Resenha: A Sala dos Répteis

Título Original: The Reptile Room
Autor: Lemony Snicket
Ano: 1999
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 181
Compre: Saraiva - Amazon

Após acompanhar o Mau Começo dos órfãos Baudelaire, suas desventuras, coragem e perseverança frente a um vilão mal-humorado e extremamente cruel, é chegada a hora de descobrir o que o futuro esconde após o momento em que viramos a última página do primeiro livro. 

Como não poderia ser diferente, aviso àqueles que desconhecem os sofrimentos mantidos nas páginas destes livros. Me aproprio do conselho de Lemony Snicket, e afirmo que aqui você não encontrará uma história feliz, um final agradável, um vilão derrotado e um mundo perfeito. Caso esse tipo de história não te agrade, não faça o seu estilo, entenderei se quiser fechar essa resenha, e garanto que não ficarei magoada, pois os acontecimentos do segundo livro de Desventuras em Série são tão, ou talvez mais tristes do que os do primeiro.

Em A Sala dos Répteis, Violet, Klauss e Sunny observam um futuro acolhedor no horizonte, porém, as alegrias estabelecidas nas primeiras páginas desse livro servem apenas para levantar falsas esperanças. Senhor Poe realizou o trabalho que é pago para realizar e encontrou um novo tutor para os irmãos Baudelaire, um cientista chamado Montgomery Montgomery – e por favor, não façam piadinhas com seu nome, não é nada educado. Tio Monty estuda répteis, possui a receita do melhor bolo de creme de coco que você já provou e é o melhor tutor que as crianças poderiam esperar. Ele as inclui em suas tarefas, as trata com respeito e carinho, mas como tudo na vida desses irmãos desafortunados, momentos felizes escondem tempestades chegando.

Logan - Crítica

Logan

Lançamento: 2 de março de 2017
Com: Hugh Jackman; Patrick Stewart; Dafne Keen; Boyd Holbrook; Stephen Merchant
Gênero: Ação; Drama

Esta crítica foi feita em conjunto, portanto, a parte em preto é de autoria da Izabel e a parte em verde pela Joice.

Lembro de uma época - muito antes da popularização dos filmes de super-heróis - em que uma garotinha não se deixava iludir por nomes como Batman ou Homem Aranha. Por motivos desconhecidos, na mente em desenvolvimento de uma criança, uma boa história de super-heróis só poderia existir se estivesse contextualizada no universo de X-Men. E assim ela passou bons anos de sua vida acompanhando as aventuras, desafios e perdas de algo muito maior do que um grupo que não se encaixava. Hoje, sou capaz de perceber as nuances dessa franquia; todas as vezes com que refletiu nosso mundo e nossos preconceitos dentro de uma história fictícia; quando explorou, de maneira impecável, os mais diversos tipos humanos, me via assombrada, pois sabia que tudo aquilo, embora exposto em um desenho animado, uma história em quadrinhos ou em formato de filmes, possuía toques de verdade.

Mas, para além da identificação que uma menininha sentia com um grupo deslocado da sociedade, mais do que compreender as pequenas grandes mensagens escondidas em cada detalhe deste universo, hoje me foi dada a oportunidade de confirmar tudo o que um dia desejei, e em mesma medida, temi. Com o coração pesado, olhos embaçados e a falta que sei que dois personagens especiais farão, venho por meio desta - com toda a admiração de uma fã, tristeza de uma criança que perde um amigo e orgulho de alguém que cresceu e foi moldada por esta história - compartilhar algumas palavras sobre uma adaptação que fez jus às adaptações de histórias em quadrinhos, é sensível e cruel, terrivelmente bela e fecha, de forma impecável, o arco de nosso querido Wolverine.

Resenha: Diga aos Lobos que Estou em Casa

Título Original: Tell the Wolves I’m Home
Autora: Carol Rifka Brunt
Ano: 2012
Editora: Novo Conceito
Páginas: 459
Compre aqui

A primeira vez que ouvi falar no livro Diga aos Lobos que Estou em Casa foi em um vídeo de um canal gringo. Lembro de ter achado o nome dessa obra fascinante, de ter me interessado muitíssimo por tudo o que a pessoa comentava sobre a história e de ter caído de amores pela capa, que por sinal, é a mesma da edição nacional. Naquele momento decidi que leria o livro assim que tivesse a oportunidade, mas o tempo passou e acabei me esquecendo desse nome peculiar e misterioso. Semanas, talvez meses depois, descobri que o exemplar já havia sido lançado no Brasil e que estava em promoção. Como sou uma leitora consumista de carteirinha, levei para casa um exemplar, porém mais alguns meses passaram até que finalmente me debrucei sobre esta obra maravilhosa e descobri que deveria ter iniciado a leitura assim que o adquiri, pois, o tempo que passei sem conhecer essa história nunca poderá ser recuperado.

“É difícil fazer isso, decidir acreditar em uma coisa em vez de outra. Geralmente a cabeça se decide sozinha. ”

Nesta história nós iremos acompanhar os dias de June Elbus, a filha mais nova de um casal de classe média que lida com contabilidade. June não é tão linda, atraente, magra e inteligente quanto sua irmã mais velha, Greta. Ela se esforça, faz o possível para atingir as expectativas, mas é comparada com o progresso e prodígio de sua irmã, porém, as diferenças entre as duas nunca foram um problema. As duas sempre foram unidas, melhores amigas, dividiam segredos, brincadeiras e sentimentos, até o momento em que Greta começou a se distanciar e agir de forma cruel e maldosa com relação a irmã.

Resenha: Mentiroso - Selvagem Irresistível

Título Original: Wicked Sexy Liar
Autora: Christina Lauren
Ano: 2016
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 384
Compre: Saraiva - Amazon

Mentiroso é o livro que encerra a série Selvagem Irresistível, uma série que sem dúvidas, vai deixar saudades, uma série que demonstrou um amadurecimento ao longo dos seus lançamentos, não só sobre as histórias distintas de cada casal, mas um amadurecimento na escrita das autoras Christina Hobbs e Lauren Billings.

Diferentemente dos três volumes anteriores, Mentiroso não irá contar a história de um dos três casais que se conheceram e se casaram em uma noite de curtição em Las Vegas, aqui iremos encontrar a história de dois personagens que apareceram ao longo dos livros anteriores e que se destacaram ao ponto de ganharem espaço para contarem suas próprias histórias.

London Hughes já é formada em Design, mas prefere trabalhar dobrado como bartender e surfar em seu tempo livre. Uma vida mansa, sem preocupações, exatamente com aquilo que ela precisa no momento. Luke Sutter namorou durante muito tempo Mia Holland, protagonista do primeiro livro da série, e como bem sabemos, Luke e Mia não conseguiram segurar a barra depois do acidente que mudou drasticamente a vida da bailarina. Após seis anos, Luke sabe que não superou o rompimento, mas mascara isso colecionando noitadas com mulheres e seu telefone não para de pipocar mensagens com as propostas mais indecentes. Esta rotina vazia, por enquanto, o preenche.

"-Mas será que a gente antecipa as coisas importantes que acontecem? Uma vida previsível nunca mudou ninguém."

Lançamentos de Março

Olá pessoas! 
No começo do ano eu já trouxe para vocês alguns dos lançamentos do começo de 2017. Porém, faltaram alguns títulos e recentemente, foi anunciados alguns livros que eu não poderia deixar de comentar com vocês novamente! Confira.

Grupo Editorial Record

O blog agora é parceiro do Grupo Editorial Record então estes são alguns dos lançamentos de março da editora. Uma Jornada Para Casa é o livro que inspirou o filme, indicado ao Oscar, Lion. As primeiras quinze vidas de Harry August é um livro que tem cido comentando recentemente e me intriga bastante. Em breve teremos resenha A Chama Dentro de Nós, O Muro e Uma Semana de Inverno.