundo volume da trilogia Damas Rebeldes, da autora Julia Quinn. O primeiro livro, Esplêndida, A História de Emma, vai trazer uma americana para o contexto da temporada de Londres e o terceiro já possui título e capa. Indomável, A História de Henry, que foi publicado em outubro pela Arqueiro, trouxe a história de Henrietta, uma moça que prefere calças a vestidos.


Lady Arabella Blydon ou Belle é prima de Emma, a protagonista do primeiro livro. Ela, inclusive, tem um papel fundamental nos acontecimentos envolvendo sua prima. Depois dos acontecimentos que encerram a trama anterior, Belle vai passar uma temporada na casa de Emma. Um lugar com muitos campos, ótimos para caminhadas. É um desses passeios que Belle vai “invadir” terras que fazem parte da propriedade do vizinho, lorde John Blackwood.

Confira a resenha de Esplêndida

John é um herói de guerra, que ganhou o título de lorde exatamente pelos seus feitos. Não vai demorar muito para que a paixão tome conta deles. Contudo John é atormentado por algo que aconteceu na guerra, esse sentimento vai entrar em conflito com seu amor por Arabella. Além disso, por não considerar seu título digno de uma dama como Belle, ele arruma nisso mais uma desculpa para fugir da mulher mais incrível que ele já conheceu. Mas não importa o que ele faça, nada consegue parar de desejá-la. Será que esse coração teimoso vai se render ao amor?


Eu gosto muito quando encontro romances de época em que os personagens dos livros anteriores aparecem de forma efetiva na trama atual. O casal do primeiro livro está hospedando Belle e, além disso, Alex e John se conheciam de outros tempos. Isso faz a aproximação entre os personagens ser algo mais natural também, já que eles são vizinhos e amigos.
Um dos pontos principais que temos trabalhados aqui pela autora é casamento de conveniência versus casamento por amor.

Por mais que Bella já tenha passado por algumas temporadas londrinas, ela não é o tipo de mulher que quer um casamento por dinheiro nem por status, ela procura o amor verdadeiro e está disposta a lutar por ele quando este aparecer. Até porque, ela não precisa disso, já que sua família é dona de uma fortuna também. Inclusive, o que ela mais tem são pretendentes à procura de sua fortuna, e foi um desses homens que fala sobre sua fortuna e desdenha sua inteligência. Achei bem legal Julia trazer essa outra realidade para a trama, pois nem só de mulheres interesseiras eram feitas as temporadas londrinas.

Lorde Blackwood precisava de alguém, isso ficara muito claro. Alguém capaz de afastar a dor que nublava seus olhos quando ele achava que ninguém estava olhando.

Para mim o problema do livro está relacionado com lorde John Blackwood. Mas não é nada que seja verdadeiramente um problema, mas que para mim não funcionou como deveria. O fato de John ser atormentado por algo que ele viveu na época da guerra é super entendível, realmente grave para uma pessoa que vive com isso na cabeça. Contudo como esse seria o empecilho principal que fica entre os personagens, eu não achei ele atormentado o suficiente para que algumas atitudes fossem tomadas. De repente foi proposital esse misto de sentimentos que o personagem tem, visto que ele mostra estar apaixonado por Belle muito cedo no romance.


Eu gosto quando esse tipo de coisa acontece em romances de época, pois dá margem para a autora trabalhar outras realidades envolvendo o casal. Mas mesmo que aqui esse seja um motivo e que ele desencadeie um acontecimento que leva a outro motivo, há algo que não me convenceu.

Mas mesmo com essa minha pequena crítica, preciso confessar que a história é gostosa de acompanhar e que o casal principal é um amor quando estão juntos. Aquele clichê de gato e rato está presente é claro e ajuda muito nos momentos de leveza presentes na história. Gostei que, assim como o primeiro livro, Julia traz aqui uma situação de aventura aliada à tensão do momento. Mesmo que eu tenha achado Esplêndida melhor que Brilhante, essa trilogia, a primeira de Julia Quinn, tem muito potencial. Estou ansiosa pela conclusão de mais uma série de romance de época.

  • Dancing at midnight
  • Autor: Julia Quinn
  • Tradução: Ana Rodrigues
  • Ano: 2021
  • Editora: Arqueiro
  • Páginas: 320
  • Amazon

rela
ciona
dos

Todos os detalhes das obras de Cesar Bravo Todas as novidades do spin-off de “Extraordinário” Junji Ito anuncia série de terror pela Netflix Lançamentos de livros que chegarão as livrarias em breve