Estrelas Além do Tempo - Crítica

Hidden Figures

Lançamento: 2 de fevereiro de 2017
Com: Taraji P. Henson; Octavia Spencer; Janelle Monáe; Kevin Costner; Kirsten Dunst; Jim Parsons;
Gênero: Drama; Biografia

Se analisarmos esse grupo único e diversificado que compreendemos como humanidade, todos os caminhos trilhados até chegarmos ao ponto temporal em que nos deparamos no exato momento do agora, encontraremos os mais diversos tipos de histórias. A história da humanidade, ao contrário do que pretendem nos vender os senhores da propaganda e grandes líderes políticos, é feita de pequenos atos de heroísmo que somados, nos impulsionam para um futuro nunca antes imaginado.

Para além dos líderes que moveram multidões, os pensadores capazes de mudar a forma de ver o mundo de uma sociedade, os heróis de guerra condecorados, a humanidade ganha corpo e graça com aqueles heróis escondidos na multidão, pessoas que fizeram a diferença e, direta ou indiretamente, mudaram o destino de milhares! É sobre heróis escondidos, grandes heroínas cujas histórias são tão inspiradoras quanto as de patrulheiros espaciais ou seres de outros planetas, que Estrelas Além do Tempo irá abordar.

Entre as décadas de 1950 e 1960, as duas grandes forças que eram a URSS e Estados Unidos se enfrentavam nos mais diversos campos, fossem eles do conhecimento, política ou economia. A corrida espacial, serve como palco para a história de três mulheres brilhantes, heroínas que, à sua maneira, mudaram o destino de uma instituição, de homens incapazes de desvendar os mistérios escondidos nos números ou mesmo na enorme complexidade que podiam ser os primeiros computadores. Nesse período, o destaque e reconhecimento que hoje atribuímos a NASA, existia apenas como uma sombra no horizonte. A instituição não sabia, mas esperava por pequenas grandes mudanças. Necessitava das mentes certas, da força de mulheres capazes de ver além, e com suas mentes brilhantes serem capazes de alcançar as estrelas.


A Chegada - Crítica

Arrival

Lançamento: 24 de novembro de 2016
Com: Amy Adams, Jeremy Renner, Forest Whitaker
Gênero: Ficção Científica

A Chegada é a adaptação do conto História da Sua Vida do premiado autor de ficção científica Ted Chiang, lançado aqui no Brasil pela editora Intrínseca. O filme recebeu 8 indicações ao Oscar, dentre elas a de melhor filme, melhor direção, fotografia e melhor roteiro adaptado. 

Doze naves alienígenas apareceram em 12 locais diferentes ao redor da Terra e para tentar estabelecer uma comunicação com os seres destas naves, a linguista especializada, Dra. Louise Banks (Amy Adams) é convocada pela força militar dos Estados Unidos para tentar traduzir a linguagem dos visitantes. Juntamente com o matemático Ian Donnelly (Jeremy Renner), Louise tentará compreender se eles representam uma ameaça ou não, porém, para ser capaz de obter todas as respostas e desvendar todos os mistérios que envolvem estes seres interplanetários, Louise precisará contar com um tempo maior que possui, pois, os outros países envolvidos parecem não estar dispostos a cooperar e estão prestes a iniciar uma guerra global.

Feita as apresentações, vamos as minhas impressões sobre o filme. A Chegada inicia com uma boa abordagem sobre as relações políticas entre os países envolvidos pela chegada desses visitantes e isso que causa toda a tensão ao longo do filme, pois obviamente, além de interesses divergentes, também não há tanta cooperação entre as potencias, o que acaba ocasionando uma série de conflitos mundiais.

Manchester à Beira Mar - Crítica

Manchester by the Sea

Lançamento: 19 de Janeiro de 2017
Com: Casey Affleck, Michelle Williams, Kyle Chandler
Gênero: Drama

Manchester à Beira Mar é um dos nove filmes indicados ao Oscar e além de melhor filme, também recebeu indicações em outras 5 categorias na academia. Agora eu vou falar um pouco sobre este filme que me emocionou bastante.

Após a morte do irmão, Lee Chandler (Casey Affleck) precisa retornar para sua cidade natal para tratar do enterro e de outras questões relacionadas. No dia da leitura do testamento do falecido irmão ele descobre que se tornou o tutor de seu único sobrinho, um adolescente cujo paradeiro da mãe é desconhecido.

Lee já não tinha uma vida lá muito satisfatória e não vê como conseguirá cuidar de um adolescente sozinho. Ele mora e trabalha em Boston e para cuidar de Patrick (Lucas Hedges), seu sobrinho, ele precisaria largar tudo e se mudar para Manchester. Além disso, Lee tem seus motivos para não querer voltar a viver na cidade em que cresceu e enfrentar as razões que o fizeram ir embora e deixar sua família para trás, talvez desperte dele muitos sentimentos que já estavam adormecidos. 

Definitivamente esse filme não segue o modelo dos blockbusters ao qual estamos acostumados. Na verdade o ritmo dele segue de forma bem mais sentimental e profunda, por isso pode não agradar à todos. Mas o que realmente prende a atenção nesta obra é a forma como a história é contada, mudando constantemente do passado de Lee para o presente, nos ajudando assim a entender mais o personagem e o porquê de ele ser como é hoje.

Especial Oscar 2017


Olá pessoas!

CA-RA-CA. Já estamos indo para o nosso terceiro ano de Especial Oscar! Se existe um especial que nos proporciona tamanha satisfação em fazer, este especial é um deles. Todo ano as expectativas são grandes, primeiro por adivinhar quais filmes serão indicados, depois para assistir todos os filmes a tempo, para no fim, trazer para vocês todas as nossas impressões sobre eles.

Neste ano não será diferente, durante esta semana, a partir de amanhã, do dia 19 ao dia 26 de fevereiro, o dia da premiação, estaremos trazendo as críticas dos nove filmes indicados a melhor filme no Oscar de 2017. Preparem-se para as apostas!

Indicados a melhor filme



O evento será televisionado pelo canal TNT (60) na TV fechada e se você quer ficar por dentro de todos os indicados, preparei a lista completa com todos os indicados, confere aí em baixo!

Gostou? Confira também com foi o nosso especial nos anos anteriores: 2015 e 2016

Resenha: Jantar Secreto

Título Original: Jantar Secreto
Autora: Raphael Montes
Ano: 2016
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 360
Compre: Submarino - Amazon

Eu não sabia o que esperar quando recebi o Jantar Secreto em casa. Eu sabia que tinha uma pegada de suspense, que saia totalmente do tipo de leitura que predomina a minha estante - composta basicamente de chick-lit e young adult. Uma coisa eu posso te adiantar, não é todo mundo que terá estômago para ler esse livro.

Dante, o narrador da história, já começa desconstruindo completamente a imagem dele, afirmando ter feito algo imperdoável. Ele nos envolve com suas palavras sem revelar ao certo o que fez e nos apresenta o enigma da gaivota. Para quem não conhece existe um jogo que envolve um enigma onde as pessoas precisam adivinhar o que acontece em uma terminada história tendo apenas algumas informações (normalmente uma frase). Para descobrir como aquilo aconteceu, as pessoas só podem fazer perguntar que envolvam respostas como "sim", "não" ou "irrelevante".

Para esclarecer todos os fatos de como ele chegou ao ponto de se autodeclarar um monstro, Dante volta até o tempo em que se mudou de uma cidadezinha do interior do Paraná com mais três amigos para estudar no Rio de Janeiro. Todos recheados de esperança para crescer na vida e em suas carreiras. Mas eis que ao se formarem, o país está em crise. Ter um emprego e sustentar o padrão de vida carioca já não é possível. Para pior, eles adquirem uma dívida de 25 mil reais que precisa ser paga o quanto antes.