Resenha: Apenas Um Ano

31 jul, 2015 Por Lili Dalpizol

Título Original: Just One Year
Autora: Gayle Forman
Editora: Novo Conceito
Ano: 2015
Páginas: 348
Quando comecei a leitura de Apenas Um Dia, estava com um pé atrás. Fiquei com medo de me decepcionar, mas acontece que adorei o livro, e mais que isso, realmente viajei com a Allyson e com o Willem. Como Apenas Um Ano na verdade, não é a continuação da história, mas a visão do Willem dos fatos e ao iniciar a leitura percebi que, se ainda não tinha me apaixonado por Willem no primeiro livro, neste aconteceu.

A história inicia um pouco antes de Willem encontrar Allyson naquele tour pela Europa. Conhecemos um pouco mais do seu passado e como ele perdeu o pai há 2 anos. Sua mãe, Yael, transtornada com a morte do amor de sua vida, sai a viajar pelo mundo, deixando tudo para trás. Inclusive seu filho. Willem então resolve fazer o mesmo, viajar por diversos países. Antes disso, ele até tentou fazer uma faculdade, mas não durou muito tempo. Sem uma casa para chamar de sua, passou de “galho em galho”, morando com amigos.

“Abro os olhos. Há uma luz forte por toda parte, vinda não só de cima, mas também de meus próprios olhos: pequenas alfinetadas explosivas que causam um dor infernal. Fecho meus olhos.”

Começou a atuar por acaso, mas não foi por acaso que permaneceu atuando. Willem descobriu que realmente tinha talento, e quando a coisa apertava, era assim que ele se “salvava”. Foi em uma de suas andanças que Willem conhece a sua Lulu. Passam um dia maravilhoso em Paris e nada daquilo pareceu verdade. Lulu não parece real. Como poderia existir uma garota tão perfeita para ele? Que parecia conhece-lo sem ao menos passar uma semana com ele.

Na manhã que ele iria se separar de Lulu, em que ela voltaria para os EUA, Willem sai cedinho, com Lulu ainda dormindo, para comprar um café. Esperava voltar logo, mas é surpreendido pelos skinheads com que brigaram na noite anterior. Dessa vez Willem não teve como escapar. Acordou já no hospital muitas horas depois. Quando finalmente sai do hospital, ele volta correndo para onde passaram a noite, e o pior se confirma. Lulu havia ido embora.

Nos meses seguintes, Will retoma o contato com sua mãe, até convive um pouco com ela, mas as coisas não são iguais sem seu pai e parece que uma parte de Yael morreu. Will mora uns meses com um tio, mais algum tempo com uns amigos, até compreender que não vai poder mais tirar Lulu da cabeça. Assim inicia a sua busca, mas como buscar por uma garota que nem se sabe o nome verdadeiro?

“No entanto, não encontro nem mesmo o cheiro dela. Nem um único nome ou endereço: nem o dela nem o de ninguém que ela conheça.”

Termino aqui de contar a história, talvez até tenha entregado demais. O que preciso dizer é que, achei que a história de Apenas Um Ano, ficaria muito repetitiva com relação ao primeiro livro, mas me enganei redondamente. A história é tão emocionante quanto à da Allyson, e isso me deixou muito feliz. Consegui novamente viajar com os personagens, dessa vez com o Will e com uma riqueza de detalhes impressionante.

Adorei ver o quão dura estava sendo “a vida dos sonhos” do Will. Digo dos sonhos pois, quantos de nós não queríamos viajar o mundo, sem lugar específico para ficar, sem dia nem horário para nada? Só a vontade te guiando… eu gostaria. Will faz isso por um bom tempo, mas para ele isso não estava sendo saudável. Ele estava apenas fugindo dos problemas. Até que Lulu entra na sua vida e a vira de cabeça para baixo.
Adorei muito a leitura de Apenas Um Ano, agora posso afirmar que virei fã da autora Gayle Forman. Ela gosta de causar um impacto no final, mas a leitura vale muito. Comecei mesmo com um pé esquerdo em Se Eu Ficar, uma vez que infelizmente, não amei o livro, como a maioria. Por fim, eu gostaria muito de ler um livro sabendo como as coisas ficaram após Apenas Um Dia e Apenas Um Ano, mas acho que isso não vai acontecer, uma pena. Sei que muitos já leram este livro, então, deixem nos comentários suas opiniões!


Confira a duologia Apenas Um Dia:
1. Apenas Um Dia

2. Apenas Um Ano

rela
ciona
dos