A série Mortal acaba de chegar ao seu trigésimo quarto volume, todos que contam a história da maravilhosa Tenente Eve Dallas, uma mulher militar como protagonista de uma história sem fim, isso mesmo, uma série que aqui já passa de 30 livros lançados, mas que lá nos Estados Unidos já são mais de 50 volumes. A escritora a cargo desta fabulosa série é muito conhecida no meio, mas escreve sob seu pseudônimo J.D. Robb, como se Nora Roberts precisasse esconder sua identidade para fazer sucesso, né?!

Nora Roberts é uma das escritoras que mais admiro na literatura, já que ela sai da sua zona de conforto o tempo todo, escrevendo livros nos mais diversos estilos literários. Já escreveu romances românticos, tem livros de suspense e até uma série de fantasia juvenil, e todos seus livros são extremamente perfeitos, ela consegue ser magnífica em vários estilos literários e eu desconheço uma escritora ou um escritor que tenha tanto sucesso em tantos formatos de texto diferentes como ela.

Feita esta introdução super necessária, vamos falar sobre Celebridade Mortal propriamente dita: o livro vai novamente apresentar toda originalidade que somente Nora é capaz de encontrar depois de mais de 3 dezenas de livros da mesma personagem, que, depois de tanto tempo ela ainda consegue encontrar elementos super novos para colocar em volta do seu enredo. O sucesso da Tenente Dallas é tamanho na sua vida, que ela e toda sua equipe serão retratados em um filme, ela irá para o cinema, mas não aqui no mundo real, mas no imenso universo criado na série Mortal.

Celebridade Mortal inclusive começa com Dallas e seu companheiro no set de filmagem, conversando com os atores e roteiristas, mostrando como se comportam juntos, quais as principais trejeitos e também matando a curiosidade sobre como andavam as filmagens sobre a sua vida.

Porém tudo muda no dia seguinte, uma das atrizes do filme é encontrada morta, caída dentro da mansão onde os atores estavam. A pessoa morta, e obviamente assassinada, era a interprete de Peabody, parceira de polícia da nossa protagonista. A mulher é odiada por todos no set, têm diversos inimigos e quase ninguém tem algo positivo para falar dela.

Não preciso nem dizer que o filme será interrompido para que nossa tenente atue na vida real, caçando quem teria sido o responsável pelo assassinato, e por parar as filmagens do filme sobre sua vida também! Convenhamos, eu ia ficar muito possuído se tivesse um filme sobre a minha vida e ele parasse de ser produzido porque alguém resolveu matar alguém que participava dele. No meu filme não!

O livro, assim como todos da série, é sensacional, existe até um pouco de clichê, existem alguns elementos normais de livros de suspense, o que seria completamente compreensível, já que estamos falando de uma série com 34 livros, então realmente é difícil manter a originalidade, mas Nora Roberts consegue mesmo assim. O suspense é muito bem construído e os elementos contidos na história também são muito bem inseridos, digo isso para deixar claro que não é daqueles livros fracos, sem realismo e que o final é completamente sem cabimento, muito pelo contrário, tudo é muito bem pensado.

Os pontos que digo serem um pouco “clichês” estão ligados à estrutura, normalmente o mistério começa do mesmo jeito, sempre existe um conflito interno e pessoal da Tenente Dallas atrapalhando o caso. O romance entre seu marido e ela também é sempre presente na história, inclusive adicionando cenas fortes e quentes aos seus capítulos, porém nada é feito da mesma maneira, os elementos que constroem este enredo sempre mudam e sempre respeitam a credibilidade do seu texto, não há nada fantasioso ou que você possa julgar como improvável no roteiro criado pela escritora, inclusive, para quem acompanha a série a mais tempo como eu, a personalidade dos personagens que têm a presença cativa em livro após livro, segue sendo muito coerente e sempre dentro da linha do livro anterior.

Mas aqui cabe um adendo muito importante, Roberts explora muito bem os livros antigos em suas obras seguintes, mencionando acontecimentos passados na sua obra atual e outros são simplesmente inerentes à história, como por exemplo seu esposo, que está presente na série desde o primeiro livro, quando era o principal suspeito do assassinato que Dallas investigava.

Esta construção torna primordial a leitura dos livros anteriores, você provavelmente não entenderá o âmago da história de Celebridade Mortal se não souber a importância que Dallas tem para a sociedade em que vive, se não olhar para sua história e conseguir notar o quanto ela cresceu. Por outro lado, isso também explica por que a série é tão longínqua e boa, ela trabalha para os fãs, ela entrega para seus leitores fiéis cada vez mais do fã services que costumo falar para vocês, ela vai colocando elementos completamente especiais para quem a acompanha desde o começo, e faz com que estas pessoas não ousem parar de comprar suas obras novas.

Os livros ainda não pararam de ser escritos, lá nos EUA a série segue de vento em polpa. Agora em janeiro será lançado o quinquagésimo quarto livro da série, chamado Abbandoned in Death. A Bertrand Brasil tem feito um ótimo trabalho tentando trazer a série aqui para o Brasil, são lançados mais de 2 livros dela por ano por aqui, quem sabe um dia alcancemos os americanos, e olhem, a culpa não é da editora nacional, o problema é que Nora Roberts é uma maquina de escrever ambulante e não para de lançar livros.

Um dos meus objetivos este ano é ler mais livros dessa série, falo dos antigos. Quero lê-los em ordem, pois ano passado já tinha lido o primeiro da série, além de já ter lido alguns do meio dela por gostar muito do estilo, quem sabe um dia eu não chego no patamar de Nora.

Ah e para encerrarmos, uma curiosidade, Nora começou a escrever sob pseudônimos porque escrevia muito, sim, a editora americana achou, como estratégia de marketing, que não seria interessante ter 6 ou 7 livros, com o nome de Nora Roberts lançados por ano, então decidiu que ela deveria criar vários pseudônimos, para que os leitores achassem que os livros fossem de novos autores. J.D. Robb, só foi revelado ser na verdade Nora Roberts no 12º livro da série, por exemplo.

  • Celebrity in Death
  • Autor: J.D. Robb
  • Tradução: Renato Motta
  • Ano: 2021
  • Editora: Bertrand Brasil
  • Páginas: 448
  • Amazon

rela
ciona
dos

Todos os detalhes das obras de Cesar Bravo Todas as novidades do spin-off de “Extraordinário” Junji Ito anuncia série de terror pela Netflix Lançamentos de livros que chegarão as livrarias em breve