Tudo começa no pequeno espaço de um apartamento da Londres de 1939. É neste ambiente malcuidado, praticamente abandonado, que a pequena Ada, uma garotinha adorável de aproximadamente dez anos, passa seus dias e suas noites, semanas e meses, nunca recebendo a oportunidade para brincar ao ar livre, tornar-se amiga das crianças da rua ou mesmo caminhar com seu irmãozinho Jamie.
Sua infância lhe foi negada pelo simples fato de que essa menina inteligente e perseverante nasceu com um pé torto e, mesmo com o avanço da medicina tendo praticamente erradicado a presença deste problema, facilitando sua recuperação e reversão, a garota nunca sequer teve a chance de consultar-se com um médico. Sua condição foi dada como fixa, irreversível, e assim ela seguiria, se não fossem pelas mudanças que desenrolavam-se a cada dia.
Toda e qualquer experiência com o lado de fora ocorre através da visão limitada que a janela do apartamento lhe oferece. Através daquela moldura cruel, a menina observa seu irmão brincar e desfrutar de uma liberdade que somente a infância é capaz de proporcionar. Ela enxerga as pessoas andando pela rua, descobre cada segredo, nuance e detalhe de uma vida que lhe foi negada.
Sua mãe somente lhe direciona ódio. Ada sofre maus tratos constantes, nunca viu amor ou carinho naquele que deveria ser seu lar, porém o destino, esta entidade misteriosa e curiosa que insiste em nos pregar peças, lança nas mãos da garota a oportunidade de conquistar sua vida novamente.

Eu não sentia raiva. Sentia tristeza. A tristeza era tanta, que eu me perdia nela.

A guerra se aproxima de Londres, a possibilidade de um bombardeiro torna-se cada vez mais forte e, por conta do perigo que cresce no horizonte, as crianças devem ser realocadas para o campo. É graças a este contexto que Ada, juntamente de Jamie, partem para uma aventura que, mesmo com todas as sombras da guerra, lhe ensinará o verdadeiro significado da família, do amor e da liberdade.
A Guerra que Salvou a Minha Vida desenvolve-se por meio do contexto da Segunda Guerra Mundial, porém, sua narrativa não está limitada a eventos históricos, crueldade humana ou mesmo o poder de uma única mente sob toda a população de um país. Por meio de uma história tão explorada, pesquisada e revisitada, a autora nos lança para algo muito maior do que poderíamos imaginar a princípio. Aqui, de forma primorosa, encantadora e tocante, descobriremos juntamente de Ada o que realmente significa amar, completamente, incondicionalmente e sem rodeios. Aqui encontraremos perseverança em sua mais pura essência, observaremos a luta de alguém cuja vida lhe foi negada, cuja liberdade foi tirada, que viu a pior face daqueles que lhe deveriam proteger e amar, mas, mesmo assim nunca deixou de sonhar e acreditar que, algum dia, sua vida mudaria.
O livro trabalha com um crescente cativante e angustiante, algo esperado que, mesmo com toda a informação que possuímos, surpreende por conta da força e realidade com que nos atinge. A guerra não deixa de mostrar suas garras, a escuridão da humanidade não deixa de dar as caras, o sofrimento da vida existem sim, mas com sua habilidade única, a autora nos faz encarar as dificuldades, permite que, junto de Ada possamos lutar contra tudo o que conhecemos e desconhecemos, transformando assim, uma realidade em outra, a vida daqueles ao nosso redor e, na mesma medida, quem somos.

A obra toca fundo o coração do leitor, não deixando, em momento algum, que a esperança e o amor, bens tão preciosos para toda e qualquer forma de vida, passem despercebidos. A Guerra que Salvou a Minha Vida é repleto de mensagens, luta, crueldade, sonhos e brincadeiras do destino, porém, o que permeia cada página é nada mais do que o amor e a esperança, a certeza de que algo melhor nos aguarda ao virar a esquina, ou ao tomarmos o trem em busca de uma vida melhor.
A guerra pode ser sombria, porém ela esconde em si momentos preciosos de união, além do verdadeiro significado da palavra família. O amor nasce nos mais únicos e maravilhosos momentos, e é ele, e não os laços sanguíneos, que unem pessoas e permitem a formação de uma nova família, uma família pronta para enfrentar as dificuldades com coragem, pois sabe que quando se tem esperança e amor, nada é capaz de nos derrotar.

  • The War that Saved my Life
  • Autor: Kimberly Bradley
  • Tradução: Mariana Serpa
  • Ano: 2017
  • Editora: Darkside Books
  • Páginas: 240
  • Amazon

rela
ciona
dos

7 livros para sagitarianos Os livros queridinhos do TikTok Livros de não ficção mais vendido em 2021 Livros de ficção mais vendido de 2021