Resenha: Creepshow

30 dez, 2017 Por Joi Cardoso

Título Original: Creepshow
Autores: Stephen King, Bernie Wrightson, Jack Kamen
Ano: 2017
Editora: Darkside
Páginas: 64
Amazon – Saraiva

Creepshow é originalmente um filme de 1982 dirigido por George A. Romero, de A Noite dos Mortos-Vivos, com o roteiro de Stephen King. No mesmo ano, o filme foi adaptado para uma graphic novel contendo as mesmas histórias curtas de terror, intituladas como: Dias dos Pais, A Solitária Morte de Jordy Verrill, A Caixa, Indo Com a Maré e por fim, Vingança Barata.
Diferentemente do filme, aqui não teremos a introdução já conhecida, onde Joe Hill, filho de Stephen King, interpreta Billy, a criança dona da HQ chamada Creepshow. Desta vez, nós seremos donos do famoso quadrinho. Deste modo, iremos partir diretamente para as cinco histórias horripilantes. Mas antes de tudo, conheceremos Creep, a peculiar figura morta-viva que irá nos conduzir por estas páginas de puro medo. Creep aparece sempre no início de cada história e ao final, nos apresentando a história e os mistérios que a rondam, uma ferramenta narrativa que conversa diretamente com o leitor e responsável por aguçar a nossa curiosidade com vários palpites ao longo das páginas do quadrinho. Garanto que Creep será uma ótima companhia durante a leitura.

“Jordy Verrill era o famoso “faz de tudo um pouco, mas não faz nada direito”… porém, mesmo sendo um camarada simplório, até que o Jordy se virava… ele conseguia, ali, no limite, unir corpo e alma… até aquela fatídica noite de verão em que ele olhou pro céu, por puro acaso, no momento certo… ou, quem sabe, no errado…”

Nestas histórias encontraremos todos os tipos de bizarrices e é possível notar que Stephen King trabalhou em cima de todas as vertentes da sua imaginação. Em Dia dos Pais conheceremos os Grantham, que aguarda a visita anual da tia-avó Bedelia, que sempre retorna a mansão da família para visitar o tumulo do pai. A Morte Solitária de Jordy Verrill fala sobre um estranho meteorito que cai nas redondezas das terras de Jordy e que acaba afetando não só tudo em sua volta, mas também ele próprio, bem bizarro! Indo com a Maré provavelmente é bem perturbador. É uma história que fala sobre traição, tortura e vingança, é bastante chocante. A Caixa é a história que mais despertou a minha curiosidade, nela encontraremos uma misteriosa caixa escondida nas dependências de uma faculdade que guarda uma faminta criatura. O “achado” acaba sendo utilizado como um objetivo de vingança, mas nem todo plano acaba dando certo. Por último temos ainda Vingança Barata e para aqueles que tem fobia de baratas, é melhor se preparar. Aqui conheceremos Upson Pratt, um intratável magnata com mania de limpeza, sua obsessão é enorme e tudo piora quando Upson recebe a visita de uma pequena e horrenda criatura de seis patas.  
As ilustrações de Creepshow são de Bernie Wrightson, conhecido por seu trabalho em Monstro do Pântano da DC Comics, infelizmente falecido no começo do ano. Já a capa foi ilustrada por Jack Kamen, também falecido e artista da EC Comics, editora exclusiva para publicações de quadrinhos de terror nos Estados Unidos.

Ter esta graphic novel em mãos é ter um tributo aos fãs dos quadrinhos da década de 50. A narrativa ao mesmo tempo que trabalha elementos fantásticos e bizarros do mundo do horror, carrega um tom cômico, bastante popular antigamente. A Darkside, mantém a qualidade gráfica da editora com sua versão em capa dura da edição, que também marca a estreia do autor no catálogo da editora. Creepshow é um show de horror, uma homenagem aos fãs, com aquele toque todo especial que só Stephen King carrega em tudo que toca.

rela
ciona
dos