[Sorteio] Sou de outra época


Em parceria com nove blogs, o Seja Cult organizou um sorteio especial apenas com romances históricos. São 10 livros divididos em dois KITS. As regras são simples, mas leiam com atenção, inclusive o regulamento. Prêmios: dois vencedores vão levar cinco livros cada. Regras: Nenhuma entrada é obrigatória, mas a sorteada em cada KIT será conferida.
Boa sorte a todos e participem muito!

Resenha: A Prisão do Rei

Título Original: King's Cage
Autora: Victoria Aveyard
Ano: 2017
Editora: Seguinte
Páginas: 542
Compre: SubmarinoAmazon

A espera foi longa, e agora, mais de um ano depois, finalmente eu tenho em mãos a continuação da série A Rainha Vermelha. Eu iniciei a leitura de A Prisão do Rei de forma lenta, como se quisesse aos poucos, degustar cada página, como se quisesse prolongar ao máximo o final. Eu sabia que ao finalizar está leitura eu teria a mesma sensação que tive nos anteriores. A sensação de impotência por não saber o que acontecerá depois, resultando num turbilhão de teorias, em caminhos e desfechos alternativos que poderão seguir com a história a partir daqui.

Não preciso mencionar que está resenha, consequentemente, terá spoilers sobre os livros anteriores.

Depois do final revoltante de Espada de Vidro, Maven mantem Mare como sua prisioneira com direito a coleira e algemas. Indefesa e cercada pelos Arvens ou pelas Pedras Silenciosas, que anulam seu poder, a garota elétrica está à mercê dos caprichos do rei tirano. Maven passa a usa-la em prol dos seus planos, para conseguir concertar os conflitos que surgiram com a descoberta dos sanguenovos e para conseguir manter o controle do seu povo. Mare é obrigada a discursar ao lado do rei, que compõe seu próprio discurso contra a Guarda Escarlate e tenta amenizar a situação da guerra civil em consequência a revolução.

"Os olhos são ainda piores. Os olhos dela, de Elara. Antes eu os achava frios, feitos de gelo vivo. Agora compreendi. As chamas mais quentes ardem azuis, e os olhos dele não são exceção. A sombra da chama. Maven flameja, mas a escuridão o corroí pelas beiradas." 

Resenha: Frankenstein, ou, o Prometeu Moderno

Título Original: Frankenstein, or, The Modern Prometheus
Autora: Mary Shelley
Ano: 2017
Editora: Darkside
Páginas: 304
Compre: SaraivaAmazon 

A curiosidade, racionalidade e a criatividade sempre estiveram presentes na mente e evolução do homem. Não fossem por estas três características, provável seria que muitos dos avanços da atualidade, das revoluções do passado, ou do pensamento do presente não existissem na forma como os conhecemos hoje. Porém, o que para muitos pode ser compreendido como o diferencial, a salvação da humanidade, também pode ser classificado como nossa maldição e ruína.

Desde o fim da Idade Média a humanidade, por muito ligada, presa aos costumes e mentalidade da Igreja, se volta para a razão, para as ciências, para um método rigoroso de comprovação e observação da realidade e segredos do mundo. A ciência, durante muito tempo foi compreendida como a redentora da humanidade, aquela capaz de resolver todos os erros, descobrir todos os mistérios, reparar cada defeito da natureza e do próprio ser humano. A fé cega, os avanços desenfreados, a falta de reflexão sobre ações, escolhas e nossa posição no mundo foram responsáveis por trazer as mais terríveis realidades, porém, nas mais diversas épocas, mentes brilhantes foram capazes de enxergar através da neblina e dizer onde aquele caminho levaria. Este, é apenas um deles.

“A curiosidade, a pesquisa séria para aprender as leis ocultas da natureza, a alegria semelhante ao êxtase à medida que se revelavam para mim, acham-se entre as primeiras sensações de que me recordo. ”

Resenha: A História do Brasil para quem tem Pressa

Título Original: A História do Brasil para quem tem Pressa
Autor: Marcos Costa
Ano: 2016
Editora: Valentina
Páginas: 193
Compre: Saraiva - Amazon

O livro é uma ótima base para quem precisa conhecer os principais acontecimentos históricos ao longo da construção do Brasil. Começando com a expansão comercial e marítima na Europa, impulsionada por uma possível crise nos portos devido a tomada de Constantinopla, passando pelo período colonial quando Portugal buscava por lugares que pudessem prover riquezas. Depois falando um pouco também sobre o período monárquico e terminando no período republicano.

A História do Brasil para quem tem Pressa é uma obra didática e de fácil compreensão que, ao contrário de muitos livros de história, apresenta os fatos de forma simples e objetiva. Dá ao leitor as principais informações e encorpora a história do país de maneira objetiva e ilustrada. O leitor tem assim, a oportunidade de se aprofundar mais na história e fica a cargo do mesmo decidir quais épocas do Brasil ele deseja saber mais. É claro que por ser um livro tão sucinto e direto, algumas coisas acabam ficando de fora. Porém, o livro dá ao leitor uma base dos acontecimentos e uma referência do que pesquisar, caso queira obter mais informações a respeito de determinado fato histórico.

Acho que essa é uma obra que ajuda as pessoas a se inteirarem mais sobre história de uma maneira que não seja massante. Além disso, é uma forma de incentivo a conhecer nossas origens e como a história nos levou ao ponto em que estamos hoje. É sempre importante lembrar os erros e acertos do passado para construir um novo e melhor futuro.

Lançamentos Editora Pedrazul

Hoje vim mostrar para vocês alguns lançamentos para todos os apaixonados por romances de época e históricos, assim como eu. A Pedrazul é uma editora dedica exclusivamente ao gênero de romances clássicos, especialmente os da literatura inglesa, nicho no qual atua quase na sua totalidade. Em breve vocês poderão conferir algumas dicas e resenhas de livros por aqui.

Neste ano veremos muitas autoras nacionais sendo lançadas pela editora, Silvia Spadoni será uma delas e o primeiro livro da sua série Amores está sendo lançado em abril. Um Amor Conquistado contará a história de Sophia que chegou a Inglaterra devido a Revolução Francesa, um tempo depois tem a possibilidade de voltar a suas origens e descobrir o paradeiro da sua família, mas para isso deverá fingir ser noiva de um nobre inglês conhecido com conde de gelo