Através de Positiva, de Camryn Garrett, publicado pela Verus Editora, tive meu segundo contato com uma história envolvendo o HIV. Eu já tinha lido uma biografia e quadrinhos que apresentava a história de um homem adulto conhecendo uma mulher com HIV e aprendendo e lidar com essa realidade. Contudo aqui temos uma protagonista adolescente, e foi por isso que fiquei tão curiosa com a trama.

Depois de ter sofrido em sua antiga escola por ter HIV, Simone Garcia-Hampton está em uma nova escola. Envolvida com novas amizades e se interessando por um garoto, o Miles, ela está vivendo essa nova realidade, inclusive está fazendo parte da equipe de teatro do colégio. Dessa vez ela está disposta a não contar para ninguém que tem HIV para não sofrer como sofreu antes.

Contudo, quando as coisas com Miles começam a se desenvolver e os dois começam a sair juntos, um bilhete sem remetente aparece em seu armário. O recado é claro: ou ela conta para Miles que tem HIV, ou a escola toda vai saber. Assustada e sem saber o que fazer, Simone acredita que o melhor é esconder seu segredo custe o que custar. Contudo, conforme reflete sobre o assunto, ela vê que o medo das pessoas está relacionado com falta de conhecimento. Assim, Simone começa a questionar sua decisão e acha que o melhor que enfrentar a verdade é na maioria das vezes a melhor decisão.

Meu HIV não é uma ameaça para ninguém aqui, mas a ignorância de vocês é uma ameaça para mim.

A primeira coisa que eu preciso falar para vocês é como eu fiquei surpresa com essa leitura. Eu imaginava que por ser um livro jovem adulto com adolescentes no ensino médio, eu não iria gostar tanto visto que adolescentes são muitas vezes irritantes. Contudo Camryn retrata a história de forma muito real e sem aquelas forçadas de barra quando o assunto são os adolescentes fazendo maldades e babaquices. Eu acredito que isso se dá pelo fato de a autora ter escrito o livro com apenas 18 anos.

Por termos uma jovem de 17 anos que nasceu com HIV como protagonista, podemos ter a impressão de que ela já sabia de tudo sobre a doença. Contudo é muito interessante ver as preocupações novas que surgem a partir do momento em que ela se apaixona e começa a sair com um menino. Ela sabe muito sobre HIV, mas no que diz respeito a sua realidade até esse momento de sua vida. Quando ela vê sua sexualidade sendo aflorada e a vontade de transar surgindo, novos questionamentos surgem, tanto em relação a ela quanto em relação a pessoa que esta com ela no relacionamento.

Foi muito natural e esclarecedor descobrir com ela o modo de agir quando se tem HIV. Existem vários fatores que devem ser levados em consideração no relacionamento, cada caso é um caso. É claro que a doença precisa ser monitorada regularmente, mas já sabemos que hoje em dia uma pessoa com HIV consegue ter uma vida normal. Camryn aborda tudo com muita naturalidade e responsabilidade. Também vemos muitos questionamentos sobre sexualidade vindo à tona, como Simone tem dois pais adotivos, muitas coisas relacionadas ao corpo feminino ela precisa descobrir com suas amigas. Aqui a autora mostrou como a cumplicidade entre as amigas e a ajuda feminina são importantes para uma garota.

Simone é um amor de menina. Muito preocupada e responsável, sem falar em sua força. Ela deixa bem claro para os pais que uma hora ela vai transar, então ela precisa ter o maior número de informações para saber se cuidar e cuidar da pessoa que ela ama. Além disso, as questões de prazer também são trabalhadas pela autora. Dentro dessa realidade, a autora também trabalha outras questões importantes trazendo a representatividade sem que isso virasse uma discussão, Simone por exemplo é negra, e também há personagens LGBTQ+.

Outro ponto positivo é o modo como a autora trabalha a amizade. Aqui, Simone está construindo novas amizades e conhecendo uma nova realidade escolar. Temos amizades saudáveis acima de tudo. E falando em relações bonitas, eu adorei os pais de Simone, eles são queridos, atenciosos, preocupados, mas também compreensivos e entendem o momento que a filha está passando. É claro que não posso deixar de comentar sobre Miles, um menino que está em uma situação privilegiada dentro da escola, que começa com alguns comportamentos inadequados, contudo há um desenvolvimento muito bacana dele na trama.

O livro pode não ser perfeito, mas a qualidade com que a trama foi construída e os assuntos que foram abordados é excelente. Eu adorei muito essa leitura, chegou em um momento que eu só queria abraçar a Simone e dizer a ela que tudo iria ficar bem.  Quando o assunto é HIV, ainda temos muita desinformação e preconceito. É exatamente nesses pontos que autora trabalha. Eu aprendi muito com essa leitura e me senti feliz ao terminá-la.

Com um final simples, mas muito bonito, Positiva me conquistou do início ao fim. Com certeza, um livro poderoso!

  • Full Disclosure
  • Autor: Camryn Garrett
  • Tradução: Ana Guadalupe
  • Ano: 2021
  • Editora: Verus
  • Páginas: 280
  • Amazon

rela
ciona
dos

6 livros com representatividade indígena Men: Novo filme perturbador ganha trailer nacional Adaptações literárias que estreiam em agosto Novo trailer de John Wick e novidades da franquia