Título Original: Opal
Autora: Jennifer L. Armentrout
Ano: 2017
Editora: Valentina
Páginas: 416

Por ser uma sequência, esta resenha poderá conter spoilers.
O final de Ônix foi extremamente chocante e agora todos sofrem as consequências da traição de Blake. Dee se afastou de Katy e já não é mais a mesma. A fuga de Will e o seu possível retorno é um perigo constante e iminente e Dawson, o irmão dos gêmeos, retornou depois de tanto tempo, ter sido dado como morto. Mesmo a baixo de tempestades, Katy e Daemon parecem se acertar. Após ter certeza que a atração e os sentimentos que cresciam em Daemon não eram apenas fruto, da conexão que se desenvolveu entre eles, Katy enfim se rendeu a este namoro, porém não parece ser justo eles estarem bem quando Dee se encontra em um luto silencioso e Dawson só deseja ter Beth de volta.
Com um pouco de treino, Katy agora desenvolveu seus poderes de híbrida e é capaz de coisas que antes eram inimagináveis. Seu poder deve ser mantido em segredo, pois ela pode cair novamente nas mãos erradas e o Departamento de Defesa continua de olho nela e nos Luxen. A Daedalus passa a ser uma nova ameaça, que pode capturar Katy novamente para usa-la como cobaia. A volta de alguém para a cidade colocara Katy e seus amigos em uma enrascada e muita coisa passar estar em jogo. Katy zela por sua segurança, mas sua preocupação com aqueles que ama poderá ser usada contra ela, sem escolhas e precisando redimir seus erros, Katy, Daemon e Dawson estarão dispostos a tudo para resgatar Beth das mãos desta secreta organização em uma missão quase que suicida.

“O desconhecido não é algo muito bem aceito. As pessoas preferem ignorar… não completamente, apenas o bastante para que isso não fique interferindo em cada ato ou pensamento.”

É desta forma, quase que sem fôlego, que retornamos a vida de Katy. E é incrível quanto percebemos a sua mudança desde Obsidiana. A garota agora já é uma mulher, já passou por muitas coisas e agora é dona de um poder absoluto. O que destoa completamente das mocinhas que costumamos encontrar em alguns romances sobrenaturais. Seu crescimento como personagem é um dos maiores destaques nesta trama, pois a cada página Katy me surpreende. Ela carrega muito peso em suas costas e não mede esforços para se redimir e provar seu verdadeiro valor entre os Luxen. Ela é uma personagem indispensável e tão forte quanto eles.
Daemon continua o cara de essência sedutora e cabeça-dura de sempre, principalmente lidando agora, com sua namorada, mas Katy consegue torna-lo mais flexível. Em Opala é possível enxergar uma faceta mais apaixonada de Daemon, um menino mais entregue aos seus sentimentos. O que pode ajudar e também atrapalhar em certas situações e decisões ao longo do livro. Particularmente, eu adoro Daemon por completo, mesmo em seus dias mais difíceis é possível compreende-lo e perceber todos os tons que ele carrega, do louco ciumento ao irmão, luxen e namorado altruísta.

A autora continua narrando tudo num ritmo perfeito, equilibrando os momentos leves da trama com aqueles cheios de ação, suspense e combates. Desta forma, a leitura é feita em um piscar de olhos e quando chegamos ao final só temos que lamentar por ter lido tudo tão rápido. Em Opala, Jennifer L. Armentrout irá não só dar mais profundidade ao enredo, como a ligação dos Luxen com o DOD e o que a Daedalus pretende e seus interesses, mas também irá aprofundar bastante os seus personagens. A relação de Daemon e Katy evolui bastante e a conexão que ambos compartilham rendem ótimas cenas para os dois.
A Saga Lux continua se encorpando a cada livro sem ficar cansativa. A cada um a autora insere novos conflitos e problemas. Como disse na minha resenha de Ônix, os Arums nem são mais vistos como reais ameaças, existe muita coisa envolvida e muitos mais perigosos na espreita. A Daedalus agindo de forma desenfreada pelos arredores também desencadeia uma certa preocupação e novos acontecimentos prometem impactar ainda mais a vida de Katy e Daemon.
Como alívio cômico para a história continuamos acompanhando Katy em sua saga como blogueira literária e mesmo na situação em que todos estes personagens se encontra, isso não é nem um pouco forçado pela autora. Os personagens continuam tendo tempo para viver e são nestes momentos que a preocupação dela em relação as suas leituras e resenhas aparecem. Eu amo demais estes momentos, pois como já disse, é impossível não se identificar. Sem dúvidas, isso é um presente da autora para seus leitores.

Continuo amando a saga, estes personagens e está autora. A Saga Lux é um romance sobrenatural sim, mas que não se perde em releituras absurdas de lendas e mitos que costumamos ler. É uma história original onde encontraremos aventura, muito ação e uma trama recheada de reviravoltas, conflitos e jogos de interesses. Claro, também teremos romance, nada meloso, a dose certa para nos apaixonarmos de vez por estes personagens tão carismáticos. 
Ainda teremos mais dois livros pela frente para concluirmos esta saga e certamente a rainha do cliffhanger, Jennifer L. Armentrout irá fazer uso de suas artimanhas com seus pobres leitores aflitos. O final é ainda mais agoniante que Ônix, terminamos os últimos parágrafos de Opala incrédulos e nauseantes por não termos a sequência em mãos. Resta esperarmos e torcermos por estes personagens. Tenho certeza que se você leu até aqui, está convencido que esta saga é viciante. Estou ansiosa demais para o próximo volume, onde tudo indica, ganharemos outro tipo de ferramenta narrativa para saga. Leiam logo!

Confira a saga Lux:
5. Opostos

rela
ciona
dos