George Orwell, pseudônimo jornalístico-literário de Eric Arthur Blair, imortalizou-se por meio da publicação de A Fazenda dos Animais e 1984, obras de ficção que empregam estratégias narrativas específicas não apenas para questionar, refletir e criticar momentos cruciais da trajetória humana, mas também para expressar pensamentos e ideais caros àquele que, dias sem fim, debruçou-se sobre suas linhas, parágrafos e capítulos a fim de permitir que seu leitor encontrasse maneiras de observar aspectos da realidade sem, efetivamente, observar a realidade. O escritor, jornalista, correspondente de guerra e ensaísta britânico é conhecido e reconhecido por suas histórias, por seu tom questionador, suas críticas ferrenhas, seus apontamentos lúcidos e pertinentes, além de suas posições ideológicas e políticas. George Orwell se transforma em palavras e ideias ao longo de suas narrativas de ficção, mas, hoje compreendo e ressalto, que se expressa e transforma, também, ao longo das palavras e ideias de seus ensaios e artigos.

Verdadeiro perante aquilo em que acreditava, inseria, defendia e delineava suas opiniões, pensamentos e apontamentos, demostrando talento e domínio da forma de comunicação escrita, da arte literária e dos meios de compartilhamento de informações, merecendo nossa admiração por nunca falhar com o que lhe era caro… e seguir dialogando com mundos futuros que tanto ecoam suas palavras!

Confira a resenha de 1984

Composto por quatro textos publicados por volta dos anos 1938 e 1945, Por Que Escrevo delineia e apresenta George Orwell enquanto sujeito essencialmente pensante. Aqui encontramos e acompanhamos suas verdades e características enquanto pessoa destinada a expressar-se por meio das palavras, enquanto defensor da leitura e dos livros, enquanto espécie de linguista político, mas também, e nesse ponto me encantei profundamente, enquanto humano cuja consciência crítica permite analisar a realidade e apontar suas falhas, equívocos e problemas.

A coletânea, embora exponha os diversos assuntos e temáticas com os quais era capaz de trabalhar, comprova para os leitores que ainda pouco conhecem do escritor, que seus posicionamentos políticos e ideológicos, seus pensamentos e críticas sociais, seus questionamentos e reflexões eram verdadeiros, intrínsecos a si. Por outro lado, também apresenta e aprofunda a essência de George Orwell para aqueles que ainda não encontraram a oportunidade de conhecer suas obras, de conectar-se com sua escrita e acompanhar suas anedotas, alegorias ou distopias. Nesse sentido, a obra é tanto um complemento quanto uma porta de entrada para tipos determinados de leitores. Contudo, sob qualquer aspecto ou contexto, trata-se de um convite para o pensamento, para a reflexão, para visualizar o mundo como era, como é ou será, por meio dos olhos de um dos escritores britânicos mais importantes do século XX.

Dos quatro ensaios que compõem a obra, destaco O Leão e o Unicórnio. O texto de maior extensão de Por Que Escrevo delineia detalhes e características da cultura e trajetória histórica da Inglaterra, ressaltando traços do comportamento social e político do povo inglês enquanto correlaciona as escolhas, estratégias de guerra e ações governamentais perante a ascendência nazista. Aqui acompanhamos as análises, críticas e perspectivas do escritor com relação a inação do governo inglês. Da mesma forma, ao construir seu texto e imaginar cenários de um futuro que, hoje conhecemos bem, encontramos alguns dos pensamentos e direcionamentos que possivelmente inspiraram a criação de 1984. E, para aqueles que, como eu, são apaixonados por essa clássica distopia do século XX, isso já faz valer a leitura!

Ler Por Que Escrevo é se encontrar com o talento, habilidade e estilo de escrita de George Orwell. É compreender seus pensamentos, ideologias e posicionamento político. É receber a oportunidade de refletir, questionar e criticar o mundo, a sociedade e os rumos da história juntamente a um sujeito que viveu, que presenciou aquilo que narra e analisa. Os quatro ensaios, com suas peculiaridades e temáticas específicas, introduz novos leitores aos pensamentos do escritor na mesma medida em que complementa a visão de leitores conhecedores de seus textos. A obra é um convite para a reflexão e questionamento, verdadeiro fato instigador para a formação de nossa consciência crítica, mas também uma prova de que realidade e literatura se alimentam constantemente. A coletânea demonstra que, embora nos tenha deixado cedo – com apenas 47 anos – George Orwell viverá para sempre em nossos livros, em nossas mentes e, principalmente, em nossas analises do mundo em que vivemos.

  • Why I Write
  • Autor: George Orwell
  • Tradução: Claudio Marcondes
  • Ano: 2021
  • Editora: Penguin-Compahia das Letras
  • Páginas: 126
  • Amazon

rela
ciona
dos

Men: Novo filme perturbador ganha trailer nacional Adaptações literárias que estreiam em agosto Novo trailer de John Wick e novidades da franquia Novidades sobre Halloween Ends, último filme da franquia