[Eventos] Very Important Book

No finalzinho do ano passado, o Grupo Editorial Record convidou um grupo de blogueiros do Rio de Janeiro para um evento exclusivo no centro de convenções de um hotel no Aeroporto Santos Dumont. Lugar muito bonito, por sinal. Para quem não conhece o Rio, ele fica próximo da Baía de Guanabara com vista para o Pão de Açúcar e a Ponte Rio-Niterói. Enfim, adivinhem... o Estante Diagonal estava entre os blogs convidados! Rolou um mistério do que realmente aconteceria nesse evento. A única informação que tínhamos era que eles anunciariam dois lançamentos de 2018.


Resenha: Suicidas

Título Original: Suicidas
Autor: Raphael Montes
Ano: 2017
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 432
Amazon - Saraiva

Suicidas, o primeiro livro de Raphael Montes, ganhou neste ano pela Companhia das Letras uma nova edição desta história, que originalmente fora lançada pela Benvirá. 

Em Suicidas, a delegada Diana Guimarães, tentará pela última vez, resolver um caso envolto a muito mistério. Há um ano, nove amigos reuniram-se em um porão para participar de uma Roleta Russa, um jogo de azar onde os participantes colocam uma bala no tambor de um revólver para atirarem em suas próprias cabeças, porém, não se sabe por qual motivo, a "brincadeira" resultou na morte de todos. 

Com a descoberta de uma nova prova, Diana reúne as mães desses jovens para lhes apresentar um caderno, escrito por Alessandro de Carvalho, um dos envolvidos na Roleta Russa, com detalhes do jogo. Enquanto a delegada lê os acontecimentos ocorridos naquele mesmo porão, as mães, ao mesmo tempo que sofrem e choram com os relatos narrados por Diana, precisam achar respostas para os motivos que levaram seus filhos a cometem suicídio.

Raphael Montes se utiliza de três diferentes formas de narrativas e perspectivas para contar esta história. Primeiramente teremos os capítulos em que acompanharemos a delegada e as mães dos amigos lendo e comentando todas as anotações de Alessandro referente ao fatídico dia. Nestas partes, é possível se emocionar e criar empatia pelas famílias dos jovens, que, mais vez, são confrontadas com a realidade que seus filhos passaram. As reações dessas mães são muito genuínas, tenho certeza que, se lêssemos algo assim, o detalhamento da morte de um ente querido, demonstraríamos as mesmas reações. 

"É impressionante a atração humana pela desgraça alheia."

Resenha: O Ceifador

Título Original: Scythe
Autor: Neal Shusterman
Ano: 2017
Editora: Seguinte
Páginas: 448
Amazon - Saraiva

O Ceifador é um lançamento do primeiro semestre de 2017, pela Seguinte e escrito pelo autor Neal Shusterman.

A humanidade enfim atingiu a imortalidade. Não existem mais doenças, guerras ou miséria, as pessoas conseguem viver centenas de anos, são imunes ao tempo e a velhice. E se você morrer por acidente, dentro de alguns dias você retornará a vida através da revivificação. Por trás desta sociedade perfeita está a Nimbo-Cúmulo, uma inteligência artificial e grande entidade do planeta, porém, que não consegue controlar tudo.

A Nimbo-Cúmulo percebeu que a Terra não comportaria toda a população por muito tempo e por este motivo, criou-se um grupo de pessoas responsáveis para manter o equilíbrio da sociedade. Com base em dados estatísticos e julgamentos da Era da Mortalidade, é garantido que algumas pessoas morram. As ações da Ceifa não podem ser contestadas pela Nimbo-Cúmulo, quem morre pelas mãos de um ceifador não pode voltar a vida.

Através do Honorável Ceifador Faraday, Citra Terranova e Rowan Damisch têm seus destinos cruzados. Escolhidos para serem aprendizes do ceifador, ambos deverão ficar sobre sua proteção por um ano e ao final deste prazo, apenas um deles poderá ser ordenado. Uma vez dentro da Ceifa, Crita e Rowan perceberão que os ceifadores têm percepções diferentes sobre os papeis que desempenham e estar tão perto desta realidade poderá colocar um com outro muito rapidamente.

"-Aí está o paradoxo da profissão - Faraday disse. - A função não deve ser concedida aos que a desejam. São aqueles que mais se recusam a matar que devem exercê-la."

Resenha: Alena

Título Original: Alena
Autor: Kim W. Andersson
Ano: 2017
Editora: Avec Editora
Páginas: 120
Amazon - Saraiva

Alena é a primeira graphic novel europeia de horror a ser publicada no Brasil, pela Avec Editora. Sob a autoria do quadrinista sueco Kim W. Andersson, Alena foi a ganhadora de um dos maiores prêmios dos país, direcionado apenas para quadrinhos, a The Adamson Statue. Além disso, em 2015, a graphic novel foi adaptada para o cinema com o mesmo nome. 

Nesta história conheceremos Alena, bolsista numa escola elitista, ela é constantemente alvo de bullying e a principal causadora do seu sofrimento é Filippa, uma das mais populares e arrogantes garotas da escola. Alena parece não ser ouvida naquele lugar e sua melhor amiga, Josefin, a encoraja para que ela não aceite mais as provocações e que caso ela não tome alguma atitude, ela mesmo irá resolver todo o problema. Só há um porém, Josefin está morta há um ano.

Quando Kim W. Andersson veio ao Brasil, para a 63º Feira do Livro de Porto Alegre e também para uma sessão de autógrafos em São Paulo, tive o prazer de conhece-lo pessoalmente. Kim foi muito simpático com cada leitor e garantiu para cada um, o seu autografo que levava o rosto da sua protagonista banhada a sangue. Pelas poucas palavras que troquei com ele pude sentir o quanto Kim é apaixonado pelo que faz e o prazer que ele tem em se relacionar com as pessoas. Um reflexo avesso se comparado a personalidade de sua personagem.

Desafio Clube de Temas 2018

Em 2018 vamos participar de um Clube de Temas! A cada mês um grupo de blogs, e quem mais quiser participar, irá ler e resenhar um livro qualquer que aborde um gênero literário específico. A ideia é sairmos, de vez em quando, da nossa zona de conforto. Dá uma conferida em como vai funcionar este calendário!

Janeiro: Terror • Fevereiro: Erótico • Março: Policial • Abril: Distopia • Maio: Fantasia • Junho: Romance • Julho: Biografia • Agosto: Sick Lit • Setembro: HQ • Outubro: Infanto Juvenil • Novembro: Suspense • Dezembro: Contos

Resenha: A Invasão de Tearling

Título Original: The Invasion of the Tearling
Autora: Erika Johansen
Ano: 2017
Editora: Suma de Letras
Páginas: 395

Kelsea Glynn foi educada desde pequena para ser capaz de compreender as nuances que formam a política de um reino. Foi aconselhada a ouvir, descobriu detalhes da história do Tearling, cada mito e possível segredo mágico que transformou a nação promissora em uma obra em ruínas, cercada pelos mais temíveis inimigos. 

Com apenas dezenove anos a garota conquistou duas safiras cujos poderes inimagináveis vão muito além de nossa compreensão, tomou o trono de Tearling para si, derrotou um sistema de escravidão e desafiou a própria Rainha VermelhaAs ações precipitadas de Kelsea não demoram a apresentar suas terríveis consequências. Agora o exército de Mortmesne avança com toda a força na direção de seu castelo. A Rainha Vermelha volta seu olhar para as duas safiras penduradas orgulhosamente no pescoço daquela que é considerada a Rainha Verdadeira, as sombras se concentram ao redor do que pode vir a se materializar como o destino final do Reino de Tearling

Com os desafios do presente, nem mesmo as visitas ao passado, aquilo que poderíamos considerar como a mais nova atividade proporcionada pelas antigas safiras, pode salvar o reino da morte que se aproxima como uma grande tempestade no horizonte.

"A rainha não pensou nos soldados, só em princípios e princípios eram um consolo vazio para homens que iriam morrer."

A Invasão de Tearling constrói-se e desenvolve-se logo após os eventos finais do primeiro livro. Quando Kelsea Glynn proíbe e enfrenta o tratado firmado por sua mãe, que estabelecia o envio de escravos para o Reino Mort, toda a população do Tearling se transformará em alvo da vingança da misteriosa Rainha Vermelha, e, não será o pequeno exército de Kelsea quem irá impedir o avanço das forças Mort.