Se até o dia de hoje eu não tivesse me convencido sobre o quão grandiosas são as obras de Lucinda Riley, eu provavelmente o estaria fazendo agora. O que é a escrita desta autora? Que percepção é essa sobre os seres humanos e sua natureza, que capacidade que ela tem de nos aproximar de suas narrativas, de criar identificação, de transformar personagens em pessoas reais, cotidiano em um enredo que não apenas envolve, mas emociona. É talento que transborda, é saber exatamente a mensagem que quer passar, e assim o fazer.

Posy amava sua casa e toda a fantasia que seu admirado pai criava em torno da fauna e flora, principalmente das belas borboletas, que cercavam a propriedade Admiral House. Seu reino encantado, que tinha tudo para ser perfeito se não fosse as constantes ameaças que a guerra trazia. Assim, com o retorno de seu pai para as trincheiras, e com uma mãe que pouco se esforçava para gostar da garotinha de sete anos que Posy era, ela precisa se afastar de tudo que lhe era especial e partir para a casa da sua avô, uma propriedade rural e simples, porém quentinha de amor.

(…) — Às vezes, querida, mesmo quando o coração diz para ir em uma direção, a gente precisa seguir nossa cabeça. Todos precisamos tomar decisões difíceis em algum momento da vida, certo?

Agora, prestes a completar setenta anos, viúva, com dois filhos e dois netos, Posy se revela uma mulher muito mais forte, independente e determinada do que se quer imaginamos quando conhecemos aquela garotinha de sete anos que precisou enfrentar perdas e situações dilacerantes. Posy está de volta a Admiral House, ela se formou em botânica, um feito imenso para uma mulher da época, se casou – ainda que não tenha sido com seu grande amor -, um casamento feliz que lhe concedeu dois filhos. Sam, o filho mais velho e um tanto quanto problemático, frustrado por sua vida empreendedora não andar muito bem e Nick, seu doce e amado filho, um apaixonado por antiguidades que escolheu se mudar para a Austrália há mais de dez anos e a está deixando louca de saudades, saudades essa que está prestes a ser sanada.

Entretanto, não é apenas Nick que está de volta a Suffolk, Freddie, seu primeiro amor e aquele que partiu seu coração sem nenhuma dó está bem diante de seus olhos e desesperado para revelar o segredo devastador que o fez se afastar há vinte anos. O problema é que Posy pode não estar preparada pelo que estar por vir, assim como para todo o turbilhão que irá atingir sua família.

A Sala das Borboletas é muito mais do que um romance, é um livro sobre mulheres fortes, relações familiares, esperança, perdão, amizades, a capacidade de superar obstáculos e seguir em frente. É um retrato cru das emoções humanas e de como cada um lida com as frustrações e perdas ao longo do caminho. O tipo de história intensa que deixa as emoções a flor da pele, que inspiram, emocionam e nos fazem refletir.

Posy era apenas uma garotinha quando a pior notícia que poderia receber chega a seus ouvidos. Toda a sua vida muda a partir daí, e quem deveria ser seu alicerce naquele momento –  como em muitos outros -, a ignora e se afasta, deixando a cargo de sua avó, uma mulher forte, inteligente e muito amorosa, o prazer de lhe educar e fornecer todo o amor e amparo que ela precisava. Ano após ano, nutrindo sonhos e expectativas que não cansavam de se frustrar, ela foi se fortalecendo, ocultando suas emoções mais profundas e dando o seu melhor para ser a mulher que pai e sua avó esperavam. Assim, ela se tornou a melhor aluna da escola, entrou na faculdade, casou-se, ficou viúva, se dedicou de corpo e alma a seus filhos e seu jardim amado em Admiral House. A casa que sempre a cercou de amor, que carrega todas as suas lembranças mais felizes, e que agora está em ruínas, precisando de restauração e reformas as quais ela não pode arcar. Vender talvez seja a única opção, mas como abrir mão daquilo que lhe foi palco de tantos momentos felizes, e de toda a história de sua família… mas que também está rodeada de segredos.

É o amor que faz a magia acontecer na vida, Posy. Mesmo no dia mais sem graça, nas profundezas do inverno, o amor pode fazer o mundo se iluminar e parecer lindo como agora.

Que personagem mais maravilhosa, Posy me conquistou desde o início, ainda quando garotinha, cheia de vida, sonhadora e esperta, até quando já adulta, no auge de seus setenta anos, tão sábia e madura, sagaz em suas conclusões e lutando bravamente para não ver sua família ruir. O tipo de protagonista feminina forte, que contagia por sua determinação, por sua bravura e coragem. Assim como, todas as demais que irão aparecer no enredo, cada uma com sua história a contar, com sua luta por fazer, carregando o peso de escolhas e decisões que irão te arrepiar e angustiar.

Eu costumo dizer que os livros da Lucinda Riley não são para serem resenhados e esmiuçados em textos que iremos falar e falar, sem de fato poder falar nada. Suas obras tem como característica principal, essa mescla entre o passado e o presente, carregando gerações, ou como no caso deste livro, a história de uma única mulher. Mas, o que de fato dificulta essa ação de transmitir o que o livro tem a passar, é que todo o enredo é repleto de segredos, tão bem amarrados que por vezes parecem teias que não sabemos onde começa e termina. São histórias que se cruzam, caminhos que se entrelaçam e personagens que precisam contar sua história, ser parte daquilo que está sendo entregue, surgindo do nada e compondo tão perfeitamente a partitura que está sendo cantada. O que quero dizer, é que mesmo tendo sim, um protagonista, o livro vai muito além dele, quase como se fosse uma novela, ou um filme que se passa bem diante de nossos olhos, com várias histórias que acontecem ao mesmo tempo, ainda que em núcleos diferentes.

Um lar não é feito de tijolos e argamassa. Meu lar é aqui, nos seus braços.

Enfim… A Sala das Borboletas, é um baita livro, uma história incrível, que te suga para dentro das páginas desde o primeiro parágrafo. É uma leitura intensa, por vezes densa, carregada de emoções que te deixam com um nó na garganta e olhos lacrimejantes, ao mesmo tempo em que te faz sorrir por algo doce e fofo que aconteceu em contrapartida. Um livro que não tem medo de falar sobre muitas facetas de um relacionamento familiar, suas “obrigações” para com ele, e o desespero por ver aquilo que se findou, e ainda assim, sentir que um novo começo está ao virar da página. É impossível lagar o livro antes de desvendar cada segredo, antes de superar cada reviravolta, e perceber que aquilo que você tinha como certo, era apenas um desvio, uma artimanha da autora para desfocar sua atenção pelo que de fato estava se revelando bem na sua frente.

O que posso te garantir caro leitor, é que você irá se apaixonar e surpreender. Que nada do que foi dito aqui de fato fez jus a grandiosidade e dimensão da obra, que é tão complexa, completa e envolvente. O tipo de leitura que fica em nossos corações mesmo depois do ponto final. Que provavelmente irá te tocar em pontos diferentes do que a mim foram tocados, ou que talvez toque exatamente os mesmos, vai saber? Fica aqui essa super dica de leitura. Se tiver a oportunidade, leia e assim como eu, sinta todo o talento de Lucinda te abraçar.

Até a próxima! Bye.

  • The Butterfly Room
  • Autor: Lucinda Riley
  • Tradução: Alves Calado
  • Ano: 2019
  • Editora: Arqueiro
  • Páginas: 496
  • Amazon

rela
ciona
dos

Todos os detalhes das obras de Cesar Bravo Todas as novidades do spin-off de “Extraordinário” Junji Ito anuncia série de terror pela Netflix Lançamentos de livros que chegarão as livrarias em breve