Leve-me Com Você | Catherine Ryan Hyde

Título Original: Take Me With You 
Autora: Catherine Ryan Hyde
Tradução: Débora Isidoro
Ano: 2018
Editora: Darkside Books
Páginas: 336 

Leve-me Com Você é um bestseller do New York Times, publicado no Brasil pela Editora Darkside Books em uma edição primorosa, com cores lindas, um corte verde água de encantar e detalhes que remetem a trama e aos cenários que visitaremos durante a leitura. Mas não é somente o trabalho gráfico que encanta, e sim, a história de amor de um pai pelo filho e entre pessoas desconhecidas. 

August Shroeder é um professor de ciências que está partindo em seu motor home para uma viagem de férias de verão. Mas há outro motivo por trás dessa jornada, na verdade seu objetivo é chegar a reserva natural chamada Yellowstone para espalhar as cinzas de seu filho Phillip, que morreu há dois anos. Uma perda como essa não se supera tão facilmente e ele ainda sofre com a fase de negação. 

Com problemas em seu veículo, August se vê obrigado a parar em uma oficina mecânica para manutenção. Enquanto espera, ele conhece os filhos do mecânico, que brincam com seu cãozinho Woody. Os garotos são Seth, que tem doze anos e Henry de sete, e são as crianças mais fofas que você vai conhecer. 

Uma proposta inusitada surge desse encontro. Wes, o pai dos garotos, quer que August leve seus filhos durante os três meses de férias junto com ele em sua viagem. Pois a verdade é que ele não tem com quem deixar as crianças, já que ficará preso novamente. Em troca, ele não precisará pagar pelo conserto do trailer, nem pelas peças e até receberá de volta o dinheiro do guincho, o que é tentador para August já que precisa de dinheiro para o combustível e não estava contando com esse imprevisto.

Imbatível | Stuart Reardon & Jane Harvey-Berrick

Título Original: Undefeated
Autores: Stuart Reardon & Jane Harvey-Berrick
Tradução: Claudia Costa Guimarães
Ano: 2018
Editora: Record
Páginas: 392
Amazon

Nick Renshaw achava que nunca seria bom em nada, até começar a jogar rugby. Ele descobriu no esporte a paixão e a motivação que precisava para finalmente se tornar o homem que gostaria de ser. Nunca imaginou sua vida de outra forma, nunca teve um plano B, nunca pensou em si mesmo exercendo outra função. Então, quando um acidente em campo ameaça por fim em seus sonhos, ele não sabe mais quem é. Sua vida parece perder o sentido e quem mais deveria apoiá-lo vira as costas para sua dor. A luz no fim do túnel parece ser uma psicóloga que ele reluta em conhecer. 

Anna Scott parece saber como trazê-lo de volta do inferno, ela tem as palavras certas, a compreensão necessária e para seu deleite, as pernas mais lindas que ele já viu. Negar a atração que ambos sentem já não é uma opção, mas uma relação nessa situação seria impossível, errado e totalmente proibido. Suportar o peso do mundo nas costas só é possível para alguém imbatível e Nick precisa mostrar que é capaz. Capaz de vencer o mundo e conquistar a garota.

Stuart Reardon estampa a capa de seu próprio livro, e precisaríamos ser cegas para não perceber a beleza existente nesse homem incrível. O que talvez não soubéssemos, é que ele seria tão bom com as palavras. Seu livro de estreia, em parceria com a autora veterana Jane Harvey-Berrick, é ricamente detalhado, cheio de emoção e sensualidade. E ainda possui aquele toque de romance proibido que costuma mexer com a nossa imaginação. Me enganei quando pensei que encontraria uma história rasa e cheia de apelação sexual desnecessária. A verdade é que Imbatível traz uma lição de vida, é capaz de inspirar mesmo os dias mais sombrios e ainda te fará sonhar com o príncipe encantado; ou ao menos, com um certo jogador de rugby. E já que começamos falando de Nick, é necessário que você saiba que tipo de personagem encontrará nele, já que é a trajetória dele que acompanhará enquanto saboreia as páginas dessa obra tão completa.

A Última Travessia | Mats Strandberg

Título Original: Die Überfahrt (Klappenbroschur)
Autor: Mats Strandberg
Tradução: Fernanda Sarmatz Åkesson
Ano: 2018
Editora: Morro Branco
Páginas: 512

Meu ano começou com uma leitura magnífica e por incrível que pareça, foi um dos livros que mais enrolei para ler em 2018. Mas confesso que muito por justamente achar que ele seria ótimo e querer deixá-lo sempre para ler em um momento especial. Esse momento foi para dar-lhe a honra de ser minha primeira leitura de 2019, e que leitura!

A Última Travessia conta a história de um cruzeiro pelo mar Báltico, saindo da Suécia e indo até a Finlândia, abordo do navio Baltic Charisma. Nele, diversos tipos de pessoas irão se encontrar e viver o pior terror de suas vidas naquela noite. 

O livro é narrado em terceira pessoa, contando a história de dez personagens ao mesmo tempo, cada capítulo se referindo a algum deles. Primeiro descrevendo cada um, mostrando o porquê de eles estarem no navio. Temos o caso de uma das mulheres que resolveu pegá-lo apenas para passar uma noite e fazia isso pelo menos três vezes no mês, já que era tão solitária e no navio acabava conhecendo pessoas diferentes. E também conhecemos Tomas, pai de Albin e marido de Cilla, alcoólatra incontrolável que faz a família passar vergonha o tempo todo. 

A construção de cada um dos personagens é maravilhosa, é feita com uma maestria incrível, você consegue sentir como se realmente estivesse conhecendo aquelas pessoas. Você, involuntariamente, começa a torcer por algumas delas antes mesmo de saber qual o perigo que eles irão correr ou quem será o bonzinho e quem fará parte do lado negro da viagem. 

Mats Strandberg é muito detalhista na ambientação, descrevendo bem o navio, as cabines e as partes de convívio comum em cada um dos andares. No começo do livro inclusive há uma fotografia do “corpo” do navio, indicando onde fica cada uma das ocupações do cruzeiro, o que, realmente, é bem comum de se encontrar dentro desse tipo de transporte.

O Mundo Sombrio de Sabrina | 1° Temporada

Criado por: Roberto Aguirre-Sacasa
Com: Kiernan Shipka; Ross Lynch; Lucy Davis; Miranda Otto; Chance Perdomo; Michelle Gomez; Tati Gabrielle
Gênero: Fantasia; Terror; Drama
Duração: 10 episódios – 55 minutos

Inspirado na história em quadrinhos Sabrina the Teenage Witch, publicada pela Archie Comics, O Mundo Sombrio de Sabrina interliga ocultismo, satanismo e bruxaria à dramas adolescentes e temáticas atuais fortemente debatidas nos mais diversos meios de comunicação. Ainda que apresente pequenos deslizes ao longo da construção de sua narrativa, muitos deles justificados ou revertidos quando observamos o avanço dos episódios, coisa que muitas séries adolescentes não é capaz de realizar, a nova aposta da Netflix, elaborada pelos mesmos produtores de Riverdale, acerta muito mais do que erra e, por seu clima sombrio claramente inspirado em clássicos do terror, ela não poderia deixar de aparecer no Estante Diagonal.

A premissa é muito simples: uma jovem garota, cujo sangue integra características mortais e bruxas, ao completar dezesseis anos deve decidir por abdicar ou não de sua vida entre os humanos normais. Caso ela decida abandonar seus amigos e colegas de escola, seu namorado e sua militância feminista em meio aos desafios enfrentados por mulheres mortais – pois sim, o seriado possui um discurso muito interessante em favor da igualdade e equidade – ela deverá assinar seu nome no “Livro da Besta” e jurar lealdade a ninguém mais, ninguém menos do que o capiroto em pessoa.

Uma Dobra no Tempo | Madeleine L'Engle & Hope Larson

Título Original: A Wrinkle in Time: The Graphic Novel
Autores: Madeleine L'Engle & Hope Larson
Tradução: Érico Assis
Ano: 2018
Editora: Darkside Books
Páginas: 392


Uma Dobra No Tempo é considerado um clássico da fantasia e da ficção científica. Lançado originalmente em 1962, o livro ganhou uma nova edição por aqui em 2018 e a Darkside Books, foi a editora responsável por trazer a adaptação em quadrinhos da história.

Já é noite quando Meg Murry e seu irmãozinho mais novo, Charles, descem para fazer um lanche na cozinha, até que uma estranha figura os surpreende para lhes fazer companhia. Não demora muito para que a conversa absurda da Sra. Quequeé, atraia os garotos para sua afastada casinha no dia seguinte. Lá, ela e duas amigas, tão excêntricas quanto ela, se mostram sendo peças chaves para ajudar a Família Murry a ter pistas do paradeiro do patriarca, desaparecido já há algum tempo, quando realizava alguns experimentos em seu laboratório. 

É assim que Charles, Meg e seu melhor amigo, Calvin, partem em busca de aventuras por mundos e dimensões diferentes do universo, acompanhados das criaturas mais fantásticas. Mas eles seriam capazes de encontrar seu pai e traze-lo de volta para casa nesta jornada entre o tempo-espaço?

"Se você não for infeliz em alguns momentos, não saberá como ser feliz."

Tolos e Mortais - Bernard Cornwell

Título Original: Fools and Mortals
Autora: Bernard Cornwell
Tradução: José Roberto O Shea
Ano: 2018
Editora: Record
Páginas: 364
Amazon

A maioria das pessoas já ouviram falar de William Shakespeare, o grande dramaturgo e ator inglês do século XVI, autor de renomados clássicos como Romeu e Julieta, A Megera Domada, Rei Lear, MacBeth, Sonhos de Uma Noite de Verão e muitas outras peças. Nascido em 1564, em Stratford, filho de uma família rica, foi o terceiro de uma prole de oito filhos. E aqui vai uma curiosidade, William era o mais velho dos filhos que sobreviveram, é incrível a quantidade de crianças da família que morreram precocemente, três deles antes de completar dez anos.

Mas porque falar tanto sobre a família Shakespeare? Porque o livro é sobre ela e a vida de William, assim como sua obra. Tolos e Mortais é narrado por Richard Shakespeare, irmão de William, dez anos mais novo que ele e com o mesmo sonho do irmão mais velho, se tornar um grande ator de teatro. 

A história começa na cidade natal da família, Stratford, que fica a duas horas de Londres. Richard é criança e já atua em algumas peças, mas sempre com papéis femininos, já que tem uma baixa estatura e seu rosto ainda não têm pelos. Seu grande desejo é conseguir um personagem masculino e de grande representatividade no cenário teatral, para isso, vai fugir para Londres e encontrar seu ainda não famoso irmão. 

O livro mostra como a sociedade era preconceituosa com atores, como eles eram tidos quase como contraventores e só tinham lugares escusos para se apresentarem. Mas por outro lado a rainha tinha sua trupe teatral favorita e queria as peças que William estava escrevendo, começando assim uma guerra de espionagem teatral em plena Londres Elisabetana.